Vasco

Vasco

domingo, 18 de agosto de 2019

MEXERICOS DA KIKINHA - MANEZADA

  TELA PINTADA POR SOLANGE APARECIDA
 1 – Todas as decisões por pênaltis que assisti, com o “Almira” participando, a rapaziada pisou na bola. A última foi a entrega do título estadual-RJ de 2018. Não sei como se pode perder um tiro livre direto ao gol.

2 – Eu jogo de goleira e a minha área debaixo deu uma trave é de 17,86 metros quadrados. Digamos que uma adversária que tenha muita raiva de mim coloque duas grandes fotos minhas na risca fatal, uma ao lado da outra e, a um metro de distância,e tente acertar a minha cara, com uma moeda de 10 centavos. É assim que fico diante do chutador do pênalti.

3 – Já assisti, pela TV, a Seleção Brasileira perder quatro pênaltis, em uma decisão contra os paraguaios, en Copa América. De acordo com um matemático amigo meu, a probabilidade de erro, quatro vezes seguidas, neste fundamento, é de 0,16 por cento. Já vi o Vasco errar três de cinco cobranças em decisões por pênaltis.
Reprodução de A Gazeta Esportiva, sem crédito para o desenho

4 – Uma goleira amiga minha disse-me ter pesquisado e levantado que sofremos gol em 80 por cento dos pênaltis que tentamos pegar.

5 – Esta mesma goleira amiga disse ter anotado em sua pesquisa que é zero a nossa probabilidade de agarrar o pênalti, caso o batedor acerte um dos cantos superiores da trave, imprimindo à bola a velocidade de 80 quilômetros horários.        
           É muita pixotada perder um pênalti, não é mesmo? Eu já peguei dois.


O DOMINGO É UMA MULHER BONITA - VASCAINISSIMAMENTE, JULIANA PAZ

Ela é uma brilhante atriz de TV. Morena brasileiríssima, esteve na lista das lembradas para ser "bond girl", quando começaram a montar o elenco do último filme do agente secreto 007.
Segura! Esta jaqueta é do coração, pra amor eterno  
 A beleza e a inteligência de Juliana é explícita, principalmente quando ela exiba o estandarte do Club de Regatas Vasco da Gama.
 Nascida em 26 de março de 1979, em Rio Bonito-RJ, a belíssima Juju mede 1m70cm de altura e, além de atriz, é modelo fotográfico e empresária.
 Juliana Couto Paz é o nome completo desta brilhante atriz da  da TV Globo e filha mais velha do casal Carlos Henrique Paes/Regina. Tem mais três irmãos - Rosana, Mariana e Carlos Henrique Júnior.
 A vida artística da Ju começou em 1998, mas ela ainda passou mais duas temporadas nos bancos escolares, para graduar-se em Publicidade, pela Escola Superior de Propaganda e Marketing. Não chegou a exercer o ofício, porque a telinha da Globo consome todo o seu tempo.
 Capa da revista “Playboy” de maio de 2004, Juliana foi quem melhor representou a “Gabriela” do escritor baiano Jorge Amado, após a consagração do personagem na TV, pela morena capixaba Sônia Braga.  Vascainíssima, Juliana não se cansa de exaltar a sua torcida pelo “Almirante”, sempre posando com a jaqueta da “Turma da Colina”. Grande Ju!
Tá vendo? Que belo pendão! Bandeira que não dá bandeira.
Estas fotos da belíssima vascaína Juliana Paes foram reproduzidas do glorioso www.paixaovascao.com.br. Agradecimento do Kike, que não é um blog comercial, mas de divulgação da história cruzmaltina.

She is a brilliant TV actress. Very Brazilian brunette, was on the list of remembered to be "bond girl", when they began casting the last movie of the secret agent 007.
 Juliana's beauty and intelligence is explicit, especially when she bears the banner of the Vasco da Gama Regatta Club.
Born on March 26, 1979, in Rio Bonito-RJ, the beautiful Juju stands 1m70cm tall and, besides being an actress, is a photographic model and businesswoman. Juliana Couto Paz is the full name of this brilliant TV Globo actress and eldest daughter of the couple Carlos Henrique Paes / Regina. It has three more brothers - Rosana, Mariana and Carlos Henrique Júnior.
 Ju's artistic life began in 1998, but she still spent two more seasons at the school benches to graduate in Advertising from the School of Advertising and Marketing. He did not get to work, because Globo's small screen consumes all his time.
Com jaqueta preta ou branca, sempre  vascaína
 Cover of the magazine "Playboy" of May 2004, Juliana was who best represented the "Gabriela" of Bahian writer Jorge Amado, after the consecration of the character on TV, by the brunette capixaba Sônia Braga.
 Vascainíssima, Juliana never tires of exalting her cheer for the "Admiral", always posing with the jacket "Turma da Colina". Great Ju!
These photos of the beautiful Vascaine Juliana Paes were reproduced from www.paixaovascao.com.br. Thanks from Kike, who is not a commercial blog, but for the dissemination of Cruzmaltina history. 





sábado, 17 de agosto de 2019

VASCO DA GAMA 1 X 4 FLAMENGO -

CONFIRA A  FICHA TÉCNICA - 17.08.2019 - Vasco 1 X 4 Flamengo. 15º rodada do Campeonato Brasileiro.Estádio Mané Garrincha, em Brasília. Juiz:: Leandro Pedro Vuaden-RS. Público: 65.418 pessoas. Renda: R$ 5.285.443,00. Gols: Bruno Henrique, aos 41 min do 1º tempo e aos 5 min do 2º tempo; Leandro Castan, aos 13; Gabriel, aos 16, e Arrascaeta, aos 37 minutos do 2º segundo tempo. VASCO: Fernando Miguel, Raul Cáceres(Bruno César), Oswaldo Henríquez, Leandro Castan e Henrique; Richard, Raul, Lucas Mineiro(Andrey), Yago Pikachu e Marquinho(Tiago Reis); Talles Magno. Técnico: Vanderlei Luxemburgo. FLAMENGO: Diego Alves, Rodinei, Thuler, Pablo Marí e Filipe Luís; Gustavo Cuéllar, Willian Arão, Gerson(Everton Ribeiro) e Arrascaeta(Piris da Mota); Bruno Henrique e Gabigol(Berrio) 
O "Profexô"  deseja, um dia, ser dirigente do seu Flamengo.

                                       O VASCO NA TEMPORADA-2019
61% de aproveitamento geral; 41 partidas disputadas; 22 vitórias (20 triunfos saindo na frente e 02 de virada); 09 empates (06 saindo na frente, 02 saindo atrás do marcador e 01 sem gols);10 derrotas (08 saindo atrás do marcador e 02 de virada); 53 gols marcados; 40 gols sofridos;13 gols de sald;
69,84% aproveitamento como mandante; 21 partidas disputadas;13 vitórias (11 saindo na frente e 02 de virada); 05 empates (02 saindo na frente, 02 saindo atrás do marcador e 01 sem gols);03 derrotas (02 saindo atrás do marcador e 01 de virada);79,48% de aproveitamento em São Januário;13 partidas disputadas;10 vitórias (08 saindo na frente do marcador e 02 de virada);01 empate (01 saindo na frente do marcador); 02 derrotas (01 saindo na frente e outra saindo atrás do marcador);51,66% de aproveitamento como visitante; 20 partidas disputadas; 09 vitórias (09 saindo na frente do marcador)
04 empates (04 saindo na frente do marcador);07 derrotas (06 saindo atrás e 01 saindo na frente do marcador); ARTILHEIROS DO VASCO DA GAMA NA TEMPORADA 2019: 07 gols- Yago Pikachu e Marrony; 06 gols- Tiago Reis.

FICHA TÉCNICA - 17.08.2019 - Vasco 1 X 4 Flamengo. 15º rodada do Campeonato Brasileiro.Estádio Mané Garrincha, em Brasília. Juiz:: Leandro Pedro Vuaden-RS. Público: 65.418 pessoas. Renda: R$ 5.285.443,00.m
Gols: Bruno Henrique, aos 41 min do 1º tempo e aos 5 min do 2º tempo; Leandro Castan, aos 13; Gabriel, aos 16, e Arrascaeta, aos 37 minutos do 2º segundo tempo. VASCO: Fernando Miguel, Raul Cáceres(Bruno César), Oswaldo Henríquez, Leandro Castan e Henrique; Richard, Raul, Lucas Mineiro(Andrey), Yago Pikachu e Marquinho(Tiago Reis); Talles Magno. Técnico: Vanderlei Luxemburgo. FLAMENGO: Diego Alves, Rodinei, Thuler, Pablo Marí e Filipe Luís; Gustavo Cuéllar, Willian Arão, Gerson(Everton Ribeiro) e Arrascaeta(Piris da Mota); Bruno Henrique e Gabigol(Berrio) 
Técnico: Jorge Jesus 

O VENENO DO ESCORPIÃO - AIRES E LANE, OS 'CABRAS BOM' DO TRAÇO SORRIDENTE


Piauiense, de Parnaíba, única cidade banhada pelo mar no Estado, Antônio Aires é “pai”, entre outros,  de Muruma, Ermitão, Luk, o Dragão, Jericar e Veroso, personagens que circularam pelas histórias em quadrinhos. Também, ilustrou vários livros de agências estatais.
 Nascido em 5 de janeiro dede 1947, ele foi professor de desenho em sua terra, onde trabalhou para projetos culturais. Chegou ao Distrito Federal, em 1976, e o seu primeiro emprego foi no Jornal de Brasília.
Após duas temporadas na casa,  mudou-se para o José - Jornal da Semana Inteira, que o teve até 1983. Por lá, além de desenhos de várias vertentes, ilustrou páginas sobre a Loteria Esportiva. O próximo passo foi desenhar para a antiga Radiobras, empresa de comunicação do governo, atual  EBC-Empresa Brasileira de Comunicação, que só tratava, na época, de rádio e TV. Ficou por uma temporada por lá.
 Achando que ganhava pouco, Aires passou para o ramo das agências de publicidade, até ser chamado por mais uma estatal, a Telebrasília, do governo do DF, que o segurou entre 1985 a 2000. Por fim, trabalhou para a Prefeitura da cidade goiana de Formosa, e decidiu aposentar-se.
Ayres, como assina, se dia mais quadrinista do que chargista. Quando desenhava pelas ruas de João Pessoa-PB, em seus inícios de vida artística, seu traço encantou executivos de uma grande editora dos Estados Unidos, que o convidaram a modernizar alguns personagens que andavam em baixa. Mas ele não acreditou na história, achou que seria gozação. 

                              ROCK LANE FAZ TUDO


Com Lane, no "Jornal de Brasília", era o editor passar o tema e ele traçar legal qualquer gênero. Caso desta charge ironizando Romário, quando o então presidente do Vasco da Gama, Eurico Miranda, inventou de fazê-lo treinador.
 Como ainda estava em atividade, o veteraníssimo, Romário topou o desafio de Eurico e anunciou que sentaria no banco dos reservas, podendo entrar na partida, caso a rapaziada demonstrasse precisar de uma mãozinha, isto é, um pezão goleador.
Auto-desenho de Rock Lane
Nesta pauta, Rock Lane foi em cima da imagem de baladeiro do craque que adorava as "night". Antes de desenhar para o JBr, ele passou pelo Departamento Publicitário do Sindicato dos Bancários de Brasilia e pelo jornal "Correio do Planalto", onde ficou conhecido. Naquele diário, ele assinava as charges por Rock Lane.

     

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

MUSA VASCAÍNA HÁ CINCO TEMPORADAS

O muito bom e criativo site www.esporte.terra.com.br fez um belíssimo ensaio mostrando as energéticas e lindíssimas torcedoras que foram levar uma força ao seu time durante as finais dos campeonatos estaduais-2014.
Veja com que garra esta vascaína torceu para a "Turma da Colina". Pena que o homem do apito tirou o título do "Almirante", para entregá-lo aos rivais rubro-negros, o que, aliás, já é uma tradição.
 Procure pela memória do blog a matéria  "Flapitaço contra o Vasco" e veja o quanto a moçada já foi garfada no apito, decidindo contra o "Urubu".
O "Kike" gostou muito do ensaio do www.esporte.terra.com.br, que só não citou o nome do fotógrafo e nem da fotografada. Se bem que isso é difícil, pois ele usou uma lente de aproximação e não teria como ir até a bela perguntar pela sua graça. Mas, se algum torcedor cruzmaltino conhecê-la, nos informe, para termos a sua graça citada. Combinado?

ESQUADRAS DO ALMIRANTE -1952

Em 1952, o Vasco da Gama encerrou o ciclo do "Expresso da Vitória", montado a partir de 1944, com este time que venceu o Campeonato Carioca, treinado por Gentil Cardoso. Da esquerda para a direita, em pé, vemos: Moacir Barbosa, Danilo Alvim, Haroldo, Augusto da Costa (capitão), Ely do Amparo e Jorge Sacramento; agachados, na mesma ordem: o massagista Mário Américo, Edmur, Ipojucan, Ademir Menezes, Maneca e Chico Aramburo.
O "Almirante" chegou a ter um dos times mais fortes do planeta, tendo conquistado as temporadas estaduais de 1945/47/49/50/52 e o título de primeiro campeão sul-americano, em 1948. Além disso, venceu:  Torneio Início do Campeonato Carioca-1944/45/48; Torneio Relâmpago-1944/46 e Torneio Municipal-1944/45/46/47. 

In 1952, Vasco da Gama ended the cycle of the "Expresso da Vitória", assembled from 1944, with this team that won the Carioca Championship, trained by Gentil Cardoso. From left to right, standing: Moacir Barbosa, Danilo Alvim, Haroldo, Augusto da Costa (captain), Ely do Amparo and Jorge Sacramento; squat, in the same order: the masseur Mario Americo, Edmur, Ipojucan, Ademir Menezes, Maneca and Chico Aramburo.
The "Admiral" came to have one of the strongest teams on the planet, having won the 1945/47/49/50/52 state seasons and the title of first South American champion in 1948. He also won: Home Tournament of the Carioca Championship-1944/45/48; Lightning Tournament-1944/46 and Municipal Tournament-1944/45/46/47.

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

MEXERICOS DA KIKINHA - CULHUDEIROS

1 - Daqueles velhos tempos do Expresso da Vitória, entre 1945 a 1952, conta-se que, durante amistoso pelo interior de Minas Gerais, um zagueiro vascaíno, ao tentar salvar um gol, bateu na bola com tantas força que a danada quebrou a trave. Sei, não, gente, mas acho que seja gracinha de torcedor, pois as traves de madeira de antigamente eram muito fortes. Pode-se constatar isso nas fotografias da antiga Manchete Esportiva, da década-1950. Além do mais, o contador da história não cita o nome do zagueiro desastrado. Mas, como ouvi a história durante festinha de aniversário de amigo, vamos dar um desconto para os pinoquinhos.

2 - Do mesmo contador de histórias e na mesma festa ouvi que o Vasco já teve um jogador expulso de campo com 50 segundos de maricota petequendo pelo aprazível field de São Januário. Cruzes!  Perguntei ao photografo Gervário Batista se fora verdade, e ele que respondeu isso: “Só se foi o Sabará, que deveria ter sido expulso ao sair de casa”. Pode? Em todo o caso, fiz uma pesquisa pela coluna que o glorioso chefe aqui do Kike escrevia no Diário de Brasília, e por lá achei que expulso de campo por aquela volta do cronômetro de sua senhoria o juiz só Batista, do Uruguai, em pugna contra a Escócia, da Copa do Mundo -1986.    
                                                                   NOTA DO CHEFE
Puxa saco! Nunca escrevi coluna esportiva no Diário de Brasília. Fiz isso no Jornal de Brasília. A Kika vê igual ao seu Tio Guga, o juiz das nossas peladas (seguidas de cervejadas e churrascadas, evidentemente). O cara nunca enxerga pênalti contra o time em que a sobrinha está jogando de goleira. Ratêro, ratêro! No mais, tudo bem que Diário e Jornal sejam a mesma coisa, um caminhão de japonês. Mas ela deveria, pelo menos, aprender a ler cabeçalho de hebdomadários, não é mesmo? Parece jornalista - tudo analfaBeatle.  

3 - Fiz um rolé por antigas edições do jornal carioca O Globo e encontrei uma sessão humorística engraçadíssima, o Pênalti, produzido por Otello Caçador.  Engraçadíssimo, como os Mexericos da prima Candinha. Mas o que gostei mais foi do Diploma de Sofredor. Bom pra sacanear os rivais vencidos, os grandes chorões. Veja aí cópia de um deles


Pintora Solange Aparecida
3 - 4 - Passei pela feira da Torre de TV, no domingo passado, e encontrei a pintora Solange Aparecida sentada, tranquilamente, com um sombrêro. Veja aí na foto que saquei. O chefe aqui do Kike, recentemente, até sugeriu que eu posasse para uma tela dela, a fim de termos um novo logotipo na coluna, porque cortei os cabelos e fiz uma tintada maneira nas melenas, durante recente viagem. Mas não fiquei muito a fim da ideia, pois vi  quadros com mulheres tão linda que prefiro comprar um deles. Aliás, o chefe comprar, pois isso trata-se de material de trabalho da sua página eletrônica. 
                                NOTA DO CHEFE
Pão dura! - além de puxa saco. Só falta ir ao vestiário do Vasco, no sábado, no Mané Garrincha, após o jogo contra Flamengo, e pedir um autógrafo ao Profexô!  Não duvido nada!
   

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

OS MUSOS DA COLINA BOB&LENA

Ela bate um bolão no time da beleza. Tabela com a graça, a elegância, o charme. Por isso, a galera cobra sempre a sua presença no time da arquibancada, onde ela ajuda a empurrar a Turma da Colina pra frente, fazendo o garoto do placar pra trabalhar.
 Nesta foto reproduzida de www.revistaquem - com os agradecimentos do Kike -, a sua pose lembra uma de Roberto Dinamite, da temporadas-1970, em foto reproduzida de www,jornaldebrasilia.com.br. Diferente só a posicão da bola. Milena e o Dinamite explodem a nau do Almirante de alegria, por tê-los dentro desta rota de navegação.

She beats the beauty team. Table with grace, elegance, charm. Therefore, the galera always charges its presence in the team of the stands, where it helps to push the Group of the Hill forward, to put the boy of the scoreboard to work.
  In this photo reproduced from www.revistaquem ...., with the thanks of Kike, she remembers a pose of Roberto Dinamite, of the seasons-1970 and in photo reproduced of www, jornaldebrasilia.com.br. Milena and the Dynamite explode the Admiral's ship of joy, for having them within this navigational route.

