Vasco

Vasco

sábado, 30 de junho de 2018

AS BELAS DA COPA - BELEZA CASEIRA

Em 30 de junho de 2002, a Seleção Brasileira ganhava a Copa do Mundo, na disputada promovida, conjuntamente, por Japão e Coreia do Sul, pela quinta vez – antes, os títulos haviam sido na Suécia-1958; no Chile-1962; no México-1970, e nos Estados Unidos-1994. A taça fora conquistada com 2 x 0 diante da Alemanhao.
A jornada para o chamado "penta" começou no dia 3 de junho, com uma vitória difícil e com malandragem, sobre a Turquia, por 2 x 1, no estádio Munsu, em Ulsan, na Coréia do Sul, diante de 33.842 pagantes e com arbitragem do sul-coreano Kim Young Joo. Os turcos abriram o placar, aos 46 minutos do primeiro tempo, por intermédio de Hasan. 
Ronaldo empatou, aos quatro, do segundo tempo, se esticando todo para complementar um cruzamento, da esquerda, por Rivaldo. A virada saiu aos 31, quando Luizão arrancou para o gol, sofreu falta, cometida por Ozalan, fora da área, e caiu dentro. O árbitro marcou pênalti, que Rivaldo cobrou e marcou.
 O time brasileiro do dia teve: Marcos; Lúcio, Edmílson e Roque únior; Cafu; Gilberto Silva, Juninho Paulista (Vampeta), Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho (Denílson) e Roberto Carlos; Ronaldo (Luizão). Turquia: Rustu; Korkmaz ( Manisiz), Akiel, Ozalan, Tugay (Erdem), Ozat, Emre, Unsal, Bastsruk (Davala), Sas e Sukur. Técnico: Senol Gunes.
No segundo jogo, em 8 de junho, a seleção do técnico Luis Felipe Scolari, o Felipão, goleou a China – disputava seu primeiro Mundial –, Estádio Jeju, em Seogwipo, na Coréia do Sul, com 36.750 pagantes e apito do sueco Anders Frisk. Aos 14 minutos, cobrando falta, Roberto Carlos abriu a porteira. 
Aos 31, Cafu cruzou, Du Wei cortou, sem dominar a bola, Ronaldinho Gaúcho ficou com a sobra e serviu Rivaldo, que aumentou o placar. Aos 45, os chineses fizeram pênalti, sobre o Fenômeno, que o xará gaúcho converteu. A balaiada foi completada, aos 9 do segundo tempo, com Cafu cruzando e Ronaldo Fenômeno encaçapando. 
ulista (Ricardinho), Ronaldinho Gaúcho (Denílson), Rivaldo e Roberto Carlos; Ronaldo (Edílson). China: Jiang Jin; Xu Yulong, Du Wei, Li Weifeng, Wu Chengying, Li Tie, Li Xiaopeng, Zhao Junzhe, Qi Hong (Shao Jiayi), Ma Mingyu (Yang Pu), Hao Haidong (Qu Bo). Técnico: Bora Milutinovic. Em 13 de junho, os canarinhols mandaram outra goleada: 5 x 2 em cima da Costa Rica, já classificados à segunda fase e poupando Roberto Carlos, com dores musculares. Entrou o baiano Júnior (ex-Vitória, São Paulo Palmeiras e Parma(Ita), hoje no Atlético-MG). Outra novidade foi o também baiano e atacante Edílson Captinha. O Brasil abriu, fácil, três gols de frente, com Ronaldo Fenômeno, aos 9 e os 12, e com Edmílson, aos 37 minutos do primeiro tempo, aplicando uma bonita meia-bicicleta, após lançamento de Ronaldinho Gaúcho. 
DETALHE: rigorosamente, o primeiro gol foi de Marín,  contra. Wanchope descontou, aos 38, e Gómez encostou os adversários no placar, aos 15, da fase final. Passados os descuidos, o Brasil liquidou a goleada, com Rivaldo, aos 16 finalizando cruzamento de Edílson, e Júnior, aos 18, também, lançado por Edílson.
 O Brasil escalou: Marcos; Lúcio, Anderson Polga e Edmílson; Cafu, Gilberto Silva, Juninho Paulista (Ricardinho) e Rivaldo (Kaká); Edílson (Kleberson) e Ronaldo. Costa Rica: Lonnis; Wright, Marin, Martinez (Parks), Wallace (Bryce), Solís (Fonseca), López, Castro, Centeno, Gómez e Wanchope. Técnico: Alexandre Guimarães.O jogo teve 38.524 pagantes, apito do egípcio Gamal Ghandour e um detalhe: Alexandre Guimarães tornou-se o primeiro brasileiro a enfrentar a Seleção, como jogador e treinador.
Em 17 de junho, os adversários, no estádio Asa, em Kobe, no Japão, eram os chamados "Diabos Vermelhos", da Bélgica. O jogo foi assitido por 40.440 pagantes e apitado pelo jamaicano Peter Prendergas. A vitória brasileira, por 2 x 0, não foi fácil. Os belgas marcaram primeiro, aos 35 minutos, num lance em que o árbitro viu falta. Aquilo gerou muitas discussões, reclamações. 
No segundo tempo, o Brasil matou, com gols de Rivaldo, aos 21, após passe aéreo, de Ronldinho Gaúcho, e matada de bola no peito, e com Ronaldo, aos 31, lançado por Kléberson, que fizera uma roubada de bola e arrancara, pela direita do ataque. A seleção atuou com: Mrcos; Lúcio, Edmílson e Roque Júnior; Cafu, Gilberto Silva, Juninho Paulista (Denílson), Ronaldinho Gaúcho (Kleberson), Rivaldo (Ricardinho) e Roberto Carlos; Ronaldo. Bélgica: De Vlieger; Peters (Sonck), Vanderhaeghe, Van Buyten, Van Kerchkoven, Simons, Walem, Goor, Wilmots, Verheyen e Mpenza. Técnico: Robert Waseige.
Estava ficando perto do dia em que o capitão Cafu levantaria a taça do mundo, repetindo Bellini, Mauro, Crlos Alberto e Dunga. O Brasil saia para as quartas-de-final, em 21 de junho, no Estádio Ecopa, em Shizuoka, no Japão. E foi num jogo decidido num gol chamado de espírita. Aos quatro minutos do segundo tempo, uma falta, pelo lado direito do ataque brasileiro, derrubou o time inglês. Ronaldinho Gaúcho cobrou e a bola viajou pelo alto, até a gaveta direita do goleiro Seman, que estava adintado. Ronaldinho jura que o fez conscientemente, mas ficou a dúvida. O lance fora foi muito esquisito. Enfim, Brasil 2 x 1.
AZULÕES - Ccom camisas azuis, pelas quartas-de-final, os brasileiros sofreram o primeiro gol, numa falha horrorosa do zagueiro Lúcio, aos 22 minutos do primeiro tempo. Ao errar uma matada de bola, o planaltinense deu um presente a Owen, que não perdoou. Ainda no primeiro tempo, aos 46, o Brasil empatou. Ronaldinho Gaúcho pedalou diante de Ashley Cole, na entrada da área, e tocou à sua esquerda para Rivaldo chutar e igualar. No segundo tempo, Ronaldinho foi expulso, bobamente, por uma entrada violenta, uma solada, sobre Mills.
O Brasil alinhou: Marcos; Lúcio, Edmílson, Roque Júnior e Cafu; Gilberto Silva, Kléberson, Ronaldinho Gaúcho, Rivaldo e Roberto Carlos; Ronaldo (Edílson). Inglaterra: Seaman; Mills, Ferdinand, Campbell, Cole (Sheringham), Butt, Scholes, Sinclair (Dyer), Beckham, Owen (Vassell) e Heskey. Técnico: Severn Goren.
 O mexicano Felipe de Jesús Ramos Rizo apitou a partida, que teve 47.436 pagantes. Brasil e Turquia voltaram a se encontrar, em 26 de junho. Foi no edtádio Saitama, em Saitama, no Japão. Valia peals semifinais e a "Família Scolari" teve muito trabalho para vencer, por 1 x 0, com o gol marcado por Ronaoldo, aos quatro minutos do segundo tempo. Se bem que o time colocou o goleiro Rustu para trabalhar em conclusões de Cafu, Rivaldo e Ronaldo Fenômeno.
No lance do gol, Gilberto Silva subiu no ataque e laçou Ronaldo, pela esquerda da área turca. O Fenômeno bateu de bico de chuteira, surpreendendo Rustu. Aos 22 minutos, o goelador, que havia lançado um esquisito corte de cabeço, apelidado de Cascão, igual ao de um persongem das histórias em quasdrinhos de Maurício de Sousa, cedeu sua vaga a Luizão. Aos 29, Edílson saiu, para Denílson segurar o jogo. E o Brasil "evenceu" os turcos, depois de 2 x 1 na estréia, contando com: Marcos; Lúcio, Edmílson, Roque Júnior e Cafu; Gilberto Silva, Kléberson (Belletti), Rivaldo e Robrto Carlos; Edílson (Denílson) e Ronaldo (Luizão). Turquia: Rustu; Akyel, Korkmaz, Ozalan, Ergun, Tugay, Davala (Izzet), Emre (Mansiz), Basturk (Arif Erdem)m, Sas e Sakur. Técnico: Senol Gunes. O dinamarquês Kim Milton Nielsen apitou a partida, assistida por 61.058 pagantes, no mesmo local do jogo anterior.
Em 1958, o título fora conquistado em 29 de junho, no estádio Rasunda Solna, em Estocolmo, na Suécia. Em 1962, em 17 de junho, no Estádio Nacional, de Santiago do Chile. Em 1970, em 21 de junho, no Estádio Azteca, da Cidade do México. Em 1994, em 17 de julho,
no Rose Bowl, em Pasadena, nos Estados Unidos. Em 2002, a festa rolou em 30 de junho, no Estádio Internacional, de Yokahoma, no Japão.
CHEGANÇA - Era a terceira vez, consecutiva, que a Seleção chegava à decisão. O adversário era a Alemanha, que não contaria com o seu principal astro, o suspenso Ballack. Os canarinho estiveram  melhores na etapa inicial, mas só balançaram a rede na final. E foram os alemães quem assustaram primeiro, numa pegada de Neuville, que Marcos defendeu, com a bols chocando-se contra sua baliza.
 Aos 11 minutos, porém, Ronaldo abriu o placar. Gilberto Silva o lançou, pela esquerda. O Fenômeno perdeu a bola e caiu. Levantou-se, insistiu no lance e a roubou, de Hamman, para lançar Rivaldo. Este chutou, o goleiro Kahn não seguou e Ronaldo (foto) pegou o rebote, para abrir o placar e começar a festa brasieira: 1 x 0.
Aos 38, novamente, o Fenômeno liquidou com os alemães. Cafu lançou Kléberson, que progrediu, pela direita, e lançou Rivaldo, na meia-lua da grande área alemã. Rivaldo tocou a bola para Ronaldo, que fechou a conta: Brsil 2 x 0. Ronaldo (foto), que havia sofrido ma gravíssima contusão, dois anos antes, dava a volta por cima e igualava os 12 gols marcados por Pelé em Copas do Mundo – em 1996, tornou-se o maior goleador acumulado dos Mundiais, com 15 tentos, contra 14 do alemão Gerd Muller e 13 do francês Just Fontaine, que marcara 13 em uma mesma edição. 
No mais, depois de Bellini, Mauro, Carlos Alberto Torres e Dunga, foi só Cafu levantar taça do penta. O Brasil jogou com: Marcos; Lúcio, Edmílson, Roqeu Júnior e Cafu; Gilberto Silva, Kléberson, Ronaldinho Gaúcho (Juninho Paulista), Rivaldo e Roberto Carlos; Ronaldlo (Denílson). Alemanh: Kahn; Linke, Ramelow, Metzelder, Frings, Hamman, Jeremies (Asamoah), Schneider, Bode (Ziege), Neuville, Klose (Bierhoff). Técnico: Rudi Völler. A final foi apitada pelo italiano Pierluigi Collina e assistida por 69.029 pagantes 











