Vasco

Vasco

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

HISTORI&LENDAS DA COLINA - BANGULEADA

1  - Vasco 4 X 0 Bangu, em 1921, foi o segundo amistoso da história desse confronto, iniciado em 15 de junho de 1919, quando os vascaínos ainda eram da Segunda Divisão. Rolou em um domingo, no estádio da Rua Figueira de Mello, comgols marcados por Torteroli, Nolasco, Dutra e Pires. O time vascaíno tinha: Nélson, Leitão, Pastor, Antenor, Claudionor, Eulálio, Cláudio, Pereira, Sebastião, Roberto e Anchyses.
2 - Em 14 de janeiro de 1940, disputou-se, em São Januário, o primeiro torneio internacional de clubes, no Brasl. Chamou-se Luiz Aranha, em homenagem ao presidente da então Confederação Brasileira de Desportos. Foram jogos de 20 minutos, com dois tempos de 10, até as semifinais, e de 30 minutos (duas etapas de 15), na final. Modelo idêntico ao dos "Torneios Inícios. O Vasco teve a concorrência de Flamengo, Botafogo e dos argentinos Independiente e San Lorenzo. No primeiro jogo, aos 3 minutos, Fantoni marcou o gol da vitória sobre o Independiente, por  1 x 0. Na final, encarou o San Lorenzo, empatou,  por 0 x 0, e foi à prorrogação. Em jogada de Orlando Rosa Pinto, no segundo tempo, surgiu umescanteio, que decidia as disputas. E a taça ficou na Colina. Era a primeira conquista de um clube brasileiro em uma competição internacional. Time: Nascimento, Jaú e Florindo; Figliola, Zarzur e Argemiro; Lindo, Fantoni, Villadoniga (Luna), Nino e Orlando. 
3 - Vasco da Gama 6 X 0 América-AM foi um amistoso, de 1955, em Manaus. Embora o “Expresso da Vitória” já tivesse saído dos trilhos, desde 1952, a “Turma da Colina” era forte e estava na entressafra para ser o campeão carioca em 1956. À beira da selva amazônica, as feras que morderam as redes chamavam-se Sabará (2), Parodi, Maneca e Válter Marciano.

POR ONDE ANDA A GATA DA COLINA?

Em 2017, uma linda torcedora aparecia muito na telinha de suas TV, exibindo coração vascaíno nas arquibancadas de São Januário. Tinha "20tinho" de vida.
 Como a galera ficava querendo saber quem era a bela "gata da Colina", o blog "O Sentimento Não Pára" descobriu que chamava-se Raíssa Bergiante e vinha sendo estudante de administração.
Tempinho depois, ela falou ao site www.netvasco.com.br, revelando ser residente no subúrbio carioca de Bangu. Considerava-se pessoa teimosa e não temia declarar-se "grossa com quem merece que eu seja".  Mais: "Não faço nada para agradar, só o que acho que é certo".
 Raissa se dizia vascaína desde quando estava na barriga da mãe que, mesmo barriguda, não perdia jogos vascaínos. Tinha Roberto Dinamite por  maior ídolo cruzmaltino, era grata aos fotógrafos e cinegrafistas que propagavam a sua beleza, mas acreditava que a torcidas feminina do Vasco da Gama tivesse outras meninas mais belas do que ela – impossível!

In 2017, a beautiful fan appeared on the big screen of his TV, displaying a Basque heart in the bleachers of San Juan. He had "twenty-one" of life.
 As the crowd wanted to know who the beautiful "cat in the Hill" was, the blog "Feeling Do not Stop" discovered that her name was Raíssa Bergiante and she had been a management student.
Soon after, she spoke to www.netvasco.com.br, revealing herself to be a resident in the suburb of Rio de Janeiro, considered herself a stubborn person and was not afraid to declare herself "coarse with who deserves me to be." More: "I do not do anything to please, just what I think is right".
  Raissa had said vascaína since when she was in the belly of her mother, who, even in her belly, did not lose Basque games. Roberto Dinamite had a bigger crossmaltino idol, was grateful to the photographers and cameramen who spread his beauty, but he believed that Vasco da Gama's female fans had other girls more beautiful than her - impossible !
  FOTOS REPRODUZIDAS DO BLOG TORCIDA230

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

VASCÃO PROCLAMADOR DE 'SACODES'

 A data 15 de novembro regista a maior "rasteira" da história do Brasil. O marechal Deodoro da Fonseca, cuja carreira militar tiver a proteção do Imperador Don Pedro II, tirou-o do trono, proclamou a República e deu-lhe 24 horas de prazo para sumir do país com toda a sua família.
 O castigo veio a cavalo - como nos quadros em que ele aparece proclamando a nova diretriz politica brasileira. Seu governo trouxe uma tremenda especulação financeira e inflação alta. Sob forte tensão política, o centralizador Deodoro livrou-se do que seria a primeira revolta armada da República renunciando ao cargo, em 23 de novembro de 1891. Tempinho depois, forte crise de apinéia fê-lo "passar desta para uma melhor", a presidência para Floriano Peixoto, que só não foi reeleito porque não quis continuar no carto.
De sua parte, o  Regatas Vaso da Gama tem vivido, absolutamente, sob regime presidencialista. Na Colina, o  "homem"  manda, e acabou. E assim  tem sido, também, no placar. O  15 de novembro marca sacanagens incríeis da "Turma da Colina" contra os seus desafiantes. Confira as "deodorescas":

VASCO 6 X 1 CARIOCA-RJ – Amistoso de 1931, com Russinho marcando três gols e Tinoco, Mário Mattos e Sant´Ánna completando o placar 

VASCO 4 X 0 PORTUGUESA SANTISTA –  Amistoso de 1935, em São Januário, com Luís de Caarvalho, Kuko, Itália e Zarzur batendo no filó.

VASCO 7 x 1 OLARIA - Campeonato Carioca-1937, em uma segunda-feira, no campo da Rua Cândido Silva, com gols de Lindo (2), Alfredo (2), Luna, Niginho e Feitiço. Enfeitiçaram o time da Rua Bariri: Joel, Poroto e Italia; Oscarino, Zarzur e Calocero; Lindo, Alfredo, Niginho (Raul), Feitiço e Luna.

VASCO 8 X 0 JABAQUARA – Segundo dos dois amistosos  já disputados pelos dois clubes. Friaça (3), Lelé (2), Ipojuan (2) e Isaías castigaram o desafiante, que caía, pela segunda vez, pelo mesmo número de gols. Em 7 de janeiro de 1945, amargara 8 x 1, em São Januário. 
OBS: na década-1960, Célio Taveira, penúltimo agachado neste time do "Jabuca", que não é do do jogo citado, foi o maior goleador vascaíno.

VASCO 4 x 1 CRUZEIRO - Amistoso de uma quinta-feira de 1956, no Estádio da Alameda, em Belo Horizonte.  Goleada por virada de placar. Pinga, aos 22, empatou. No segundo tempo, Laerte, aos 3; Artoff, aos 6, e Valmir, aos 8, fizeram o serviço. Serviçais: Carlos Alberto (Sivuca),  Paulinho de Almeida (Ortunho), Bellini (Haroldo), Orlando (Jophre), Laerte (Delci), Coronel (Cléver), Sabará (Valmir),  Livinho (Ceninho), Vavá (Artoff), Válter (Roberto Pinto) e Pinga (Lierte).   

VASCO 5 x 1 BRASIL BANDEIRANTE – Amistoso de 1957, na cidade paulista de Marília. O "Almirante" o registrou como a sua 1.709ª navegação de cabotagem.

VASCO 4 X 2 BOTAFOGO - A proclamação da república deu-se no Campo Aclamação, que virou Praça da República, no Rio de Janeiro de 1889. Longe do Maracanã, 70 anos depois da troca de nomes, a rapaziada proclamou esta goleada. Pinga (2) Sabará e Nílton Santos (contra) bateram na rede para eta turma: Miguel, Paulinho de Almeida, Russo, Bellini, Écio, Coronel, Sabará, Almir, Delém, Roberto Pinto e Pinga estavam lá. 


VASCO 5 X 0 CANTO DO RIO – Campeonato Carioca-1962 e goleada na casa do adversário, o estádio Caio Martins, em Niterói. Viladônega (2), Da Silva, Saulzinho e Lorico esticaram o placar para o time que teve: Ita (Humberto Torgado), Paulinho de Almeida, Brito, Barbosinha, Coronel, Maranhão, Lorico, Sabará, Villadoniga, Saulzinho e Da Silva.

VASCO 6 X 1 AVAÍ-SC - Amistoso de 1983, inaugural do Estádio Aderbal Ramos da Silva, mais conhecido por Ressacada, em Florianópolis-SC.  Vilson Taddei, aos 5 minutos, foi o primeiro a beijar o m"véu da noiva". E voltou a "beija-lo, aos 12.  Marcelo, aos 19, aos 40 e aos 45 do segundo tempo fechou a conta, que teve, ainda um gol por Dudu.  Moçada impiedosa:Roberto Costa; Edevaldo, Chagas, Nenê e Roberto Teixeira; Serginho, Oliveira (Geovani), Vílson Tadei e Ernâni (Dudu); Marcelo e Paulo Egídio (Júlio César). 

HISTORI&LENDAS DA COLINA - GENTIL

Treinador do time vascaíno campeão carioca-1952, Gentil Cardoso foi considerado um dos maiores responsáveis pelo título. Sua rapaziada já era vista em fim de linha, quando ele conseguiu a recuperação do seu futebol  e até devolver o goleiro Barbosa, os defensores Ely e Danilo (na época, jogadores de linha média), e os atacantes Ademir Menezes e Ipojucan à Seleção Brasileira que disputou o Campeonato Sul-Americano-1953.
Para a revista carioca “Esporte Ilustrado”, Gentil foi “o mago da ressurreição do famoso plantel vascaíno”. Na época, ele era o mais antigo dos treinadores brasileiros, vindo de 1929, quando treinou o Sírio-Libanês.
Gentil e Cyro reproduzidos da revista
carioca "Esporte Ilustrado"
 Gentil foi lembrado pela semanária como percussor do sistema tático WM no futebol destas plagas, criado na Inglaterra e que só passou a ser adotado no Brasil a partir de 1935. Em 1932, quando dirigia o time do Bonsucesso, já era criticado por usa-lo. Na época, nem pensar.
 Gentil Cardoso tinha diploma de técnico em Educação Física e em aviação, nesta última formado pela Escola de Aviação Naval do Rio de Janeiro. Era primeiro tenente da Força Aérea Brasileira e ganhou quatro condecorações. Também, foi chefe de máquinas da Marinha, com carta da Escola de Marinha Mercante do Rio de Janeiro.
  Quando Gentil Cardoso ajudou o Vasco da Gama a levar o caneco do Estadual-1952 para São Januário, o chamado “estado-maior” da Colina, isto é, os três principais diretores, eram o presidente Cyro Aranha e mais João Silva e Antônio Calçada.     

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

VASCO DA GAMA 1 X 1 ATLÉTICO-PR

O resultado levou o "Almirante"  para 39 pontos,devendo, na próxima rodada, no sábado, enfrentar o Corinthians, na casa do adversário. Assim como no jogo passado, quando o goleiro Martín Silva engoliu um superfrango, o mesmo infortúnio rolou hoje. O time vencia até os 48 minutos, quando levou o empate.
Rildo, com a bola, fotografado por Rafael Ribeiro, de www.vasco com.br
O gol vascaíno siau no segundo tempo. Aos 21 minutos, após cobrança de escanteio, a zaga do "Furacão" afastou  a bola. Na sobra, o ataque vascaíno recolocou-a na área corintiana. Andrés Ríos dominou e foi atropelado por Pablo. Pênalti que Thiago Galhardo cobrou, com categoria, para abrir o placar.
CONFIRA A FICHA TÉCNICA - 14.11.2018 (quarta-feira). VASCO 1 x 1 ATLÉTICO-PR. 34 rodada do Campeonato Brasileiro. Estádio: São Januário-RJ. Juiz: Leandro Pedro Vuaden-RS.  Gols: Thiago Galhardo, aos 21, e Léo Pereira, aos 49 min do 2 tempo. Renda: R$ 306.340,00. Público: 20.212 pagantes (20.917 total).  VASCO - Fernando Miguel; Raul, Henríquez, Leandro Castán e Ramon (Henrique); Willian Maranhão, Andrey e Thiago Galhardo; Kelvin (Desábato), Rildo (Giovanni Augusto) e Andrés Ríos. Técnico: Alberto Valentim. ATLÉTICO-PR - Santos; Jonathan (Marcinho), Léo Pereira, Thiago Heleno e Renan Lodi; Wellington, Lucho González (Bruno Guimarães) e Raphael Veiga; Nikão, Marcelo Cirino (Rony) e Pablo Técnico: Tiago Nunes.