HISTORI & LENDAS DA COLINA - VIRA FOLHA

1 - O compositor musical Ary Barroso - um vira casaca - era Flu, foi expulso do clube, por não pagar as suas mensalidades associativas,  e virou Fla. Se dava pessimamente mal com o Vasco da Gama. Quando já era um rubro-negro, ele vivia falando horrores da “Turma da Colina. Um dia, a rapaziada se “retou” (baiano fala retou, e não arretou) e o mandou ... sabe pra onde, né? De quebra, o proibiu de adentrar ao glorioso estádio de São Januário, palco dos maiores acontecimentos sociais e esportivos do país da “Era Getúlio Vargas”.

2 - Inconformado com o castigo, o vira folha Ary foi ao Colégio Pio  Americano, à Rua Teixeira Júnior, e negociou subir ao telhado para transmitir um prélio vascaíno. Ganhou aquele lance, mas perdeu na virada da esquipa. Jogavam Vasco x Flamengo, no estádio do Botafogo, e ele narrava, vibrantemente, Flamengo 2 x 0 Vasco. Então, o “Time da Virada” virou: 5 x 2. De quebra, e a torcida cruzmaltina bombardeou a sua cabine com bagaços de laranja.

3 - Ary Barroso transmitia um programa musical para calouros, pela Rádio Cruzeiro do Sul, contando com um gongo para despachar os desafinados. Quando uma das transmissão foi diretamente de um circo, em Madureira, ele gongou uma candidata irmã do atacante vascaíno Isaías, aquele que formava um trio infernal com Jair Rosa Pinto e Lelé. Coitado! Se não fosse a polícia, teria sido escalpelado pela galera.   

2 -  Até 1955, a revista  "Esporte Ilustrado", propriedade de Levy Kleiman, vivia publicando fotos de times posados do Vasco. Mas seus feitores não se declaravam simpatizantes. As matérias eram assinadas por Thomaz Mazzoni (Olimpicus), Leunam Leite, Adolpho Scherman, Jorge Miranda, Carlos Sampaio, Flávio Sales, Herbert Mesquita, , Sérgio Lopes e Jaime Ferreira. As fotografias de José Santos, Alberto Ferreira, Vito Moniz, José Alencar, Newton Viana de uma equipe paulista. Os gráficos de “goals” desenhados por William Guimarães, o humorismo ficava com Milton Sales, as caricaturas com Vilmar e os desenhos com Alberto Lima. Gratuliano Brito continuava sendo o diretor de redação, cujo endereço seguia na Rua Visconde de Maranguape, Nº 15. Em São Paulo, a distribuição e vendas era por conta da Agência Polano, à Rua João Bricola,  Nº 46.

 


terça-feira, 13 de agosto de 2019

A GRAÇA DA COLINA - MARTIM FRANCISCO

 Não se vê fotos do treinador Martim Francisco bigodudo – como eram caracterizados os cartolas do futebol vascaíno da década-1950 – e nem usando chapéu. O que não impediu a semanária carioca “Esporte Ilustrado” de sacaneá-lo assim, pela edição de Nº 945, de 17 de maio de 1956.
Martim armava o time que disputaria o Campeonato Carioca, em amistosos pela Europa. E não vinha conseguindo bons resultados, motivo da caçoada da coluna “Pelada”, em que os produtores M. Salles e Vilmar avisavam: “Nesta bola de meia vale tudo”.
 Já que era assim, os colunistas sacaneavam Martim Francisco, distorcendo a letra de uma músicas gravada pela torcedora vascaína Dóris Monteiro, “Vento soprando”. Eles  brincavam: “...E o Martim perdeu o seu cartaz/Tá um horror o Vasco/Só faz papelão/Não parece aquele esquadrão....Vasco vagabundo/Vai jogar tão mal/Lá no fim do mundo...”
 Por aquela mesma coluna, sob o título “Consôlo” (grafia da época), os “revististas” Salles e Vilmar brincavam mais: “Quando soube do resultado...Corinthians 5 x 1 Flamengo, aquele vascaíno deu um risinho marôto e disse: “...é um consolo para a campanha apagada que o Vasco está fazendo na Europa...”.
A excursão, no entanto, terminou com mais vitórias do que derrotas (10 x 9). E Martim Francisco voltou com o time armado para ganhar o campeonato estadual de 1956 – humor e futebol sempre estiveram junto no futebol carioca.
.

MEXERICOS DAS KIKINHA - FILOSOFAL

Logotipo da Kika pintado por Solange Aparecida
1 - Treinador campeão carioca-1952, comandando o barco do "Almira", o pernambucano Gentil Cardoso também foi marinheiro. Passou várias temporadas na gloriosa Armada nacional. Gentil era um filósofo do futebol e da vida. Certa vez, um repórter perguntou-lhe o que achava dos governos brasileiros. Respondeu que a complexidade geográfica gerava dificuldades e que se fosse ele o presidente do país fazia  reforma agrária e melhoraria os setores de higiene e educação. Gentil só nunca se livrou do preconceito de ter nascido negro. Dizia que só por isso não treinava a Seleção Brasileira. 

2 - Você já ouviu falar de Ariôni Ferreira Guedes? Mesmo registrado e batizado assim todos só lhe chamava por Tiba. Aos 19 de idade, foi campeão carioca pelo Vasco, participando de três refregas da campanha do bi estadual-1988. Sujeito muito espirituoso, Tiba não perdia a chance de caçoar com alguém. Antes de um dos jogos em que ele entrou durante aquela campanha comandada pelo treinador Sebastião Lazaroni, um repórter de rádio quis saber o que ele esperava do jogo. Como o tempo ameaçava chuva, respondeu: "Espero jogar com campo seco, se não chover, e com campo molhado, se chover". 
                         Cabra bom! Só não falou o que esperaria da refrega com tempo nublado.     

Orlando reproduzido de Manchete Esportiva
 Nº 137, de 28 de junho de 1958 
3 - Há poucos dias, fui levada, pelo Tio Guga, à casa de um amigo dele, dono de uma imensa coleção de livros e revistas esportivas. O cara tem coisas dos inícios do Século 20. Mas parei foi em uma edição da década-1950, com uma novelinha sobre o namoro e casamento do zagueiro vascaíno Orlando Peçanha de Carvalho, com a lindíssima Marlene. Aliás, o zagueirão tornou-se um dos maiores exemplos de amor ao Vasco da Gama, no qual chegou juvenil. No auge da forma, transferiu-se para o argentino Boca Juniors. Depois, esteve o Santos de Pelé, mas fez questão de encerar a carreira em São Januário, em 1969. Também, esteve sendo treinador  no clube que o ajudou a chegar á Seleção Brasileira e a ser campeão mundial na Suécia-1958. Valeu, Orlando!   

3 - Sabará ouvia o photógrafo Gervásio Batista contar sobre uma reportagem que ele fora fazer, com o repórter Ney Bianchi, da revista carioca Manchete, com Maria Cristina Ferrari, uma das pouquíssimas mulheres que disputavam corridas de turfe por este planeta, pela década-1960. Uma das campeãs da Temporada de Outono, da Federação Hípica Metropolitana, na pista da Sociedade Hípica Brasileira, no Rio de Janeiro, a moça, segundo Gervásio, elogiou muito mais o seu cavalo, chamado Dólar, do que às suas virtudes. Ao que Sabará comentou: "Se o cavalo dela chamasse  Cruzeiro (a moeda brasileira da época), aposto que ela, até hoje, estava  xingando o pangaré". 
            Coitadinha da nossa antiga moeda: desvalorizada até nas patas do cavalo.    

5 - Mais uma contada por Gervásio Batista: ele havia levado para São Januário a edição da revista Manchete contendo a nomeação do presidente do São Paulo FC e vice-governador estadual, Laudo Natel, para governador, substituindo Adhemar de Barros, cassado pelos militares que assumiram o poder no país, em 1964. Sabará ficara embasbacado ao ouvir que um governador fora cassado. E indagado: "Cassado cm rifle, carabina, ou no laço?"
 K pra nóiz: só pode ser sacanaem do Gervásio, né? Nem o Mané Garrincha chegaria a tanto, certo?     


segunda-feira, 12 de agosto de 2019

MUSAS DO DIA DA COLINA - MODELAÇAS

Parabéns! Você é um sortudo. Ao abrir o "Kike" e dar de vistas com três deusas, lindas torcedores cruzmaltinas, sinceramente, é qualquer coisa de....de.., ache o adjetivo.Vascaína não tem adjetivo. É muito mais bela do que a  beleza. As três fizeram ensaios paras a revista oficial do glorioso Club de Regatas Vasco das Gama e aqui se juntam em montagem que convida a ficar ligado na arquibancada da Colina.
 Mas, elas são vascaínas, ou cruzmaltinas? Discussão boba. São vascaínas porque a cruz que carregam em sus camisas e na bola é a Cruz da Ordem de Cristo, que o Rei Don Dinis mandava desfilar pelas velas dos navios portugueses. E são cruzmaltinas porque a Ordem de Malta usou, também, este símbolo. Portanto, tá tudo em casa. Confere?
Congratulations! You're a lucky man. When opening the "Kike" and giving of views with three goddesses, beautiful cruzmaltinas fans, sincerely, is anything from .... of ..., find the adjective. Vascaine has no adjective. It is much more beautiful than beauty. The three made rehearsals for the official magazine of the glorious Vasco das Gama Regattas Club and here they join in an assembly that invites you to stay connected in the bleachers of the Hill.
  But, are they vascains, or cruzmaltinas? Silly talk. They are Basque because the cross they carry on their shirts and ball is the Cross of the Order of Christ, which King Don Dinis ordered to parade through the sails of the Portuguese ships. And they are crossmalines because the Order of Malta also used this symbol. So it's all at home. Does it?

HISTORI&LENDAS DA COLINA - FLU NUMA FRIAS

1 - Vasco 3 x 0 Fluminense de Nova Friburgo-RJ, no 1º de abril, pelo segundo turno do Campeonato Carioca Especial-1979, valeu a Taça Jorge Frias de Paula. O embate foi na casa do adversário e o apito coube a Valquir Pimentel. Ao filó, Roberto Dinamite compareceu, aos 4 minutos do primeiro tempo,  e aos 28 do segundo, enquanto Osnir fez o dele, aos 11 da etapa inicial. Vasco do dia: Leão; Paulinho II, Abel Braga, Geraldo (Gaúcho) e  Marco Antônio; Helinho, Guina e Toninho Vanusa; Carlos Alberto Garcia, Roberto e Osnir

2 -- Em 1957, o Vasco era o “time a ser batido” no futebol carioca, por ter sido o campeão estadual-1956. Pelo início da temporada, a rapaziada fez um “giro cucaracha” com seis vitórias, em oito jogos – 2 x 3 e 2 x 1 Nacional-URU; 1 x 3 San Lorenzo-ARG; 3 x 2 Colo-Colo-CHI; 4x 3 Municipal-PER;1 x 0 Cristal-PER e 3 x 1 e Universitário-PER. Seguiram-se sete amistosos caseiros e cinco vitórias: 2 x 0 Olimpic, de Barbacena-MG; 2 x 0 Combinado Esportivo-Serrano-RS; 3 x 1 São Paulo, de Rio Grande-RS; 4 x 3 Pelotas-RS; 6 x 0 Lajeadense-RS; 1 x 0 Grêmio Porto-Alegrense e 1 x 1 Combinado Americano-Goytacaz, de Campos-RJ. 

domingo, 11 de agosto de 2019

VASCO DA GAMA 1 X 0 GOIÁS

O rsultado da partida da noite de hoje deixa a rapaziada com 17 pontos, na 14ª colocação, dependendo do placar de Fortaleza x CSA, que jogam amanhã, em Maceió. 
No lance do gol, Raul avançou, pela direita, e cruzou a meia altura em direção à área. A defesa goiana não cortou, Pikachu fez o corta luz, e a bola chegou em Marcos Júnior. Livre na entrada da área, pelo meio. O volante dominou o lance , escolheou o canto e bateu rasteiro para a rede.
Luxemburgo reproduzido de www.crvascodagama.com.br
FICHA TÉCNICA - 11.08.2019 (domingo) - Vasco 1 x 0 Goiás. Estádio: Serra Dourada, em Goiânia-GO. 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. Juiz: Jean Pierre Goncalves Lima-RS. Público: Renda:  R$ 365.005,00. Público: 12.638 pagantes (14.529 total). Gol: Marcos Júnior, aos 21 min do 1º tempo. VASCO: Fernando Miguel; Cáceres, Osvaldo Henríquez, Leandro Castán e Henrique; Richard (Fellipe Bastos), Raul e Marcos Júnior (Lucas Mineiro); Yago Pikachu, Talles Magno (Lucas Santos) e Marrony. Técnico: Vanderlei Luxemburgo. GOIÁS: Tadeu; Daniel Guedes (Kevin), Fábio Sanchez, Yago e Jefferson; Geovane (Rafael Moura) Rafael Moura), Léo Sena e Giovanni Augusto; Barcia (Rafinha), Michael e Kayke.Técnico: Ney Franco. OBS: Marrony foi expulso de campo 


O DOMINGO É UMA MULHER BONITA - AS 'INCRIBILÍSSIMAS' DAMAS DO INFINITO

Uma francesa foi a pioneira das mulheres espaciais
Reprodução de Wikipedia
Conta a mitologia grega que Dédalo, um dos homens mais criativos da Atenas, construiu um labirinto intranspoinível para Minos, o rei de Creta, aprisionar o Minotauro. No entanto, ele foi acusado de ajudar uma filha do monarca a fugir com um amante, merecendo por castigo ficar prisioneiro, juntamente com o seu filho Ícaro, no mesmo labirinto, de onde jamais conseguira sair.
 Dédalo disse para si que Minos poderia dominar a terra e o mar, mas não era o dono do ar. E construiu asas, com penas de pássaros, para ele e seu filho Ícaro fugirem. Instruiu o rapaz a não voar próximo do sol, para o calor do astro não derreter as penas, e nem tão baixo, para o mar não as molhar. Mas Ícaro não o obedeceu, aproximou-se do Sol e este derreteu as suas asas. Só Dédalo conseguiu chegar são e salvo ao seu destino.
 Desde o início da corrida espacial, ainda que mitologicamente, o homem reservou para si o papel de protagonista. Mas não teve como impedir a mulher de, um dia, também, subir ao espaço sideral.
 Tudo começou em 1909, quando a francesa Elisa Deroche  - Raymonde de Laroche, em em sus tempos de atriz - realizou o primeiro voo solo delas.  Por causa daquilo, sem ser nobre – era filha de um encanador -, ganhou, de uma revista,  o título de Baronesa de La Roche..
Valentina contou a sua história em livro
Depois de aprender a taxiar pelo aeroporto, ela voou por 270 metros e o fato foi considerado primeira aventura espacial de uma mulher com máquina mais pesada do que o ar. Há  historiadores informando sobre evidências de  P. Van Pottelsberghe e Thérèse Peltier terem voado, em 1908, com Henri Farman e León Delagrange, respectivamente. Mas o certo é que, em 8 de março de 1910, Elisa Deroche tornou-se a primeira mulher a receber, do Aero-Club de France, a licença para pilotar, respaldado pela Fédération Aéronautique Internationale.
A segunda mulher a subir ao espaço foi a norte-americana Blanche Scott, no mesmo 1010, contando com algo extraordinário: quando ela taxiava o avião, um vento forte o fez decolar. Em 1912, Heriet Quimby tornou-se a primeira mulher a obter licença para pilotar aviões, nos Estados Unidos, e a prImeira a cruzar o
Canal da Mancha, entre....,  
.Chegada a primeira guerra mundial, em 1914, os homens usaram as mulheres como instrutoras de voo. O machismo as impediu de participação em combates aéreos. Vieram tempos de paz e, em 17 de junho de 1928, uma  outra norte-americana fazia mais um grande feito aéreo: Amélia Earhart tornou-se a primeira a cruzar o Oceano Atlântico  e a fazer voo solo na rota Havaí-Califórnia-Cidade do México- Nova Jersei. No entanto, ela desapareceu, em 1937, quando  sobrevoava o Oceano Pacífico, pelas proximidades da Ilha Howland, e ficou chamada pela imprensa por “A estrela perdida da América”.
Eileen teve esta imagem estampada em camiseta
 Fatos espaciais espantosos não demorariam por vir. Em de junho de 1963, a então soviética Valentina Tereshkova, operária de uma fábrica de tecelagem, subia ao espaço cósmico a bordo da Vostok 6. Na década-1980, uma outra soviética, Svetlana Savitskaya, passava à história como primeira mulher  a sair de dentro de uma nave e a caminhar pelo espaço. Filha de um aviador,  militar, ela pilotava 20 diferetes tipos de aviões e era engenheira mecânica.
Enquanto isto, nos Estados Unidos, até 1978, todos os astronautas da NASA- Administração Nacional do Espaço Aéreo eram homens. Só em 1983 uma mulher furou o bloqueio machista, com Sally Ride realizando o primeiro voo espacial de uma cosmonauta norte-americana - missão Challanger.
 Em 1984, foi a vez de Kathryn Sullivan tonar-se a primeira norte-americana a fazer atividades extraveicular. Em 1987, Mae Jemison era a primeira negra a participar de viagem espacial. Em julho de 1999, durante as comemorações das 30 temporadas posteriores à descida do homem na Lua, Eileen Collins, de 42 de idade, torou-se a primeira mulher a comendar uma nave espacial, a Space Shuttle.    

sábado, 10 de agosto de 2019

MEXERICOS DA CANDINHA - DIA DOS PAIS

1 - Pois é, galera! Amanhã é Dia dos Pais e eu deixo o meu abraço aqui prá você, grande Paizão. Tem muito papai coruja que entra em campo com os filhos, não é mesmo? Alguns levam até crianças de colo. Coisa linda, grande prova de amor.

2 - Muitos filhos de atletas vascaínos seguiram os coroas e vestiram a jaqueta da Turma da Colina. Entre os que eu me lembro agora cito o Romarinho, filho do grande "matador" e atual senador Romário; Rodrigo, rebento de outro grande artilheiro, por sinal, o mais + mais da história cruzmaltina, do glorioso Roberto Dinamite e Tilico, filho de mais um atacante, do Mário Tilico. 

3  - Mas vamos as sacas do dia. Esta é muito antiga e me foi contada pelo Tio Guga. Segundo ele, o então diretor de futebol vascaíno (depois presidente) João Silva era metido a malandro. Certa vez, em um jogo Vasco x Bonsucesso, como o árbitro escalado era Guallter Portella Filho - fora atleta amador do Vasco e não escondia a sua alma vascaína -, o terrível João seguiu para o banco dos reservas, fazendo ultrapassar o número permitido de pessoas no local. Convidado a se retirar do banco, o Joãoe achava que venceria, pelo coração, ao durão Portella - na dúvida, apitava sempre contra o Vasco, para mostrar que não favorecia ao seu time, mas não adiantou. Teve que sair. Para o segundo tempo, João Silva mandou o goleiro reserva vestir uma camisa de jogador de linha e pediu a do carinha emprestada. Vestiu, também, um calção, calçou chuteiras e foi para o banco. Não enganou ao juiz durão. Ao deparar-se com a malandragem do cartola, Gualterz chegou pra ele dizendo:
- Eu não sabia que o Vasco tinha um goleiro reserva tão velho e gordo - e expulsou João Silva de campo. Vou pesquisar, mas achou que foi o primeiro cartola vascaíno a passar por tal vexame.
                      Além de expulso de campo, ainda foi chamado de gordo e velho

Oldair reproduzido de A Gazeta Esportiva
4 -  Mais uma do Gualter Portella Filh, contada pelo Tio Guga. Seguinte: jogavam Vasco x Flamengo, pela Taça Guanabara-1967. A rapaziada vencia, por 2 x 0, e o lateral-direito flamenguista Murilo, que jogava mal e havia feito um pênalti desnecessário, vendo a coisa feia e prevendo goleada, começou a fazer de tudo para ser expulso da partida e livrar a sua cara. Macaco velho, Gualter chegou pra ele e avisou. "Só lhe expulso se você me enfiar a não na cara. Aprenda a perder, rapaz"". Quando aquele  Vasco 4 x 1 terminou, Murilo chegou no Portella, cobrando: "Que sacanagem, Gualter. Lhe xinguei o tempo todo e você não me expulsou". Ao que Guálter respondeu-lhe: "Da próxima vez, xingue mais alto, pois não ouvi nada".
O juiz torcedor vascaíno era suirdimnho, surdinho. De araque

5 -  Esta me foi contada, ainda, pelo Tio Guga. Anote: o Vasco fora a Vitória da Conquista, na Bahia, enfrentar o flamengo e inaugurar o Estádio Lomanto Júnior,  com a presença do homenageado, que era o governador estadual, em novembro de 1966. Pela manhã, apareceu no hotel o delegado policial da cidade, querendo tirar uma foto do filho dele com Oldair, de quem o homem era fã. De quebra, pediu um autógrafo ao atleta, que ficou sem grana, quando o "delega" anunciou-se como Doutor Piroca, como era conhecido na cidade. Espantado. Oldair o indagou: "Piroca?" E a autoridade confirmou: "Sim, doutor Piroca!". Vendo Oldair espantado, o delegado explicou: Aqui na Bahia,  Piroca é o apelido de todo Pedro. Lá em sua terra é Pedrinho, mas aqui é Piroca mesmo" - em outros lugares, piroca é o mesmo que pinto, pipiu, piru, os apelidos do pênis.
                                                     E Oldair meteu o Piroca no papel. 

O VENENO DO ESCORPIÃO – TELA 1 BRASUCA COPIOU PINTOR FRANCÊS

Pintura de Pedro Américo reproduzida do acervo do
paulistano Museu do Ipiranga - Agradecimento. 
Quando um diplomata brasileiro disse que o Brasil não é um país sério – frase atribuída, erroneamente, ao então presidente francês e general Charles de Gaulle -, num tava zagerano.  Tínhamos dois tremendos exemplos de surrealismos. O primeiro, contado por esta coluna, em  6 de julho deste 2019, sobre o hino nacional,  o outro à sua disposição a partir do paragrafo abaixo. Confira!
Na história das artes plásticas dos brasileiros, a tela Grito do Ipiranga, do paraíba (como diria o presidente Jair Bolsonaro)  Pedro Américo de Figueiredo e Melo – viveu entre 1843 a 1905 -, equivale, em prestígio brasuca, à gloriosa Gioconda, do italiano Leonardo da Vinci, exposta no parisiense Museu do Louvre.
 O quadro do nordestino é um óleo sobre tela, medindo 4m15cm x 7m60cm, pertencente ao paulistano Museu do Ipiranga, tendo o seu criador sido aluno da  Escola de Belas-Artes de Paris e encerrado o trabalho na italiana Florença, em 1888, sob encomenda da Comissão de Construção do Monumento do Ipiranga.
Reproduzida de Wikipedia, a tela Friedland, de Ernest Meissonier, tem a
 parte central muito parecida com a do  "Grito". 
 Para pintar o maior momento da história brasileira até então, Pedro Américo visitou o local onde Dom Pedro I soltou o grito,  conversou com testemunhas oculares da ação e leu tudo o publicado sobre o que ocorrera no 7 de setembro de 1822. 
De acordo com pesquisadores, por razões estéticas, ele pegou um outro quadro e modificou personagens e cenário. Por exemplo, Dom Pedro I não poderia ser retratado com fisionomia de quem enfrentava cólicas provocadas por alimentos estragados e não montava um cavalo. Testemunhas afirmaram ter ele iniciado a viagem em lombo de mula.
Além disso, os soldados vestem traje de gala, criado para os Dragões da Independência, bem depois da proclamação da independência brasileira. Para o paraíba, tela retratando tão grandioso momento não deveria conter uniforme brega. Já o curso do riacho Ipiranga ele o desviou  para facilitar os seus traços, enquanto o carreiro e o carro de bois foi para  retratar a vida naquele local.
Pedro Américo reproduzido de
professortadeupatricio.blogspot.com.br
Por causa desses itens, a pintura número 1 do Brasil foi considerada cópia da tela Friedland, de 1875 e do francês Jan-Louis Ernest Meissonier (1815 a 1891). 
Antes, Pedro Américo fora acusado de plagiar o quadro "Batalha de Montebelo", do italiano Andrea Appiani (1754 a 1817), quando pintou  "A Batalha de Avaí", entre 1872 1877 – está no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro.
Na tela “Grito do Ipiranga”, o futuro Imperador Pedro I aparece cercado por seus oficiais, sobre uma elevação do terreno, e pela soldadesca que desembainha espadas, saudando-o pelo seu gesto libertador. Em Friedland, o imperador francês Napoleão Bonaparte é mostrado no mesmo plano, retratado na vencida batalha de 1807.  

GRITOU PORQUÊ? As cortes portuguesas queriam obrigar Dom Pedro I a voltar para Lisboa. Ele tinha dois caminhos: obedecia ou separava o Brasil de Portugal. No 9 de janeiro de 1822, como príncipe regente, ele mandou a portugada pra onde você pensou e disse que, como era para o bem de todos e felicidade geral dos brasileiros, ficava por aqui.
Dom Pedro I reproduzido de capa da
 revista 'O Cruzeiro'
 Sacaneadas, as cortes portuguesas decidiram sequestra-lo, leva-lo na marra. O Brasil não tinha grana, marinha, exercito, soldados treinados e nem armas suficientes para guerrear contra os portugas. E o pior: as províncias não lhe garantiriam apoio a Pedro I. Estavam divididas quanto a independência. Pedro, então, decidiu ir a São Paulo e a Minas Gerais pedir uma forcinha à rapaziada. O restante da história até as criancinhas sabem. Cartas da princesa Leopoldina e do José Bonifácio de Andrada o aconselhavam a proclamar a mandar mesmo Portugal pra onde você imaginou, e foi o que rolou. E tornou-se um feriado nacional, bela oportunidade para a galera comemorar molhando o pescoço por dentro, com umas loiras  estupidamente geladas e umas boas pingas.
Quanto ao plágio da nossa tela número 1, bem como  do nosso hino, como ninguém reclamou, ficou valendo como um dos melhores dos maus exemplos nacionais. 


sexta-feira, 9 de agosto de 2019

A BELÍSSIMA MUSA DO DIA - MISS LIZI

Dizem que tem gente que não gosta. Mas o site www.sexybelas.com gosta – e muito – de exibir a beleza da mulher brasileira. Esta é Liziane, uma fera que, se fosse fera da floresta, encantaria fauna e flora, que não se mexeriam ao agito do vento mais forte quando ele passasse. Lize já foi destaque do site www.belladasemana.com.br e segue cada vez  mais belíssima. Alguém duvida? 
They say there are people who do not like what is beautiful. But the site www.sexybelas.com likes - and much - to show the beauty of Brazilian women. This is Liziane, a beast who, if she were a beast of the forest, would enchant fauna and flora, who would not be moved by the strong wind when he passed. Lize was beautiful of the week of www.belladasemana.com.br and follows beautiful. In fact, more beautiful, still. It is one of the most + most current models.

HISTORI&LENDAS DA COLINA - CHICO MIL

Durante a década-1960, uma das figuras mais queridas de São Januário era o roupeiro Chico. Quem muito o curtia era o goleiro Valdir Appel, que conta  várias histórias sobre o cara. Uma delas é a da camisa 1000.
Antes, Pelé havia vestido a camisa vascaína, em 1957, pelo
Combinado Vasco-Santos, que o levou à Seleção Brasileira
Relembra Valdir, que estava no banco dos reservas vascaínos, quando Pelé marcou o milésimo – 19.11.1969 –,  uma grande comemoração tomou conta do gramado do Maracanã. Então, Chico,  misturou-se a jogadores, repórteres e curiosos, e conseguiu vestir a jaqueta cruzmaltina no "Rei", com o número 1.000 às costas, usada na volta olímpica. Depois do jogo, o Chico ainda conseguiu réplicas autografadas, pelo craque, da bola e da camisa.
Valdir diverte-se contando, também, o que rolou em um Vasco x Botafogo, no mesmo Maracanã. “Levei uma bolada na coxa esquerda e caí, contorcendo-me por tanta dor. O socorro do Chico foi rápido. Ele ajoelhou-se do meu lado e, sem querer, jogou éter no meu “saco”. Sai do chão, como um saci, pulando com uma perna só e urrando de dor. Gritei: Chico, seu filho duma égua.Vou te matar". O Chico saiu correndo e eu atrás dele. E o povão rindo, sem entender o que estava acontecendo".
Chico começou no Fluminense, em 1965, levado pelo médico Arnaldo Santiago. Em 68, um outro médico, Luiz Leão, o levou para o Vasco. Trabalhou para o time campeão carioca-1970 e foi o primeiro massagista do Volta Redonda (fundado em 1976), indicado por gentona, como o então presidente da CBD, Heleno Nunes,  Flávio Costa  e Paulinho de Almeida (ex-treinadores do Vasco).
Reprodução da revista "Grandes Clubes".
 Em 1982, Chico foi para o Sharjah, dos Emirados Árabes, campeão-1983 e ficou até 1985. Em 1986, esteve no Schamal, do Catar, campeão da 2ª divisão. Depois, andou pelo Catar Clube e a seleção do Catar, até 1994, ficando campeão da Ásia com o treinador Dino Sani. Parou em 1994.
  Chico assim como a camsisa que vestiu em Pelé, vivia a mil. Fora do futebol, nas horas vagas trabalhou como terapeuta de madames e pintor paisagístico. Chegou a vender 24 quadros numa exposição na "Cidade Maravilhosa" e, ainda negociava, placas publicitárias no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. Ele mesmo pintava os outdoors. Grande Chico! 

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

HISTÓRIA DA HISTÓRIA - 'ALMIRA'-97

Em 2013 (sem data), a revista "Tributo Esportivo" mandou às bancas a "Edição Histórica Nº 10, Ano 6", intitulada "Times Inesquecíveis". E o Vasco da Gama-1997 foi um dos selecionados. Está  à página 15, lembrando da grande temporada feita pelo atacante Edmundo e chorando por a FIFA-Federação Internacional de Futebol Associado só premiar atletas atuando pelos gramados europeus.
Para o editor, o "Animal" fora a fera mais feroz do ano em que o "melhor do mundo" chamava-se Ronaldo "Fenômeno", levando a glória pra casa, pela segunda vez seguida.
 Uma das provas apontadas pela publicação em defesa do avante vascaíno fora ele ter batido uma marca vigorando Campeonato Brasileiro de Futebol (o maios difícil do planeta) desde 1975: 29 gols, contra 25, de Reinaldo Lima, do Atlético-MG.
 Mais? Em uma só partida – contra o União São João-SP –, Edmundo marcara todos os tentos (6) cruzmaltinos, o que ninguém havia conseguido, por nenhum outro clube, desde o início da competição, em 1971. Os seus gols representaram um terço dos 69 mandados às redes pelo clube durante aquele Brasileirão.
O grupo vascaíno campeão nacional-1997, conquistaria, ainda, na sequência, a maior disputa continental, a Taça Libertadores-1998; o Estadual-RJ-1998 e o Torneio Rio-São Paulo-1999, comandado pelo treinador Antônio Lopes.
 Além de Edmundo, outros destaques eram o goleiro Carlos Germano; os zagueiros Válber, Odvan; o capitão Mauro Galvão; o lateral-esquerdo Felipe e o meia Juninho Pernambucano.