Vasco

Vasco

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020


                                                    

'MEMO' DA PUBLICISPORT - DINAMITE

Roberto Dinamite, maior ídolo da torcida do Vasco da Gama, em todos os tempos do futebol na Colina, não viveu o mundo da publicidade, praticamente. Se bem que, em seu auge pelos gramados, pelas décadas-1970/1980, o anunciantes não eram frequentes em convocar futebolistas para empurrar as duas marcas. Tirando Pelé, o "Rei do Futebol", os demais colegas apareciam nos núncios de vez em quando.
Já depois de encerrada a carreiras de atleta e iniciadas a de cartola, como presidente do Vasco, Roberto Dinamite, foi garoto-propaganda da Bematech CMNet, empresa de informática que fechou uma parceria com o Almirante, para fornecer soluções em tecnologia. E estampou sua marca na jaqueta vascaína nos dois últimos jogos da temporada-2012.
Por sinal, os ouvintes da Rádio Band News FM do Rio de Janeiro foram surpreendidos no início da tarde da terça-feira 27 de dezembro, por uma mensagem publicitária em que o Dinamite se apresenta como presidente do seu clube e dizendo que qualquer empresa precisa de tecnologia. Depois enaltecia a qualidade da Bematech.
Fora isso, o Dinamite esteve convocado para promover lançamentos, como o de uma linha de uniforme retrô.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

'MEMO' PUBLICISPORT E DIÁRIO DE BORDO

Um anúncio voltado mais para a garoatada, que apronta uma trabalho tremendo para comer, exceto coisas doces.
 É o momento em que os pais lhe tentam convencer que, comendo aquele produto, ele vai crescer forte, tornar-se o grande campeão do futebol.
A marca chegou ao Brasil em 1923, com uma gelatina em pó. Mas tudo começou, em 1863, quando os irmãos Cornelius e Joseph Christoffel Hoagland começaram a aventura do fermento em pó, em Indiana, nos Estados Unidos, com o produto Royal Baking Powder.
Pela década-1980, a gurizada se amarrou no personagem Bocão, da campanha "Abre a boca, é Royal", que rolou legal. A deste anúncio é da metde doséculo 20 e er amuito divulgado pela revista semanal carioca O Cruzeiro.

DIÁRIO DE BORDO DO ALMIRANTRE - 22.01


Aconteceu na data: em 1532, erafundada a vila de São Vicente, no litoral paulista e uma das mais antigas do Brasil; em  1808, chegada da família real portuguesa ao Brasil, fugida de invasão a Portugal pelo imperador francês Napoleão Bonap arte; em1971,  Fundação da Universidade Federal do Acre.
Nascidos no 22 de janeiro: o filósofo inglês Francis Bacon (1561 a  1626); Maria Leopoldina de Áustria (1797 a 1826);  Plínio Salgado, político brasileiro (1895 a. 1975); Barbosa Lima Sobrinho, jornalista e político brasileiro (19897 a 2000); Alf Ramsey, treinador de futebol e futebolista britânico (1920 a 1999). Vasco Mariz, historiador, musicólogo, escritor e diplomata brasileiro (1921 a. 2017); 1922 — Leonel Brizola, político brasileiro (1922 a  2004); 1943Ronnie Cord, cantor brasileiro (1943 a. 1986). Marília Pêra, atriz brasileira (1943 a 2015);  em 1965, Ida Álvares, ex-jogadora de vôlei brasileira; em 1973, 973Rogério Ceni, primeiero goleiro a marcar mais de 100 gols (defendendo o São Paulo FC).
Reprodução de coleção de cards
 vendidos pela Internet
Entre os jogadores vascaínos, o nascido do dia foi o lateral-direito Orlando “Lelé” Pereira, também apelidado por Orlando Amarelo. Nascido, em 1949, em Santos-SP, viveu durante 50 temporadas. Cria do “Peixe”, o  defendeu de 1969 a 1972 e jogou ao lado do Rei Pelé. Eesteve vascaíno 1977 a 1981.
Na Colina, Orlando fez parte da defesa "Barreira do Inferno", que tinha, ainda, Abel, Geraldo e Marco Antônio, dura de ser batida, em 1977. Foi o lateral que mais gols marcou pelo Almirante  (30), grande cobrador de faltas, com chute fortíssimo, o que valeu-lhe, tmbem, o manjadíssimo apelido radiofônico  de Canhão da Colina. Foi campeão da Taça Guanabara e do Estadual-1977.
Orlando defendeu, também,  a Seleção Brasileira, entre 1976/1977, por 10 jogos, com nove vitórias e um empate. Ficou campeão das Cops Rio Branco e Roca; da Taça do Atlântico e do Torneio Bicentenário da Independência dos Esdos Unidos-1976.   
De outra parte, a moçada dos 22 de janeiro aprontou coisas como esta:  em 1944, sapecou 9 x 2 Bangu, em São Januário, com Lelé (4), Cordeiro (3) e Elgen (2) fazendo a festa do tme de Ondino Viera, que atorizou: Oncinha, Zago e Rafagnelli (Haroldo); Octacílio (Alfredo II), Nílton (Tião), Argemiro, Cordeiro, Lelé, Petrônio, Elgen e Chico.