Reprodução de www.esxtra.globo.com
Agradecimento

O "Kike" já disse e reafirma: na guerra pela melhor divulgação do que rola fora dos gramados da Copa do Mundo-2018, o site carioca www.extra.globo.com vai goleando a concorrência quando exibe as mulheres mais lindas que estão torcendo ao vivo pela sua seleção. Caso desta russa que vibrou muito, como mostra a foto vista ao clicar o Google em "belas mulheres na Copa do Mundo". Pena que não era possível anotar o nome da bela, afinal o fotógrafo, que não teve e o crédito anunciado,  não tinha como ir à arquibancada saber da graça dela. Nesta Copa a Rússia tem se mostrado uma potência em beleza feminina. 
The "Kike" has already said and reaffirms: in the war for the best publicity of what runs outside the lawns of the 2018 World Cup, the website www.extra.globo.com will thrash the competition when it shows the most beautiful women who are cheering live for your selection. Case of this Russian that vibrated a lot, as shown in the picture seen when clicking Google in "beautiful women in the World Cup". Too bad that it was not possible to write down the name of the beautiful, after all the photographer, who did not have and the credit announced, could not go to the bleachers to know of her grace. In this World Cup, Russia has shown itself to be a power in feminine beauty.

9 - A PROPAGANDA NA COPA - VARIG


A VARIG-VIAÇÃO AÉREA RIO-GRANDENSE, que caprichava em seu marketing de TV, exibindo "jingles" que viravam referência, não perderia a oportunidade de se divulgar como  transportadora de heróis do esporte.
Mandou o seu relado legal quando a Seleção Brasileira voltou do México com o o “tri” da intercalada conquista das Copas do Mundo de 1958, 1962 e 1970. Era uma empresa também “tri”- trilegal!, pois levara e buscara o time canarinho das três campanhas.                          Criada pelo Alemão Otto Ernst Meyer, em 7 de maio de 1927, a VARIG voou pelo céu do Brasil (e de vários países) durante 79 temporadas, encerrando as suas atividades em 20 de julho de 2006.     

In 1970, the VARIG-Rio Grande-Airway was the main one in the country. And he would not miss the opportunity to take the glory of having transported the heroes of the three-time world championship. The company was also "tri", as it was coined the intercalated achievements of 1958, 1962 and 1970, since it was chosen by the then Brazilian Confederation of Sports-CBD (current Brazilian Confederation of Soccer-CBF) to fly with their boys, respectively , to Sweden, Chile and Mexico.
  Founded by the German Otto Meyer, in Porto Alegre on May 7, 1927, VARIG was the first of its kind in Brazil, having existed until July 20, 2006. Its marketing was very creative, not restricted to magazines and newspapers, but also on TV

80 - O VENENO DO ESCORPIÃO - BOLA DE CRISTAL COM VIDRO ESCARAFUNCHADO

             FOTOS REPRODUZIDAS DA REVISTA FOTOS & FOTOS
   A tomada do poder ao presidente João Goulart,  entre  31 de março e o 1 de abril de 1964,  deixou o brasileiro, na virada para 1965,  com muita expectativa para o que viria por ali.
Embora os militares preferissem falar de “revolução”, na verdade, oque houve foi um conjunto de acontecimentos que levaram ao golpe civil-militar, tendo em vistas que os tanques e metralhadoras tiveram o suporte dos maiores proprietários rurais, da burguesia industrial paulista, de grande parte da classe média urbana  e da igreja católica.
 Pelos botecos e esquinas, indagava-se no que iria dar a vida dos nomes mais representativos do país naquele momento. Por sinal, são nesses momentos imperdíveis que surgem pessoas os caras com poderes extracotidianos avisando: anote aí em sua caderneta, que vai rolar.
 Pois bem! Para o presidente Castelo Branco, previram que ele esfacelaria  todas as correntes políticas que lhe contrariassem. Acertaram, mas não se tinha como errar, pois os seus canhões eram muito mais fortes. Erraram, no entanto, quando previram uma contra-revolução, em outubro, com lutas e trocas de tiros pelo meio das ruas.
Jânio Quadros (acima) e Carlos Lacerda
 Nesse ponto, seria o ministro da Guerra, o general Costa e Silva, quem esmagaria qualquer atitude contra-revolucionária, além de escapar de três planejados atentados contra a sua vida - não rolou.
 Nesse caso, os indivíduos que viam o futuro deveriam estar com lunetas bastantes gastas. Muito provável, como o fizeram, também, no caso do ex-presidente Jânio Quadros. Viram a sua estrela (dele) voltando a brilhar, livre da suspensão dos seus direitos políticos - foram bater um “córner” e chutarem a  bandeirinha de escanteio.  
O mesmo foi visto na bola de cristal que mostrava o futuro do governador do Rio de Janeiro, Carlos Lacerda. No março daquele 1965, quando o seu pedaço estava em festa, quatrocentão, ele sofreria um atentado. Com certeza, bola de cristal com vidro quebrado, ou os “atentadistas” eram os mesmos que atentariam contra Costa e Silva - faz sentido?
 Enquanto isso, os astros não erravam o destino do “Pai de Brasília”, o ex-presidente Juscelino Kubitscheck. Não acenavam com nada favorável aos seus planos políticos, de uma futura volta ao poder, pelo primeiro semestre de 1965 – acertaram, para sempre.
Mane Garrincha
 Mas nem só de política vivia o brasileiro em 1965. Uma de suas maiores paixões,  o futebol – Carnaval, cervejinha bem gelada e bunda de mulher gostosa são as outras – também fazia rolar papos de botecos. 
Nessa onda, o previsto para Mané Garrincha foi que ele poderia jogar como nos velhos e gloriosos tempos, até julho. Depois, penduraria as chuteiras - bolas foríssima. O “Torto” já era mesmo e, até o final da década-1960, ainda tentou ser o que tinha sido, sem mais poder sê-lo.
Quanto ao “Rei Pelé”, previu-se um 1965 de triunfos – na mosca. Foi campeão paulista e da Taça Brasil. Mas chutaram pra fora quando previram que ele se casaria em 1967. Teve pressa e colocou argola num dedo, em 1966 – pela primeira vez. Depois, armou mais duas tabelinhas e emplacou em 1994 e em 2016 – o astro da bola é astro também no altar.

sexta-feira, 29 de junho de 2018

AS BELAS DA COPA - SELFISTA NA GALERA

Sacaneou o vascaíno Raimundinho Maranhão, que participou, ontem às noite,  da seleção da musa do dia copeiro de hoje. Para ele, o time desta fera pode não ganhar a o Mundial da Rússia, mas, com certeza, ela terá feito a "self no suvaco mais sexy nas arquibancadas". Este Raimundinho é um pândego. Afinal, não tinha como ela fazer uma foto da sua bela face, sem registrar "your right armpit". Sacanagens à parte, entre as morenas que estão nas arquibancadas da Copa, sem dúvida, esta é uma das mais charmosas. Ainda bem que o www.tudointeressante.com.br teve o bom gosto de clica-la. E o "Kike" agradece pale repordução da foto, para gáudio da sua galera. Valeu!   

The team of this beast may not win the World Cup in Russia, but surely she will have done her self in the sexiest suvaco in the stands. This Raimundinho is a panda. After all, there was no way she could take a picture of her beautiful face without registering your right armpitx. Sacanagens aside, among the brunettes that are in the bleachers of the Cup, undoubtedly this is one of the most charming. Thankfully the www.interestante.com.br had the good taste of clicking it. And the "Kike" thanks pale reporduction of the photo, for the sake of your galley. Thanks!


                                                       MUSA EM FLASH BACK

Há quatro temporadas, o site www.musasgatasfc.com.br publicou esta foto de uma das musas brasileiras para a Copa do Mundo que o glorioso país verde-e-amarelo estava promovendo. Só não citava o nome da loira, a dona da bola. Caso você a conheça,  por favor, nos informe para dizer ao planeta qual é a graça da moça. Combinado?

For four seasons, the site www.musasgatasfc.com.br has published this photo of one of the Brazilian muses for the World Cup that the glorious green-and-yellow country was promoting. Just did not mention the name of the blonde, the owner of the ball. If you know her, please let us know to tell the planet what the girl's grace is. Combined?

15 - NO MUNDO DA COPA - PELÉ NO JOGO 10

                                       O DIA EM QUE O 10 "DEIZOU"
Os ingleses foram os adversários do "Rei do Futebol" no dia da sua décima partida em Mundiais de seleções. Aconteceu em 1970, no México, quando o "Camisa '10" envergava a jaqueta canarinha. Naquele dia, em jogo duríssimo, a Seleção Brasileira venceu o "Eglish Team", por 1 x 0, com o gol marcado por Jairzinho, aos 60 minutos.
Apitado pelo israelense Abraham Klein, o jogo foi assitido por 66.843 espectadores, no Estádio Jalisco, em Guadalajara. Treinada por Zagalo, a "Turma do Rei" foi: Félix: Carlos Alberto Torres, Brito, Wilson Piazza e Everaldo; Clodoaldo e Rivellino; Jairzinho, Tostão |(Roberto Miranda), Pelé e Paulo C´sar 'Caju'.
Os 10 primeiros jogos de Pelé pela Copa do Mundo foram: 1) - 15.06.1958 - Brasil 2 x URSS; 2) -19.06.1958 -Brasil 1 X 0 País de Gales; 3) 24.06.1958 - Brasil 5 x 2 França; 4)- 29.06.1958 - Brasil 5 x 2 Suécia; 5) - 30.05.1962 - Brasil 2 x 0 México; 6) -02.06.1962 - Brasil 0 x 0 Tchecoeslováquia; 7) 12.07.1966) - Brasil 2 x 0 Bulgária; 8) - Brasil 1 x 3 Portugal; 9) - 03.06.1970 - Brasi 4 x 1 Tchecoeslováquia; 10) 07.06.1970 - Brasil 1 x 0 Inglaterra. Nestas partidas, Pelé marcou 8 gols, assim distribuídos: País de Gales (1); França (3); Suécia (2); México (1); Bulgária (1) e Tchecoeslováquia (1).
Com esta rapaziada, o Camisa 10 foi 10 e fez o seu jogo 10 canarinho 

The English were the opponents of the "King of Football" on the day of their 10th match in World Cups.
 It happened in 1970, in Mexico, when "Camisa '10" wore the canarinha jacket.
 That day, in a tough game, the Brazilian team won the "Eglish Team", 1 x 0, with the goal scored by Jairzinho, in the 60th minute.
Pointed by the Israeli Abraham Klein, the game was watched by 66,843 spectators, in the Stadium Jalisco, in Guadalajara. Trained by Zagalo, the "Class of the King" was: Felix: Carlos Albro Torres, Brito, Wilson Piazza and Everaldo; Clodoaldo and Rivellino; Jairzinho, Tostão | (Roberto Miranda), Pelé and Paulo C'sar 'Caju'.
The first 10 Pelé games for the World Cup were: 1) - 15.06.1958 - Brazil 2 x USSR; 2) -19.06.1958 - Brazil 1 X 0 Wales; 3) 24.06.1958 - Brazil 5 x 2 France; 4) - 29.06.1958 - Brazil 5 x 2 Sweden; 5) - 30.05.1962 - Brazil 2 x 0 Mexico; 6) -02.06.1962 - Brazil 0 x 0 Czechoslovakia; 7) 12.07.1966) - Barsil 2 x 0 Bulgaria; 8) - Brazil 1 x 3 Portugal; 9) - 03.06.1970 - Brazil 4 x 1 Czechoslovakia; 10) 07.06.1970 - Brasill 1 x 0 England. In these games, Pelé scored 8 goals, thus distributed: Wales (1); France (3); Sweden (2); Mexico (1); Bulgaria (1) and Czechoslovakia (1).

7 - PROPAGANDA COPEIRA - LEÃO&JORGE

O goleiro Emerson Leão e o atacante Jorge Mendonça, que passaram pela Seleção Brasileira, foram dois antigos "canarinhos" requisitados pelo marketing da Copa.
Eles ajudaram a vender televisores, embalados por mensagens saudosistas.
Leão atuou em 104 vezes pela Seleção Brasileira, igualando-se a Gylmar dos Santos Neves considerado o maior goleiro brasileiro de todos os tempos. Sua história vai de 1970 a 1986.
Leão anotou 64 vitórias canarinhas, 29 empates, 11 quedas e 64 gols levados, entre 1970 a 1986. Chegou a capitão, cargo exercido durante o Mundial da Argentina-1978.
 De sua parte, Mendonça, que esteve na mesma competição, vestiu a camisa do escrete nacional por 11 partidas, com sete vitória, quatro empates e dois gols marcados. Só foi selecionado em 1978 e, de clubes de ponta, defendeu Palmeiras e Vasco da Gama. 
 Muito famoso, só tendo atuado por grandes clubes - Palmeiras, Vasco da Gama, Grêmio-RS e Corinthians - em seu auge, Leão foi bastante discutido. Chegou a fazer vários anúncios publicitários durante sua carreira, ao contrário de Mendonça, que nunca fora disputado pelo mercado publicitário.

Goalkeeper Emerson Leão and striker Jorge Mendonça, who passed through the Brazilian squad, were two former "canarinhos" requested by Copa's marketing. They helped sell televisions, packed with nostalgic messages.
Leo played in ... national team games between 1970 and 1986. He became a captain, a position held during the 1978 World Cup in Argentina. For his part, Mendonça, who was in the same competition, wore the national shirt of the national team for ... times. Very famous and quite discussed, Leon even made several commercials during his career, but Mendonça did not. He was a discreet player

.

quinta-feira, 28 de junho de 2018

AS BELAS DA COPA - BRASUCAS

O Brasil, também, enviou belíssimas mulheress para torcerem pela nossas Seleção durante o Mundial da Rússia. Vendo estas duas, você discorda?  Claro que não! E, de quebra, ainda ganha um beijinho verde-e-amarelo. Tem gente que vive dizendo que se orgulha de ser brasileiro. Já o "Kike" se orgulha de ser patrício dessas deusas vistas estampadas em www.chato.blog.com.br, página de muito bom gosto, a qual agradecemos pela reprodução da imagens, pra os "kikenautas" aplaudirem. A imensa galeria de belas que o site mostra não traz, no entanto, o nome de quem as clicou..  

Brazil, too, sent beautiful women to cheer for our Canarian squad during the World Cup in Russia. Seeing these two, do you disagree? Of course not! And, of breaking, you still get a yellow-and-yellow kiss. There are people who say they are proud of being Brazilian. Already the "Kike" is proud to be patrician of these goddesses seen stamped in www.chato.blog.com.br, page of great taste, which we thank for the reproduction of the images, for the "kikenautas" to applaud. The huge gallery of beautiful that the site shows does not, however, have the name of who clicked them.

