Vasco

Vasco

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

HISTORI&LENDAS DA COLINA - BANGULEADA

1  - Vasco 4 X 0 Bangu, em 1921, foi o segundo amistoso da história desse confronto, iniciado em 15 de junho de 1919, quando os vascaínos ainda eram da Segunda Divisão. Rolou em um domingo, no estádio da Rua Figueira de Mello, comgols marcados por Torteroli, Nolasco, Dutra e Pires. O time vascaíno tinha: Nélson, Leitão, Pastor, Antenor, Claudionor, Eulálio, Cláudio, Pereira, Sebastião, Roberto e Anchyses.
2 - Em 14 de janeiro de 1940, disputou-se, em São Januário, o primeiro torneio internacional de clubes, no Brasl. Chamou-se Luiz Aranha, em homenagem ao presidente da então Confederação Brasileira de Desportos. Foram jogos de 20 minutos, com dois tempos de 10, até as semifinais, e de 30 minutos (duas etapas de 15), na final. Modelo idêntico ao dos "Torneios Inícios. O Vasco teve a concorrência de Flamengo, Botafogo e dos argentinos Independiente e San Lorenzo. No primeiro jogo, aos 3 minutos, Fantoni marcou o gol da vitória sobre o Independiente, por  1 x 0. Na final, encarou o San Lorenzo, empatou,  por 0 x 0, e foi à prorrogação. Em jogada de Orlando Rosa Pinto, no segundo tempo, surgiu umescanteio, que decidia as disputas. E a taça ficou na Colina. Era a primeira conquista de um clube brasileiro em uma competição internacional. Time: Nascimento, Jaú e Florindo; Figliola, Zarzur e Argemiro; Lindo, Fantoni, Villadoniga (Luna), Nino e Orlando. 
3 - Vasco da Gama 6 X 0 América-AM foi um amistoso, de 1955, em Manaus. Embora o “Expresso da Vitória” já tivesse saído dos trilhos, desde 1952, a “Turma da Colina” era forte e estava na entressafra para ser o campeão carioca em 1956. À beira da selva amazônica, as feras que morderam as redes chamavam-se Sabará (2), Parodi, Maneca e Válter Marciano.

POR ONDE ANDA A GATA DA COLINA?

Em 2017, uma linda torcedora aparecia muito na telinha de suas TV, exibindo coração vascaíno nas arquibancadas de São Januário. Tinha "20tinho" de vida.
 Como a galera ficava querendo saber quem era a bela "gata da Colina", o blog "O Sentimento Não Pára" descobriu que chamava-se Raíssa Bergiante e vinha sendo estudante de administração.
Tempinho depois, ela falou ao site www.netvasco.com.br, revelando ser residente no subúrbio carioca de Bangu. Considerava-se pessoa teimosa e não temia declarar-se "grossa com quem merece que eu seja".  Mais: "Não faço nada para agradar, só o que acho que é certo".
 Raissa se dizia vascaína desde quando estava na barriga da mãe que, mesmo barriguda, não perdia jogos vascaínos. Tinha Roberto Dinamite por  maior ídolo cruzmaltino, era grata aos fotógrafos e cinegrafistas que propagavam a sua beleza, mas acreditava que a torcidas feminina do Vasco da Gama tivesse outras meninas mais belas do que ela – impossível!

In 2017, a beautiful fan appeared on the big screen of his TV, displaying a Basque heart in the bleachers of San Juan. He had "twenty-one" of life.
 As the crowd wanted to know who the beautiful "cat in the Hill" was, the blog "Feeling Do not Stop" discovered that her name was Raíssa Bergiante and she had been a management student.
Soon after, she spoke to www.netvasco.com.br, revealing herself to be a resident in the suburb of Rio de Janeiro, considered herself a stubborn person and was not afraid to declare herself "coarse with who deserves me to be." More: "I do not do anything to please, just what I think is right".
  Raissa had said vascaína since when she was in the belly of her mother, who, even in her belly, did not lose Basque games. Roberto Dinamite had a bigger crossmaltino idol, was grateful to the photographers and cameramen who spread his beauty, but he believed that Vasco da Gama's female fans had other girls more beautiful than her - impossible !
  FOTOS REPRODUZIDAS DO BLOG TORCIDA230

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

VASCÃO PROCLAMADOR DE 'SACODES'

