Vasco

Vasco

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

HISTORI&LENDAS DA COLINA - CBD

 1 -  Em 1956, a então Confederação Brasileira de Desportos, atual CBF, mandou o técnico Flávio Costa convocar um time canarinho, a fim de excursionar à Europa, já pensando no Mundial de 1958, na Suécia. Para não desfalcar muito as equipes, o treinador chamou, no máximo, três de cada agremiação. Do Vasco, levou o massagista Mário Américo, o lateral-direito Paulinho de Almeida, o ponta-direita Sabará e o meia Walter (Marciano), que muitas revista e jornais antigos escreviam com “V”.
Durante os primeiros treinos, a rapaziadas reuniu-se no gamado de São Januário e até treinou com a camisa vascaína, como você está vendo na foto acima à esquerda. No Velho Mundo, os amistosos foram entre 8 de abril e 9 de maio, com estes resultados: Brasil 1 x 0 Portugal; Brasil 1 x 1 Suíça; Brasil 3 x 2 Áustria; Brasil 0 x 0 Tchecoeslováquia; Brasil 0 x 3 Itália; Brasil 1 x 0 Turquia e Brasil 2 x 4 Inglaterra. (Foto reproduzida de "Manchete Esportiva).

2 - Vasco e Cruzeiro decidiam o título do futebol brasileiro, em agosto de 1974, no Maracanã. Ao tentar acertar o atacante cruzeirense Palhinha, o zagueiro Moisés, que batia forte, em sua primeira jogada, para impor respeito, errou o alvo, estourou os meniscos e chorou. Mesmo assim, seguiu no jogo. Só no intervalo comunicou o problema ao médico. Mas disse ao técnico Mário Travaglini que continuaria em campo, pois o time estava sem reserva para ele. Na semana seguinte, foi operado.
OS XERIFÕES MALVADOS TAMBÉM CHORAM, conforme mostrava a "bíblia do Moisés da Colina".

3 - No mesmo Brasileiro de 1974, o Vasco precisava vencer o Sergipe, em Aracaju, para seguir adiante. Dé ‘Aranha’ e Roberto Dinamite, a dupla de área, estava com início de estiramento muscular. Instantes antes da partida, fizeram testes no vestiário e esconderam seus problemas do médico. Roberto, ao marcar o gol da vitória, agravou a sua contusão, pelo esforço no chute. De sua parte, Dé chegou ao final da partida se arrastando
O DINAMITE EXPLODIU e o ‘Aranha’ rastejou. LITERALMENTE! , sem veneno.

4 - Madrugada de 20 de novembro de 1968 – O Vasco jogara, com o Corinthians, pelo Torneio Rio-São Paulo. Na volta da torcida ao Rio de Janeiro, o ônibus caiu dentro do Rio Paraíba. A chefe do grupo, Dulce Rosalina, só não ficou inutilizada graças à competência dos médicos Nova Monteiro e Lídio Toledo.
MILAGRE DE SÃO JANUÁRIO, para Dulce continuar a sua história de desfraldar a bandeira cruzmaltina

5 - Campeonato Carioca-1964 - A Administração dos Estádios da Guanabara-ADEG queria inaugurar os novos refletores do Maracanã, e o melhor momento seria em Vasco x Fluminense. Velho inaugurador de estádios, o Vasco já havia inaugurado a iluminação de uma outra casa, a do então Estádio Nacional de Brasília – após o tri da Seleção Brasileira, tornou-se Edson Arantes do Nascimento, "Pelezão", já demolido. No clássico carioca,  Vasco e Flu passaram em branco diante de 20.118 pagantes, que lgastasram Cr$ 9 milhões, 607 mil, 410 cruzeiros, a moeda da época. Cláudio Magalhães apitou e a “Turma da Colina”, dirigida por Duque, formou com: Marcelo Cunha, Joel, Brito e Pereira; Odimar (Maranhão) e Barbosinha; Nilton, Célio, Mário ‘Tilico’ (Saulzinho), Lorico e Da Silva (Ramos).

6 - O inglês Harry Welfare foi o segundo treinador vascaíno. Ficou entre 1927 a 1937, tendo conquistado os títulos cariocas de 1929/34/36. Passou o cargo, em 1937, a Floriano Peixoto, e voltou, em 1940, para comandar a equipe durante ao Torneio Luís Aranha. Pouco depois, entregou o comando a Carlos Escarone, um outro uruguaio. Welfare chegou ao Brasil como professor. Nascido em Liverpool, em 20.08.1888, viveu até 1º de setembro de 1966. Pelo time vascaíno, a parti r de18 de novembro daquele 29, trabalhou com feras como Jaguaré, Domingos da Guia, Fausto dos Santos, Russinho e Leônidas da Silva. Também, criou o departamento médico do Vasco e foi assessor tático do uruguaio Ondino Vieira, o montador do “Expresso da Vitória”
WELFARE ERA ALTO E FORTE. UM VERDADEIRO “FARÃO”. TINHA FARO DE TÍTULOS

7 - Luis Carlos Winck, que fez o cruzamento para Sorato marcar o gol do título brasileiro de 1989, contra o São Paulo, contou esta “pérola”, ao receber uma cotovelada que lhe arrancou um dente, mandou um palavrão caprichado pra cima do agressor. Prejuízo duplo: um microfone aberto captou tudo e a sua mãe ouviu a barbaridade, pelo rádio. E não lhe perdoou. À noite, telefonou-lhe, passando um pito, por causa da língua suja. E não aceitou as suas explicações. Cobrou com mais uma pancada: “Já pensou se ele xinga a sua mãe?” Winck disse imaginar que isso se dera antes de ele ter ido para o Vasco.

8 - 28 denovembro de 2000 - O Vasco tornou-se o primeiro time carioca a marcar 1.000 gols em Campeonatos Brasileiros. Aconteceu nos 3 x 2 sobre o Bahia, com Juninho Paulista “milesimando” o filó de São Januário.

9 -- O Vasco é “mais, mais” em muito mais. Confira: a) -Tem o maior artilheiro do Brasileirão (Roberto Dinamite, com 190 gols, 181 pela "Turma da Colina"); maior número de “matadores” (Roberto Dinamite, em 1974 (16 gols) e 1984 (16); Paulinho, em 1978 (19); Bebeto, em 1992 (18), e Edmundo, em 1997 (29). b) - Marcou mais gols em um só jogo do Brasileiro (Edmundo (6), em Vaco 6 x 0 União São João-SP, em 11.09.1997). c) Primeiro a marcar cinco em uma só partida (Roberto Dinamite, em Vasco 5 x 2 Corinthians, em 04.05.1980, no Maracanã). d) - É o único a fazer o artilheiro e o vice de um mesmo campeonato (Roberto Dinamite (16) e Arturzinho (14), em 1984.
 
10 - 15 de julho - O Vasco empatou, por duas vezes, pelo mesmo placar, com o mesmo adversário paulista. Detalhe: o rival usou dois nomes diferentes. Em 1937, em uma quinta-feira, foi Palestra Itália e ficou no 0 x 0, amistosamente, no Parque Antárctica, em São Paulo, com Harry Welfare escalando: Joel, Poroto e Itália; Oscarino, Zarzur e Calocero; Raul, Lindo (Mamede), Kuko, Feitiço e Orlando (Luna). Em 1951, pela Copa Rio, o clube paulistano já era Sociedade Esportiva Palmeiras. Rolou novo 0 x 0, em um domingo, no Maracanã. Otto Glória usou: Ernâni; Augusto e Clarel; Ely, Danilo e Alfredo II; Tesourinha, Vasconcelos, Friaça, Maneca e Chico (Djayr). Do primeiro jogo não se sabe público e a renda. Já o segundo teve 77.488 presentes, dos quais 63.668 compraram ingressos, que renderam Cr$ 1 milhão,914 mil,325 cruzeiros. O Vasco era tão amigo dos palestrinos/palmeirenses, que até os ajudou na comprar do terreno onde construiram o seu estádio. Mais: entre 28 de setembro de 1924 e 28 de agosto de 1938, disputou 20 amistosos com eles, vencendo cinco e empatando 11.

Nenhum comentário:

Postar um comentário