Vasco

Vasco

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

VASCO DAS PÁGINAS - MANÉ DA COLINA

   GARRINCHA ESTEVE VASCAÍNO
Esta foto de Garrincha controlando a bola com o joelho direito e usando a camisa vascaína circula bastante pela Internet. E já foi reproduzida por vários veículos de comunicação impressa. No entanto, nunca o nome do autor do ‘clic’ é mencionado.
 Culpa da “Revista do Esporte – N 449, de 14 de outubro de 1967 – que a publicou. Não era costume e nem obrigatório, por aquela década, revistas e jornais mencionarem o nome do fotógrafo.
 O pior, porém, foi a publicação não identificar nenhum dos seus profissionais da fotografia pelo expediente da edição.
 Em um número próximo, o 458, de 16 de dezembro do mesmo 1967, a revista  “expedientizou” os fotógrafos Osmundo Salles, Jorge Renato, Arnaldo Campos e Dom Carlos Menezes. Em numerações anterior, a 418, de 11 de março, os mesmos nomes seguem no expediente, o que não ocorre mais no 466, quando são citados apenas Osmundo e Hélio Brito.
 São três fotos do Mané, em duas páginas, em matéria pela qual ele avisa que não mais assinaria contato para jogar futebol, pois treinava, treinava – fez só um amistoso, em Cordeiro-RJ – e o Vasco não definia o seu futuro.
 Devido aquela situação, Garrincha oferecia-se para disputar amistosos com a camisas do clube que lhe pagasse NCr$ 1 mil novos cruzeiros por apresentação. O dono do seu passe, o Corinthians, não ligava para aquilo, desde que ele não se apresentasse na capital paulista e no Rio de Janeiro. O que o clube queria era livrar-se dele.

 Garrincha queixava-se, ainda, de o radialista ter divulgado que ele estava morando em um barracão no bairro carioca do Méier e de ter feito campanha contra ele quando foi para São Januário. 
Ele dizia poder jogar por mais três temporadas e esperava arrumar dinheiro para montar uma farmácia. Até sonhava em jogar por um clube estrangeiro.
 - Os jogadores do Vasco que estiveram na Espanha e em Portugal me contaram que torcedores, jornalistas e dirigentes de clubes perguntaram por mim – contou à “RevEsp”, no que parecia ser um delírio, pois não teria a mínima condição de encarar um futebol tão ríspido como o das Europa.  
OBS: o  Vasco da Gama, realmente, esteve pela Europa e o continente africano, em 1966, mas não passou por Portugal, como falou Garrincha.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário