Vasco

Vasco

domingo, 17 de julho de 2016

DOMINGO É DIA DE MULHER BONITA - MARTHA ESTEVES, PIONEIRA NO JORNALISMO ESPORTIVO CARIOCA

Pela segunda metade da década-1950, a revista “Manchete Esportiva”, do empresário Adolpho Bloch, teve a primeira mulher escrevendo sobre esportes no Brasil, a portuguesa Meg. Mas ela só fazia matérias com hora marcada e com atletas tipos brotinhos encantadores. Ainda estavam longe os tempos em que uma escriba teria a coragem de encarar a ditadura dos cartolas e contar para a sua torcida o que e eles não deveriam saber.
Quem teve esta coragem foi uma jornalista carioca, a iniciante Martha Esteves, que escrevia para a revista paulista “Placar”. Prêmio pela sua coragem e a grande reportagem? Ser proibida, por Eurico Miranda, o “Ditador da Colina” da hora, de entrar em São Januário. Prêmio mesmo! A reação era um reconhecimento da competência da repórter.
 Mas, como Martha Esteves tinha o DNA da caça à notícia,  não ficaria só naquele lance. Quando o Flamengo celebrava os seus 120 anos, ela foi para mais uma bola dividida. Tentou entrevistar o ex-atacante flamenguista Hernane “Brocador”, mas os cartolas do Sport Recife fecharam-lhe as portas, como contou o repórter Haim Ferreira, do Jornal do Comércio, da capital pernambucana. Martha nada tinha nada a ver com a briga, mas pegara o rebote de mais um capítulo da  rivalidade do "Leão da Ilha" com o “Urubu”, por causa de um caneco – o do  Brasileirão-1987, que ambos reivindicam e foi parar na Justiça comum.
 “Falo com o Zico, o Leandro, o Obina, sobre o Flamengo, a qualquer momento. Mas, falar com o “Brocador”, não pude. A diretoria do Sport não deixa. Ridículo...”, reclamou Martha, por matéria divulgada pelo site www.uol.com.br, acrescentando: “Patético, o Sport proibir o Hernane de falar sobre o Fla, em seus 120 anos do vida. Ele nem jogou a Copa União de 87. Rivalidade ridícula. Sport Recife: clube pequeno...” – abriu a boca, bateu na cara e arrancou os dente do Leão.
Martha Esteves é subeditora do “Ataque”, o caderno esportivo do jornal “O Dia”, e mulher pioneira do jornalismo esportivo no Rio de Janeiro nesses temos mais modernos. Faz, também, a coluna “Fulecagem”, surgida dias antes da Copa do Mundo-2014, para rolar só até o final da competição que o Brasil sediava, pela segunda vez – a primeira fora em 1950. Agradou tanto que não saiu mais de cartaz. “Virou blog, porque a zoeira não tem fim”, diz Martha, sugerindo: “Divirtam-se!”
A caricatura que você vê por aqui e está na “Fulecagem” é criação do artista Nei Lima.
Além de “O Dia”, onde está em sua terceira passagem, há duas décadas, Martha já levou a sua garra também para o Jornal o Brasil e à Radio MPBFM, além de ter feito trabalhos, como freelancer, para a TV Globo e as revistas Playboy e Quatro Rodas, entre muitos outros.
Cá, entre nós: se The Beatles não gravaram “Martha my dear” em homenagem a esta guerreira, deveriam ter gravado. Confere? Então, clique nas letrinhas aqui em baixo e ouça. Um bom domingo! 
 
For the second half of the decade, 1950, the magazine "Headline Sports", the entrepreneur Adolph Bloch, was the first woman writing about sports in Brazil, the Portuguese Meg. But she only made matters by appointment and athletes charming brotinhos types. They were still far from the days when a woman would have the courage to face the dictatorship of top hats and tell your fans and what they should not know.Who had that courage was a Rio journalist, Martha Esteves, who wrote to the São Paulo magazine "Score." The award for their courage and the big story? It is prohibited by Eurico Miranda, the "Dictator of the Hill" time, entering São Januário.
 Award yourself! The reaction was a recognition of the competence of the reporter. But as Martha Esteves had the DNA of hunting news, would not be just that. When Flamengo celebrated its 120 years, she went to another. He tried to interview the former striker flamenguista Hernane "Brocador" and top hats Sport Recife closed the doors, and told the reporter Haim Ferreira, the Journal of Commerce, the capital of Pernambuco. It was another chapter in the rivalry with the "vulture" because of the recognition of the title-Brasileirão 1987 both claim and ended up in civil courts. "I talk to Zico, Leandro, the Obina on Flamengo at any time. But talk to the "Brocador" I could not. The Sport's board leaves. Ridiculous ... "complained Martha, by matter disclosed by the site www.uol.com.br, adding," Pathetic, Sport prohibit Hernane to talk about Flamengo, in its 120 years of life. He even played the Union Cup 87 Rivalry ridiculous. Sport Recife: small club ... "hit the face of the Island Lion, the nickname of Recife red and black
.Martha Esteves is subeditora the "Attack", the sports book of the newspaper "The Day", and pioneer woman of sports journalism in Rio de Janeiro have these modern. It also makes the column "Fulecagem", which appeared days before the World Cup-2014, only to last until the end of the competition that Brazil sediava for the second time - the first was in 1950. It pleased so much that did not go over poster. "He turned blog because zoeira has no end," says Martha, suggesting: "Knock yourselves out"The caricature you see here and is in "Fulecagem" is the creation of artist Nei Lima.In addition to "The Day", which is in its third pass, two decades ago, Martha has led his claw also to the newspaper Brazil and the Radio MPBFM, and has done work as a freelancer for TV Globo and magazines Playboy and Quatro Rodas, among many others.Here, among us, if not The Beatles recorded "Martha my dear" in honor of this warrior, should be recorded. Gives? 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário