Vasco

Vasco

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

HISTORI&LENDAS DA COLINA - JOEL

 1 – Esta é mais uma daquelas histórias. Esta foi assim: o garoto sonhador chegou ao estádio do grande clube, pronto para, dentro de alguns anos, ser o dono da camisa 3 da Seleção Brasileira. Mas o porteiro não o deixou entrar. De tão inflexível que era o sujeito, ele já estava decidido a ir embora, quando, de repente, o cara mudou de ideia. E lá foi ele pedir uma chance ao técnico do time de juvenis. Ganhou a oportunidade de mostrar o que sabia e, depois do treino, ouviu a proposta de voltar no dia seguinte. E foi voltando, voltando, até ser inscrito como atleta do Vasco da Gama. Por ali começou a história de Joel Natalino Santana que, aos 20 anos de idade, em 1969, já era visto como bom zagueiro e candidato a sucessor de Brito. Joel foi campeão brasileiro-1974 e, mais tarde, tornou-se um dos grandes treinadores brasileiros, já tendo, por várias vezes, dirigido a “Turma da Colina”.      

2 -  Além de Bebeto (o baiano José Roberto Gama de Oliveira), na década 1980, o Vasco quase tirou um outro astro do Flamengo: o centroavante César Augusto da Silva Lemos, que terminou sendo um dos maiores ídolos da torcida do Palmeiras. O “Almirante” propôs NCr$ 350 mil novos cruzeiros (moeda da época) em prestações a longo prazo. Imediatamente, os palmeirenses ofereceram menos, mas colocando no negócio o centroavante Servílio e o ponta-esquerda Rinaldo, que haviam passado pela Seleção Brasileira. O Fla não topou. Agradava-lhe trocar César por Ney Oliveira, mas, aí, foi o Vasco que não topou. Então, o “Verdão” ofereceu 300 mil e mais o passe de um atleta. Como teria que pagar 39 mil a César, pelos 15% relativos ao valor do passe, os rubro-negros ficariam com 261 mil. Então, o Palmeiras ofereceu 200 mil a vistas e mais um jogador a ser escolhido pelo parceiro. Negócio fechado.
 Como o Vasco não fez contraproposta, perdeu um grande goleador que tiraria do cofre de São Januário mais 450 mil de luvas e 500 mil mensais (além dos direitos de transferência). Talvez, os vascaínos tivessem que pagar as prestações devidas pelo jogador, da compra de um Aero Willis Itamaraty, o que assumiram os paulistanos. Medindo 1m75cm e pesando 70 quilos, em 1968, César tinha o biotipo dos grandes centroavantes cruzmaltinos. Era cria do Canto do Rio (nascera em Niterói, em 17.05.1946), clube do qual a “Turma da Colina” tirara um dos seus maiores “xerifões”, Ely do Amparo. O “matador” chegara ao maior rival  como infanto-juvenil e assinara o primeiro contrato (de gaveta), em 1963, ganhando a pequena mensalidade de 4 mil novos cruzeiros.  

 3 – A pedra fundamental do estádio do Vasco foi colocada no dia 6 de junho de 1926, com o termo de construção sido assinado pelo prefeito do então Distrito Federal, Alaor Prata. Durante a construção, lembrava-se que a primeira bandeira do clube, toda em flanela, oferecida pela guarnição da canoa Zoca.

4 – O primeiro jogo interestadual vascaíno rolou em 23 de janeiro de 1921, com vitória sobre o Serrano FC, de Petrópolis, por 3 x 2. Negrito (2) e Biguá marcaram os gols e o time teve: Nélson, Cruz e Biguá; Barreiras, Palhares e Militão; Dutra, Nico, Medina, Negrito e Antonico. 
                                 
5 – O Vasco da Gama é o clube que mais vezes fez o principal artilheiro do Campeonato Brasileiro: 1974 – Roberto Dinamite (16 gols); 1978 – Paulinho Massariol (19); 1984 – Roberto Dinamite (16); 1992 – Bebeto (18); 1997 – Edmundo (29); 2000 – Romário (22) e 2001 – Romário (21).

6 - Roberto Dinamite é o “Rei do Barbante” nos Campeonato Brasileiros. Mandou 190 bolas ao sacode, em série iniciada em 1971 e que foi até 1988. Em 1989, ele esteve emprestado à Portuguesa de Desportos e marcou 10 tentos. Voltou ao Vasco da Gama e jogou os Brasileirões de 1990 e de 1992. Em 371 compromissos, obteve a média de 0,51 gols por partida. 

7 – O recorde de gols em uma só partida do Brasileiro é vascaíno. O “Animal” Edmundo quebrou a marca, de 28, que rolava desde 1977, e deixou seis bolas na caçapa do União São João, de Araras-SP, em 11 de setembro de 1997. E, ainda, perdeu um pênalti.

8 -  Depois de Edmundo, com seis, só oito jogadores conseguiram marcar cinco gols em uma mesma partida do Brasileirão. Um deles foi Roberto Dinamite, em Vasco 5 x 2 Corinthians, em 4 de maio de 1980. 

9 – O Vasco ajudou a um atleta muito identificado com o seu maior rival, o Flamengo, a ser o campeão brasileiro com maior número de títulos: 5. O apoiador Andrade obteve o seu último, como cruzmaltino, em 1989.

10 – O centroavante vascaíno César foi o autor do  primeiro gol da edição em que o  Campeonato Brasileiro chegava a 10 temporadas. Em Vasco 3 x 1 Vila Nova-GO, no dia 17 de janeiro de 1981. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário