Vasco

Vasco

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

O VASCO NOSSO DE CADA DIA - 01.08

 
Andrada, Miguel, Alcir, Fidélis, Moisés e Alfinete (em pé, da esquerda para a direita); Jorginho Carvoeiro, Zanata, Ademir, Roberto Dinamite e  Luís Carlos Lemos ( agachados, na mesma ordem), em foto reproduzida da revista Manchete.
Agosto é o mês de aniversário do Vasco. E de quatro títulos: campeão carioca-1923, o primeiro da história do cube na primeira divisão, pela Liga Metropolitana de Desportos Terrestres; da Série A do Campeonato Brasileiro-1974; do Estadual-1987 e da Taça Libertadores da Amérca-1998.  
O caneco do Brasileirão foi carregado há 40 temporadas, comemora-se hoje. Para carrega-lo, o Vasco disputou um quadrangular contra o Santos, ainda com Pelé, o Internacional e o Cruzeiro, e ficou igualado aos mineiros, em primeiro lugar. Então, rolou um jogo extra, em 1º de agosto de 1974, em uma noite de quarta-feira, no Maracanã, diante de 112.993 pagantes. A "Turma da Colina" chegou mais perto da taça, aos 14 minutos, como Ademir mandando o aviso à rede. Mas o lateral-direito cruzeirense Nelinho empatou, aos 19, e ficou assim o primeiro tempo.
O duelo era duríssimo. E complicou-se mais na etapa final. Até que, na volta 33 dos ponteiros do relógio do juiz Armando Marques, o ponta-direita Jorginho Carvoeiro marcou o gol que fez dos vascaínos os primeiros cariocas campeões brasileiros: 2 x 1. Treinado por Mário Travaglini, o Vasco carregou taças e faixas formando com: Andrada; Fidélis, Miguel, Moisés e Alfinete; Alcir, Ademir e Zanata; Jorginho Carvoeiro, Roberto Dinamite e Luís Carlos Lemos.
CAMPANHA - Datas, placares e gols da conquista que teve em Roberto Dinamite o principal "matador" das contendas, com 16 "crimes". Conferindo! 09.03.1974 – Vasco 2 X 0 Coritiba (gols de Luís Carlos Lemos e Roberto Dinamite); 13.03.1974 – Vasco 0 x 0 Desportiva Ferroviária-ES; 17.03.1974 – Vasco 1 x 0 Flamengo (Roberto Dinamite); Remo-PA 1 x 2 Vasco (Gaúcho e Roberto Dinamite); 23.03.1974 - Paysandu 0 x 0 Vasco;30.03.1974 – Vasco 0 x 0 Botafogo; 03.04.1974 – Vasco 0 x 0 Bahia; 13.04.1974 - Vasco 0 x 0 Vitória-BA; 21.04.1974 – Vasco 1 x 2 Fluminense (Luis Carlos); 27.04.1974 – América-RN 2 x 3 Vasco (Roberto Dinamite (2) e Fred); 04.05.1974 – Itabaiana 0 x 3 Vasco (Luis Carlos, Roberto Dinamite e Zanata); 08.05.1974 – Vasco 1 x 1 Olaria (Roberto Dinamite); 15.05.1974 – Tiradentes-PI 0 x 1 Vasco (Perez); 18.05.1974 – Sampaio Corrêa-MA 2 x 0 Vasco; 26.05;1974 – Vasco 0 x 1 América-RJ; 29.05.1974 – Vasco 1 x 0 Avaí-SC (Roberto Dinamite); 02.06.1974 – Grêmio-RS 1 x 0 Vasco; 09.06.1974 – Atlético-PR 1 x 1 Vasco (Jaílson); 13.06.1974 – Vasco 3 x 1 Internacional (Roberto Dinamite (3); 29.06.1974 – Vasco 3 x 0 Operário-MS (Roberto Dinamite, Fred e Marião (contra);03.07.1974 – Nacional-AM 0 x 0 Vasco; 10.07.1974 – Atlético-MG 0 x 2 Vasco (Roberto Dinamite e Jaílson); 14.07.1974 – Vasco 2 x 0 Corinthians ( Roberto Dinamite e Jaílson); 18.07.1974 – Vasco 0 x 0 Vitória-BA; 21.07.1974 – Vasco 2 x 1 Santos (Roberto Dinamite e Luis Carlos); 24.07.1974 -Vasco 1 x 1 Cruzeiro (Alfinete). 28.07.1974 – Vasco 2 x 2 Internacional-RS (Roberto Dinamite e Zanata); 01.0.1974 – Vasco 2 x 1 Cruzeiro (Ademir e Jorginho Carvoeiro). 
Além do seu primeiro título do Brasileirão, o Vasco aproveitou  o primeiro de agosto, também, para disputar o seu “Jogo 50”, contra o seu maior rival, o Flamengo, em 1948, e laçar  a "Zebra".
VASCO 2 X 1 FLAMENGO -  Era um domingo de Campeonato Carioca, em São Januário, e o ‘Urubu” voou na frente. Mas foi um voo curto. Ademir (2) e Dimas mudaram a rota da partida, por sorte do treinador Flávio Costa, que confiou em: Barbosa, Augusto e Wilson: Ely, Danilo e Alfredo II; Djalma, Friaça, Dimas, Ademir Menezes e Tuta – até ali, o Vasco vencera 17 pugnas contra o Fla, uma delas, por 7 x 0, em 26 de abril de 1931, e empatara oito.
VASCO 5 X 0 PORTUGUESA-RJ - O jogo valeu pelo Estadual-1982, com Roberto ?Dinamite com pavio curto. Fez três gols. E Ernani e Márcio (contra) colocando o “garoto do placar “ para trabalhar  mais, perante 6.986 pagantes. Treinado por Antônio Lopes, o batalhão cruzmaltino que laçou a "Zebra da Ilha do Governador" era: Mazaropi; Rosemiro, Nei, Serginho e Pedrinho; Dudu, Celso e Serginho; Pedrinho Gaúcho, Ernani, Roberto Dinamite e Marquinho.
CAMISA PRETA -  Foi em Brasília, em 1º de agosto de 2001, no velho Estádio Mané Garrincha (demolido e reconstruído para a Copa do Mundo-20014)  que o Vasco retomou o uso da camisa toda preta, após várias décadas de abandono. Ocorreu diante de 19.743 compradores de ingressos. Em suas primeiras competições de remo, modalidade para a qual foi pensado, os vascaínos usavam uniforme totalmente negro, com a faixa horizontal na camisa. Na virada do século 19, para o 20, ela passou a ser em diagonal. A partir de 26 de novembro de 1915, quando aderiu ao futebol, a camisa era negra, com punhos brancos e a cruz no peito esquerdo. Por causa daquilo, a rapaziada passou a ser chamada de “Os Camisas Pretas”. A jaqueta branca com a faixa preta em diagonal, estreou em 16 de janeiro de 1938, durante os 4 x 1, em São Januário,  contra o Bonsucesso, com gols de Niginho (2), Lindo e Luna,  pelo Campeonato Carioca ainda de 1937. Os lançadores da moda foram: Rey, Poroto e Itália; Rafa, Zarzur e Lindo: Alfredo I, Feitiço, Luna e Niginho.
A camisa branca (mais usada) é a número 2. A preta, embora seja a 1, foi sendo desprezada, na década-1940, para ser reabilitada no Planalto Central, quando a “Turma da Colina” estreava no Campeonato Brasileiro da Série A, empatando, com o Gama, por 0 x 0, em uma noite de quarta-feira. Lourival Dias Lima Filho (BA) apitou e o time, treinado por Joel Santana, foi: Hélton; Patrício, Odvan, Alexandre Torres e Gilberto; Jorginho, Botti, Juninho Paulista e William; Euller e Romário (Paulo César). 







 

Nenhum comentário:

Postar um comentário