14 - NO MUNDO DA COPA - MARCO ZERO


O futebol tem como ponto de partida o chute primitivo, em diversos objetos. Há 2.500 anos antes de Cristo (AC), por exemplo, os chineses já usavam uma esfera de couro, para golpear. Havia quem mandava a pancada na cabeça cortada dos vencidos em combates, num ritual de guerra. Na Grécia (foto), um século AC, a bola era de bexiga de boi, cheia de areia. Outros a faziam com tecidos.
  De forma moderna, o futebol surgiu por intermédio de estudantes ingleses, no século 19, com cada colégio tendo as suas regras - convite certo para brigas e discussões. Para evitá-las, em 26 de outubro de 1863, os jovens futeboleiros londrinos reuniram-se na taberna Freemason´s, para definir uma lei única. Mas terminaram desentendo-se. Resultado: um grupo criou uma liga, para o rugby,e o outro a primeira entidade regularizadora da modalidade, a Football Association, que distribuiu a sua cartilha, pelas escolas da capital inglesa. Em 1904, surgiu a Federação Internacional de Futebol Associado, a FIFA, que coordena a entidade, mundialmente.
No Brasil, segundo os pesquisadores, o futebol foi jogado, inicialmente, por marinheiros estrangeiros e convidados brasileiros, em praias de Pernambuco e de Santos-SP, e por estudantes, nas escolas católicas e laicas, de São Paulo, do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul. Mas coube ao paulista Charles Miller (foto) – filho de imigrantes ingleses que passara 10 anos estudando na Europa – organizá-lo, em 1894. Na volta, ele trouxe duas bolas de couro, um livro de regras e uniformes para os times.
Em abril do mesmo 1894, realizou-se aquela que é considerada a primeira partida do futebol brasileiro, com a equipe de Charles Miller – fez dois gols –, o São Paulo Railway, vencendo o Gás Company, por 4 x 2, no bairro do Brás, na várzea do Carmo, em frente ao gasômetro da capital paulista.
No Rio de Janeiro, poucos conheciam a nova modalidade esportiva, com exceção de ingleses que praticavam o críquete, chegado um século antes. Foi outro sujeito que, também, estudara na Europa - Oscar Cox -, de onde regressara, em 1897, quem o integrou aos cariocas (foto), levando quatro anos para conseguir reunir 10 rapazes que pudessem formar, com ele, um time. Assim, o primeiro jogo de futebol no Rio de Janeiro só ocorreu em 1º de agosto de 1901, com a turma de Cox encarando os ingleses do Rio Cricket Clube, em Niterói. Arrancaram o empate, por 1 x 1.
Naqueles primórdios da bola rolando por aqui – a primeira, de couro cru, segundo a maioria dos pesquisadores, foi feita pelo padre Manuel Gonzales, para os seus alunos, no Colégio Vicente de Paula, em Petrópolis-RJ -, só os ricos podiam jogar o futebol, pois o material de prática era caro e importado.
CLUBES MAIS ANTIGOS – Em 13 de maio de 1888, entre um gole e outro, numa mesa de um bar da paulistana Rua São Bento, engenheiros ingleses, da São Paulo Railway - entre eles, William Snape, William Speer, William Rule, Charles Walker, Percy Lupton e Peter Miller - e alguns comerciantes da terra, criaram a primeira entidade social-desportiva da cidade, o São Paulo Athletic Club, inicialmente, dedicado ao críquete e que, depois, manteve o futebol, até 1912, tendo conquistado os títulos paulistas de 1902/3/4 – atualmente, Clube Atlético São Paulo, disputando só competições amadoras. A glória da maior antiguidade, portanto, é do SPAC (foto), como era chamado.
Das agremiações em atividade, a mais antiga é o gaúcho Sport Club Rio Grande, nascido em 19 de julho de 1900. Torcedores do Botafogo Futebol e Regatas (01.07.1894); do Clube de Regatas Flamengo (17.11.1895); do Clube de Regatas Vasco da Gama (21.08.1898); do Esporte Clube Vitória-BA (13.05.1899) e da Associação Atlética Ponte Preta, de Campinas-SP (11.08.1900) alegam que os seus clubes são mais velhos. Tudo bem! Só que eles não surgiram dedicados ao futebol. Isso pintou depois.
 Também, naqueles primórdios, foram criados clubes, como o Rio Cricket Athletic Association-RJ (1897); Associação Athlética Mackenzie College-SP(1898); Esporte Clube Internacional-SP e Esporte Clube Germânia-SP(1899); Clube Atlético Paulistano-SP e Savóia de Voltorantim-SP (1900); Paisandu Cricket Clube-RJ; Fluminense Futebol Clube-RJ (foto) e Clube Atlético Internacional-SP (1902); Esporte Clube Americano-SP, Foot-ball and Athletic Club-RJ e Esporte Clube Baiano-BA (1903). Foi a partir dessa semente que o Brasil conquistou cinco Copas do Mundo.
RUMO AO PENTA - Em 1930, desorganização; em 34, melhoramos, um pouco; em 38, mostramos o talento do lateral Domingos da Guia e do goleador Leônidas da Silva; em 50, levamos um tombo monumental, após construirmos um templo para o futebol, o Maracanã, onde os uruguaios, com um time que quase não viria disputar o Mundial, levaram a taça que o velhinho Jules Rimet se preparava para nos entregar; em 54, demos um novo vexame, com gente saindo no tapa com quem era melhor em campo, e cartolas exigindo amor à bandeira nacional. Assim foram os nossos cinco primeiros Mundiais.
Para a Copa de 30, no Uruguai, os paulistas brigaram com a CBD, por não incluir nenhum dos seus homens na comissão técnica e, em represália, negaram os atletas das suas equipes à seleção. Em 34, os nossos atletas não sabiam que empatar um jogo seria bom para os dois times, e se matavam, em campo, desnecessariamente. Naquela Copa, até o divino Domingos deu pontapé em adversário, dentro da área. Não lhe avisaram que era pênalti.
 Em 50, o treinador Flávio Costa invocou-se com o bico mole da chuteira do lateral Nilton Santos, que não jogou nenhuma partida, porque causa daquilo. Nilton, a Enciclopédia, foi eleito o melhor lateral-esquerdo do século 20. Ainda bem que as nossas pisadas na bola terminaram em 1958, quando foi planejado um trabalho para dar no que deu: Brasil, o melhor do mundo – bisou feito, em 1962 (foto).
O COMEÇO DA COPA - Em 8 de maio de 1902, o comerciante holandês Carl Wilhelm Hirschmann escreveu uma proposta de união das entidades comandantes do futebol em cada país. Na França, o presidente da Union des Societés Françaises de Sports Athletiques, Roberto Guérin, gostou do que lera e correu atrás. Dois anos 13 dias depois, reunidos em Paris, os dirigentes futebolísticos de Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Holanda, Suécia e Suíça fundaram a Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA). Era plano da entidade realizar um campeonato mundial entre seleções nacionais. Só que nenhum país topava promovê-lo, alegando deficiências nos seus meios de transportes e ainda a pouca receptividade do futebol.
Estava escrito, porém, que, em 1919, o presidente da entidade francesa (desde 1910), Jules Rimet (foto), estaria na presidência da FIFA e conseguiria mostrar aos cartolas, após as Olimpíadas de Paris-1924, que o torneio de futebol – com 25 equipes de vários continentes – deixara um bom lucro para os anfitriões.
Pelos próximos três anos, Rimet dedicou-se a viajar, pela Europa, vendendo o seu sonho de uma Copa do Mundo. Apresentou, oficialmente, a proposta, no congresso que a FIFA realizou, em 1927, em Helsinque, na Finlândia, e o aprovou, após as Olimpíadas de Amsterdan, na Holanda, um ano depois. O sonho virava realidade, de quatro em quatro anos. Équando o atleta brasileiro exibe todo o seu talento, pelos gramados do mundo, e o torcedor faz a festa, repleta de muita criatividade, principalmente quando se tem caneco na mala. Vamos conferir esta história, abaixo.

6 - A PROPAGANDA NA COPA - BARBEADA

Os "craques da boa aparência", como se anunciava o pessoal da Gillette, foi para a guerra publicitária da Copa do Mundo-1962, tentando seduzir o comprador com estojo e lâmina de barbear . Quem levasse ganharia um guia do Mundial, um "valioso livreto" que narrava os lances das disputas anteriores, o que a multinacional dizia ser "um documentário completo de todos os Campeonatos Mundiais de Futebol", acrescentando ser "uma sensacional oferta inédita".

The "good-looking stars," as the Gillette folks announced, went to the 1962 World Cup publicity war, trying to seduce the buyer with a razor case and a razor. Anyone who leads would win a World Cup guide to be promoted by Chile, a "valuable booklet" telling the story of the previous squabbles, which the multinational said was "a complete documentary of all World Football Championships," adding "a sensational offer unpublished ".

quarta-feira, 27 de junho de 2018

AS BELAS DA COPA - MUSA DA FOLHA DE SP

 De acordo com matéria assinadas por Fábio Aleixohttps, em www.privietrussia.blogfolha.uol.com.br, esta moça tão bonita e que encantou os 14, é uma atriz pornô chamada Natalia Nemchinova, de 28 de idade.
A bela foi escolhida  para integrar a galeria de musas do Mundial feita pelo jornal Folha de São Paulo. com fotos  de Patrick Stollarz, da Agência France Press.
Conta o texto de Aleixohttps que a bela estreou no cinema pornô em 2016, tendo aparecido em suas películas com os nomes Natali Nemtchinova, Natalia Andreeva, Delilah G, Danica, Amanda, Asya e Annabell. Acrescenta o texto que ela é ainda uma estrela de festas em que os casais praticam o "swing", isto é, trocas constante de pares.
Antes de fazer filmes eróticos, segundo o jornalista, Natalia era modelo e foi eleita Miss Moscou em 2007. Durante Eurocopa-2016, na França, ela esteve na torcida de algumas partidas do selecionado russo. 
Nesta segunda-feira que passou, dia 25, ela foi ao estádio de Samara torcer muito pela sua rapaziada, mas  a turma foi batida, elo Uruguai, por 3 x 0 , saindo da fase classificatória com o segundo lugar.
According to the article signed by Fábio Aleixohttps, in //privietrussia.blogfolha.uol.com.br, this young lady so beautiful and that enchanted the photographers that covered the opening match of the World Cup - Rusias 5 x 0 Saudi Arabia, in the last 14, is a porn actress named Natalia Nemchinova, 28.
The beautiful was chosen to integrate the gallery of muses of the World made by the Leaf. with photos of Patrick Stollarz of the France Press Agency.It tells the text of Aleixohttps that the girl debuted in the porn cinema in 2016, having appeared in his films with the names Natali Nemtchinova, Natalia Andreeva, Delilah G, Danica, Amanda, Asya and Annabell.
It adds that it is still a party star in which couples practice "swing", that is, constant peer-to-peer exchanges.Before making erotic films, according to the journalist, Natalia was a model and was named Miss Moscow in 2007. During Eurocopa-2016, in France, she was in the fans of some matches of the Russian selected. This Monday, 25th, she went to the Samara stadium to cheer for her team, but the team was beaten, Uruguay by 3 x 0, leaving the qualifying phase with second place.

13-NO MUNDO DA COPA - BRASil-HOLANDA

Uma das seleções que mais falta faz a esta Copa do Mundo da Rússia é a da Holanda. Duas vezes vice-campeãs mundial, a "Laranja Mecânica", como ficou conhecida, durante o Mundial-1974, levou momentos de futebol mágico para torcedores ao vivo, ou pela TV. Um dos seus astros, Johan Kruijff, deixou a sua técnica registrada entre as 10 melhores de atacantes, desde que o futebol existe. 
Johan Kruijff reproduzido de www.esporte.uol.com,.br
Brasil e Holanda já se pegaram na bola por 10 vezes, em seis amistosos e por quatro jogos de Mundiais, com três vitórias nossas, três deles e quatro empates: 15 gols pra gente e 15 pra eles.
 Depois, da primeira "brincadeira", levamos 26 anos (20.12.1989) para vencê-los, demora que Portugal não teve, quando rechaçou a tentativa inicial de invasão holandesa à Bahia, em 1625, o que não foi grandes coisas, pois eles vieram com 1.700 homens.
A primeira vitória brasileira sobre a Holanda no futebol, no entanto, também, não é lá grande feito. Comemorava-se os 100 anos da Federação Holandesa de Futebol e a seleção deles estava sem os craques Van Basten, Gullit e Rijkiaard. Com gol de Careca, 1 x 0, amistoso, em Roterdã. Nos outros amistosos, três 2 x 2: em 31.08.1966, em Amsterdã; em 05.05.1999, em Salvador, e em 08.10.1999, em Amsterdã.

COPAS DO MUNDO – Em 03.07.1974, no Westfalenstadion, diante de 52.500 almas, a Laranja Mecânica, de Cruijff e Neeskens, os atores dos gols embarcou no “carrossel” do técnico Rinus Michel e mandou incontestáveis 2 x 0, pelo primeiro Mundial promovido pela Alemanha – o segundo foi em 2006.
Robinho, reproduzido de www.cbf.com.br,  marcou gol no
 último jogo Brasil x Holanda
A resposta brasileira foi na Copa dos Estados Unidos-1994, com 3 x 2, em 09.07, no Estádio Cotton Bowl, em Dallas. Perante 63. 500 presentes, o time do técnico Carlos Alberto Parreira avançou às semifinais, criando o “gol embala neném”, com o qual Bebeto homenageou o nascimento do filho Mateus.
O penúltimo encontro de brasileiros com holandeses, por Mundiais, em 07.07.1997, no Velódrome, de Marselha, na França, terminou 1 x 1, no tempo normal, diante de 54 mil assistentes. A decisão foi para os pênaltis, e o goleiro Taffaarel defendeu dois, classificando o Brasil: 4 x 2, para decidir a Copa-98, com a França.
Dunga era o treinador no dia do vexame
 O último marcou o final da segunda "Era Dunga" na Seleção Brasileira – a primeira fora na Copa-90, quando ele era jogador –, após 59 jogos, 41 vitórias, 12 empates e 5 derrotas, que resultaram nos títulos da Copa América-2007; da Copa das Confederações-2009; o primeiro lugar nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa de 2010 e a sexta colocação no Mundial da África do Sul.
No jogo do Mundial sul-africano, a Holanda mandou a Seleção Brasileira de volta pra casa, por 2 x 1, em 2 de julho de 2010, no Estádio Nelson Mandela Bay, em Porto Elizabeth, com arbitragem do japonês Yuichi Nishimura e público de 40.186 almas. Robinho abriu o placar, aos 10 minutos do primeiro tempo.
Aos 8 da etapa final, o goleiro Julio Cesar e o apoiador Felipe Melo se enrolaram numa bola, no gol de empate dos holandeses, com a pelota tocando, por último, no segundo. Depois, a FIFA atribuiu o gol a Sneijder, o autor do chute e, também, da cabeça da virada do placar, aos 22 da etapa final, quando. Felipe Melo foi expulso de campo, por chutar Robben, quando este estava caído.
Dirigida pelo treinador Bert van Marwijk, a seleção da Holanda venceu por causa de Stekelenburg; Van der Wiel, Heitinga, Ooijer e Van Bronckhorst; Van Bommel, De Jong, Sneijder e Kuyt; Van Persie (Huntelaar) e Robben. O time do técnico Dunga foi: Julio Cesar; Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos (Gilberto); Gilberto SIlva, Felipe Melo, Daniel Alves e Kaká; Robinho e Luís Fabiano (Nilmar).

CONATO - Brasileiros e holandeses não ficaram sendo muito assíduos em seus duelos na bola. Deveriam ser o bem maiores, já que foi grande contribuição deles à nossa formação, como nação. Ainda que tenha sido pela força de suas armas, durante uma dominação que durou de 1630 a 1654, numa parte que ia de Pernambuco ao Maranhão.
 Informados da vulnerabilidade militar da colônia portuguesa, a Holanda, detentora de poderosa indústria naval, decidiu chegar. E chegou, deixando boas marcas, principalmente, após o conde João Maurício de Nassau trazer profissionais que impulsionaram a vida do "Brasil holandês" na economia, arquitetura, engenharia, letras e artes, durante sua administração, de 1637 e 1644. 
Sobre o período há vários livros, como este (Tempos de Nassau) da foto ao lado, pesquisado por 10 historiadores.
No futebol, levou-se 309 anos, depois que os portugueses expulsaram os holandeses, para os brasileiros o desafiarem na pelota. Nos arquivos da Confederação Brasileira de Futebol consta que o primeiro duelo deu-se, amistosamente, em 02.05.1963, no Estádio Olímpico de Amsterdã, com 1 X  0 para os anfitriões e Petersen marcando o gol, aos 44 minutos do segundo tempo. Só que não foi bem assim, segundo Geraldo Romualdo da Silva, um dos maiores historiadores do futebol brasileiro.
Contava o jornalista que a Seleção Brasileira, na realidade, participara de um “faz de conta que é um jogo”, contra o time da Phillips, que distribuíra aos visitantes radinhos de pilha, barbeadores e outros produtos que a empresa fabricava. Segundo ele, foram dois tempos, de 20 minutos, e, de tão irresponsáveis que estiveram os canarinhos naquele dia, aos 44 da fase final, a zaga da “Seleção Transistor” (apelido ganho depois do encontro), ficara brincando de driblar os gringos dentro da área, até perder a bola para Petersen fazer o gol.

5 - A PROPAGANDA NA COPA - JAIRZINHO

Ponta-direita do Botafogo, Jair Ventura Filho, o Jairzinho voltou da Copa do Mundo-1970, no México, consagrado internacionalmente, por ter sido "tri" e marcado gols (7) em todas as partidas, o que valeu-lhe o apelido de "Furacão", colocado pelos anfitriões.
Jairzinho, além do Botafogo, defendeu, também, o Cruzeiro. Fora do Brasil, esteve no futebol francês, no Olympic, de Marselha, e encerrou a carreira em um time boliviano
Com a glória trazida de gramados mexicanos, Jairzinho mordeu publicidade e aumentou a sua conta bancária, como mostra este anúncio da Gillette, por meio do qual ele manda o seu recado, dizendo ter perdido o seu pacote de lâminas de barbear, mas contado com a ajuda do companheiro de Seleção Brasileira e capitão Carlos Alberto Torres.
Jairzinho, além do Botafogo, defendeu, também, o Cruzeiro. Fora do Brasil, esteve no futebol francês, no Olympique de Marselha, e encerrou a carreira defendendo um time boliviano.  


terça-feira, 26 de junho de 2018

AS BELAS A COPA - TREMENDAMENTE!


 Nesta Copa da Rússia-2018, o site © SPUTNIK vem goleando os demais na divulgação de mulheres bonitas ALEKSEI FILIPPOV clicou esta jovem russa torcendo pela sua seleção no jogo de abertura do Mundial, no dia 14, contra a Arábia Saudita. De sua parte, VITALIY BELOUSOV flagrou, abaixo,  a fã do camisa 10 argentino Messi, antes do jogo contra a Islândia, em Moscou. 
Cerca de dois milhões de torcedores de várias partes do planeta estão na Rússia curtindo a Copa do Mundo, para a qual o br.sputniknews.com selecionou as imagens das mais + mais lindas mulheres que estão embelezando este Mundial de futebol.


4 - A PROPAGANDA NA COPA- SINTONIA


Em 1970, quando a TV no Brasil ainda não era colorida e nem chegava a todos os rincões, as emissoras de rádio disputavam um campeonato muito brigado, o da busca de patrocinadores para as suas jornadas esportivas. A Copa do Mundo era o grande lance. A estatal Rádio Nacional do Rio de Janeiro apostava tudo na popularidade do narrador Jorge Curi, muito vibrante. Disputava audiência, principalmente, com a Rádio Globo, da mesmas Cidade Maravilhosas.


In 1970, when TV in Brazil was not yet colorful and did not reach all corners, radio stations did not waste time in search of sponsors for their sports days. The World Cup was the big deal. The state-owned National Radio of Rio de Janeiro bet everything on the popularity of the narrator Jorge Curi, very vibrant. He was fighting for the audience with Rádio Globo.
 
 A paulistana Rádio Record convidou, por esta anúncio, o ouvinte a ligar a TV, mas tirando o som, para ouvir a narração de Sílvio Luiz, os comentários de Pedro Luís e as reportagens de Flávio Prado. E prometeu muita emoção. em AM e FM. De sua parte, a concorrente Tupi ofereceu emoções na voz de Haroldo Fernandes. Umas boa guerra na "latinha", o apelido do microfone.

The São Paulo Radio Record invited by this announcement, the listener to turn on the TV, but taking the sound, to listen to the narration of Silvio Luiz, comments of Pedro Luís and the reports of Flávio Prado. And he promised a lot of emotion. in AM and FM. For his part, the competitor Tupi offered emotions in the voice of Haroldo Fernandes. A good war in the "tin", the nickname of the microphone.
Enquanto a turma radiofônica tentava de puxar a brasa para a sua sardinha, a fabricante de material esportivos Topper chamava o "Doutor Sócrates", um dos craques que passaram pela Seleção Brasileira, para receitar a saúde de seus produtos, no caso as suas chuteiras. Com elas, o meia-atacante marcou gol durante a Copa do Mundo da Espanha, em 1982  
While the radio group tried to pull the ember for their sardines, sports equipment manufacturer Topper called "Doctor Socrates", one of the stars who went through the Brazilian National Team to talk about the health of their products, in the case here boots. With them, the midfielder scored goals at the World Cup in Spain in 1982.

12 - NO MUNDO DA COPA - PELÉ CAPEIRO


Esta edição da revista paulista “A Gazeta Esportiva”, que circulava quinzenalmente, mas já saiu de cena, é uma das mais disputadas pelos colecionadores, por trazer uma bela foto do “Rei Pelé”. Foi clicada antes de uma partida da Seleção Brasileira (na época, era raro creditar fotos),  no estádio Paulo Machado de Carvalho, o chamado Pacaembu, poucos dias antes da viagem para o Chile, onde a rapaziada foi buscar o bi.
 Por sinal, durante a promoção chilena, Pelé sofreu a pior contusão de sua carreira, uma lesão muscular, que o tirou de campo por vários meses. Por causa do problema, ele só atuou nos 2 x 0 México, marcando um gol, e em parte do 0 x 0 Tchecoeslováquia.   

This edition of the São Paulo magazine "A Gazeta Esportiva", which circulated fortnightly, but has already left the scene, is one of the most disputed by collectors, for being capped with a beautiful photo of "King Pele." It was clicked before a match of the Brazilian National Team (at the time, credits in photos were rare), in the Paulo Machado de Carvalho stadium, the so-called Pacaembu, a few days before the trip to Chile, where the boys went to get the bi.
  By the way, during the Chilean promotion, Pele suffered the worst injury of his career, a muscle injury, which took him off the field for several months. Because of the problem, he only acted in the 2 x 0 Mexico, scoring a goal, and partly the 0 x 0 Czechoslovakia.

segunda-feira, 25 de junho de 2018

AS BELAS DA COPA - GEORGINA

O goleador português Cristiano Ronaldo não é artilheiro só nos gramados. Também, no campeonato do bom gosto. Veja só quem ele conquistou: a bela Georgina Rodriguez, que o  a página eletrônica  www.gentiside.com.br apontou como uma das mais belas mulheres que estão visitando a Rússia nestas Copa do Mundo. Acertou, em cheio. Além de companheiraça do cracaço lusiano, a gloriosa Geo é mulher n ota 10. Ou alguém discorda?    

Portuguese striker Cristiano Ronaldo is not the top scorer on the pitch. Also, in the championship of good taste. Look who he has won: the beautiful Georgina Rodriguez, who the website www.gentiside.com.br pointed out as one of the most beautiful women who are visiting Russia in these World Cup. You got it. In addition to being a companion of the Portuguese treasure, the glorious Geo is a ninth woman. Or does anyone disagree?

11 - NO MUNDO DA COPA - PINTOU O "REI"

O diretor-provedor do Bauru Atlético Clube, João Fernandes, achava que não poderia haver time pior do que o dele. Até que, um dia, perdeu a paciência. Mandou toda sua rapaziada embora e colocou um anúncio no "Diário de Bauru", convocando garotos, de 8 e 16 anos, para formar uma equipe infanto-juvenil. Só para a primeira peneira pintou uma centena deles, dos quais o treinador Valdemar de Brito – meia–direita da seleção brasileira de 1934 – encontrou 25 com jeito pra a coisa, entre eles um pirralhinho que fez o diabo com a bola. Pronto! Estava nascendo o Baquinho e Pelé.
O time de João Fernandes estreou em 29 de outubro de 1953, empatando, por 3 x 3, com o Gérson Franca Futebol Clube. No segundo jogo, sapecou 21 x 0 no São Paulo – time amador de Bauru –, com sete gols de Pelé. No ano seguinte, o Baquinho conquistou o título da Liga Bauruense de Futebol, com seis rodadas de antecedência, num ano em que jogou 33 vezes, marcando 148 gols, média de 4,5 por jogo. O presente da garotada foi jogar na capital, contra o Flamengo, da Vila Mariana, na preliminar de Araraquarense x América de São José do Rio Preto. Resultado: 12 x 1 para o Baquinho, com seis gol de Pelé.
Foto do álbum de Pérsio, o cara que etá com a rede na cabeça. Pelé é o
segundo agachado, sentado na bola, da esquerda para a direita 
Em 1955, o Baquinho foi bi bauruense, mas em 56 acabou. De sua parte, Pelé entrou para o futebol de salão. Por pouco tempo, pois Valdemar de Brito o levou para o Santos, das estrelas Pagão, Del Vecchio, Jair Rosa Pinto e Zito.
No mesmo ano, o futuro "Rei do Futebol" marcaria aquele que é considerado o seu “gol marco zero”, no dia 7 de setembro, contra o Corinthians, de Santo André-SP, num amistoso em que o Santos goleou, por 7 x 1. Ainda naquele 1965, ele faria outro gol, em 15 de novembro, nos 4 x 2 sobre o Jabaquara.
Viria, então, 1957, e Pelé encantaria o Maracanã, vestindo a camisa do Vasco, que formara um combinado, com o Santos, para disputar um torneio internacional, a aça Morumbi, reunindo, ainda, Flamengo, São Paulo, o  Dínamo, de Moscou, e Os Belenenses, de Portugal. No dia 19 de junho, ele marcaria três gols do combinado – primeiros tentos internacionais –, nos 6 x 1 sobre os portugueses. Depois, mais um, no 1 x 0 sobre os então soviéticos (22.06); outro, no 1 x 1, com o Flamengo (26.06), e ainda mais outro, no 1 x 0, sobre o São Paulo (29.06).
Quando setembro chegou, “outro 7 de setembro” pintou na vida de Pelé. Um ano após marcar o seu primeiro gol santista, ele balançou as redes, pela primeira vez, com a camisa da Seleção Brasileira. Foi durante o primeiro jogo válido pela Copa Roca, no Maracanã, contra a Argentina, diante de 60 mil pagantes.
Para formar um time, o treinador Sílvio Pirillo tivera problemas na convocação, pois os clubes faziam seus caixas, na época, excursionando ao exterior, e não queriam ceder as suas estrelas. O Botafogo, por exemplo, negou Nilton Santos, Garrincha e Didi, enquanto o Flamengo não cedeu Dida e Dequinha. Então, Pirillo resolveu apostar em dois garotos que vinham arrasando, Pelé, no Santos, e Mazzola, no Palmeiras. De quebra, entregou ao vascaíno Bellini a braçadeira de capitão.
A princípio, a Seleção mostrou-se desconjuntada. Sua defesa não atuava compacta, o meio-de-campo tinha Zito sobrecarregado e, na frente, os pontas Maurinho (São Paulo) e Tite (Santos) eram figuras decorativas. Mais organizados, os argentinos ainda tinham o grande Labruna, que abriu o placar, aos 14 minutos, ao receber um passe, de calcanhar, de Herrera, e bater por baixo do goleiro Castilho (Fluminense).
Era preciso mudar. No intervalo, a torcida que se lembrava das atuações de Pelé pelo combinado Vasco-Santos passou a gritar pelo nome do garoto. Pirillo estava nos vestiários e não ouviu. Mas tivera a mesma intuição. Para o segundo tempo, tirou o centroavante Del Vecchio (Santos) e mandou a campo o “pirralho”,de 17 anos. E não deu outra. Com um minuto, Pelé empatou o jogo. Moacir (Flamengo) lançou, Pelé recebeu o passe e, de pé direito, com uma cama impressionante para um garoto de 17 anos, colocou a bola à esquerda da “lenda argentina” Nestor Carrizo.
Reprodução de www.cbf.com.br 
Com Pelé, a seleção subiu de produção, mas ele sozinho não foi capaz de impedir que os argentinos vencessem, por 2 x 1, devido a um erro do goleiro Castilho (Fluminense), que errou numa reposição de bola, para o lateral-esquerdo Oreco (Corinthians). Surpreso, Bellini ficou parado.
De posse do “presente”, Labruna só fez repassá-lo a Juárez, que desempatou, aos 38 minutos: Argentina 2 x 1, numa tarde em que o maior cronista esportivo brasileiro da época, Nélson Rodrigues, nem citou Pelé em seu artigo sobre o jogo, na Manchete Esportiva
Três dias depois, no Pacaembu, em São Paulo, diante de 70 mil pagantes, Pelé faria a sua segunda partida e marcaria o seu segundo gol pela seleção brasileira, recebendo passe de Mazzola, que marcara o segundo da vitória, por 2 x 0, na segunda partida contra os argentinos, pela Copa Roca. Como o Brasil tivera melhor saldo de gols, Pelé começou a sua vida canarinha logo como campeão – há 50 anos.
FICHA TÉCNICA - - Data 7.09.1957; Brasil 1 x 2 Argentina; Local: Maracanã; Árbitro Erwin Hieger (Áustria); Público: 60 mil pagantes, Gols: Labruna e Juárez (Arg) e Pelé (Bra). Seleção Brasileira: Castilho; Paulinho de Almeida, Bellini e Jadir. Oreco e Zito (Urubatão), Maurinho, Luisinho, Mazzola (Moacir), Del Vecchio (Pelé) e Tite. Técnico: Sívlio Pirillo. Argentina: Carrizo; Pizarro, Vairo e Giansera; Néstor Rossi (Guid) e Urriolabetia; Corbatta, Herrera (Antonio), Juárez (Blanco), Labruna e Moyano. Técnico: Guillermo Satábile.
      OBS: ESTA MATÉRIA FOI FEITA POR ENTREVISTA COM PÉRSIO. 

3 - A PROPAGANDA NA COPA - TREINADOR

Até chegar a jogadores de selecionados brasileiros, a propaganda comercial demorou muito, no Brasil. Treinadores, nem se fala. 
O primeiro brindado com aquela graninha que não contava em sua conta bancária foi Mário Jorge Lobo Zagallo, o comandante do time que foi ao México, em 1970, e trouxe o que o marketing chamou de "tri", em alusão a três títulos mundiais - 1958 e 1962, antes.
Zagallo esteve nos Mundiais da Alemanha-1974, dos Estados Unidos-1994, como coordenador técnico, e da França-1998, voltando a ser comandante de equipe, quando ficou vice-campeão, somando quatro conquistas no currículo, sendo dois como atleta. Em 1974, ele anunciou televisores da Springer Admiral, o Solarcolor de 13 polegadas, para o torcedor brasileiro assistir a Copa, pela primeira vez, a cores, sistema que havia chegado por aqui desde 1972. Em 1998, ele voltou a vender televisores. Daquela vez, da Mitsubishi. 
 Após Zagallo, o próximo foi Telê Santana, que formou um maravilhoso esquadrão, em 1982, mas não chegou ao título, sendo eliminado pela Itália. Ele teve uma nova chance, em 1986, mas caiu fora, novamente, daquela vez em cobranças de pênaltis contra os franceses, durante a segunda Copa do Mundo promovida pelos mexicanos. 
 Em 1982, ele anunciou o material esportivo da Toppper, que atendia à Seleção Brasileira, e os filmes da Kodak. Em seu segundo Mundial, fez comerciais para o Banco do Etado de Minas Gerais-BEMGE e o televisor Mitsubishi.
Sebastião Lazaroni, em 1990, quando a Copa rolou por gramados italianos, foi o próximo, inaugurando os comerciais pela TV para a sua turma. Por sinal, uma propaganda bem humorada, para o carro Fiat Uno, gravado em Turim e com ele sendo abordado por um guarda de trânsito. 
 Campeão mundial, em 1994, Carlos Alberto Parreira, no entanto, só foi morder um comercial em 2006, quando tinha uma forte equipe, eliminada pela França. 
Ele anunciou o curso de inglês Wizard e o guaraná Antárctica, refrigerante que já havia recorrido ao treinador Luís Felipe Scolari, o Felipão, em 2002, quando o Brasil ficou "penta" no Mundial promovido, conjuntamente, por Coreia do Sul e Japão.
Felipão, por sinal, foi o treinador que mais faturou comerciais. De volta ao time canarinho, que dirigiu durante a Copa das Confederações-2013 e a Copa do Mundo-2014, anunciou, novamente, o guaraná Antárctica, além do concorrente  Brahma e peças publicitárias para Gillette (lâminas de barbear), Walmart (supermercado), Peugeot (automóvel), Sadia (alimentícios), Fast Shop (imobiliária ) e a telefônica Vivo, que requisitou os serviços, também, de Dunga, treinador da seleção do Mundial-2010, usado, também,m pela Brahma. 

Para este Mundial-2018, na Rússia, temos o técnico Tite anunciando televisores da Samsung, o Banco Itaú e o grupo medicinal Cimed.