 A data 15 de novembro regista a maior "rasteira" da história do Brasil. O marechal Deodoro da Fonseca, cuja carreira militar tiver a proteção do Imperador Don Pedro II, tirou-o do trono, proclamou a República e deu-lhe 24 horas de prazo para sumir do país com toda a sua família.
 O castigo veio a cavalo - como nos quadros em que ele aparece proclamando a nova diretriz politica brasileira. Seu governo trouxe uma tremenda especulação financeira e inflação alta. Sob forte tensão política, o centralizador Deodoro livrou-se do que seria a primeira revolta armada da República renunciando ao cargo, em 23 de novembro de 1891. Tempinho depois, forte crise de apinéia fê-lo "passar desta para uma melhor", a presidência para Floriano Peixoto, que só não foi reeleito porque não quis continuar no carto.
De sua parte, o  Regatas Vaso da Gama tem vivido, absolutamente, sob regime presidencialista. Na Colina, o  "homem"  manda, e acabou. E assim  tem sido, também, no placar. O  15 de novembro marca sacanagens incríeis da "Turma da Colina" contra os seus desafiantes. Confira as "deodorescas":

VASCO 6 X 1 CARIOCA-RJ – Amistoso de 1931, com Russinho marcando três gols e Tinoco, Mário Mattos e Sant´Ánna completando o placar 

VASCO 4 X 0 PORTUGUESA SANTISTA –  Amistoso de 1935, em São Januário, com Luís de Caarvalho, Kuko, Itália e Zarzur batendo no filó.

VASCO 7 x 1 OLARIA - Campeonato Carioca-1937, em uma segunda-feira, no campo da Rua Cândido Silva, com gols de Lindo (2), Alfredo (2), Luna, Niginho e Feitiço. Enfeitiçaram o time da Rua Bariri: Joel, Poroto e Italia; Oscarino, Zarzur e Calocero; Lindo, Alfredo, Niginho (Raul), Feitiço e Luna.

VASCO 8 X 0 JABAQUARA – Segundo dos dois amistosos  já disputados pelos dois clubes. Friaça (3), Lelé (2), Ipojuan (2) e Isaías castigaram o desafiante, que caía, pela segunda vez, pelo mesmo número de gols. Em 7 de janeiro de 1945, amargara 8 x 1, em São Januário. 
OBS: na década-1960, Célio Taveira, penúltimo agachado neste time do "Jabuca", que não é do do jogo citado, foi o maior goleador vascaíno.

VASCO 4 x 1 CRUZEIRO - Amistoso de uma quinta-feira de 1956, no Estádio da Alameda, em Belo Horizonte.  Goleada por virada de placar. Pinga, aos 22, empatou. No segundo tempo, Laerte, aos 3; Artoff, aos 6, e Valmir, aos 8, fizeram o serviço. Serviçais: Carlos Alberto (Sivuca),  Paulinho de Almeida (Ortunho), Bellini (Haroldo), Orlando (Jophre), Laerte (Delci), Coronel (Cléver), Sabará (Valmir),  Livinho (Ceninho), Vavá (Artoff), Válter (Roberto Pinto) e Pinga (Lierte).   

VASCO 5 x 1 BRASIL BANDEIRANTE – Amistoso de 1957, na cidade paulista de Marília. O "Almirante" o registrou como a sua 1.709ª navegação de cabotagem.

VASCO 4 X 2 BOTAFOGO - A proclamação da república deu-se no Campo Aclamação, que virou Praça da República, no Rio de Janeiro de 1889. Longe do Maracanã, 70 anos depois da troca de nomes, a rapaziada proclamou esta goleada. Pinga (2) Sabará e Nílton Santos (contra) bateram na rede para eta turma: Miguel, Paulinho de Almeida, Russo, Bellini, Écio, Coronel, Sabará, Almir, Delém, Roberto Pinto e Pinga estavam lá. 


VASCO 5 X 0 CANTO DO RIO – Campeonato Carioca-1962 e goleada na casa do adversário, o estádio Caio Martins, em Niterói. Viladônega (2), Da Silva, Saulzinho e Lorico esticaram o placar para o time que teve: Ita (Humberto Torgado), Paulinho de Almeida, Brito, Barbosinha, Coronel, Maranhão, Lorico, Sabará, Villadoniga, Saulzinho e Da Silva.

VASCO 6 X 1 AVAÍ-SC - Amistoso de 1983, inaugural do Estádio Aderbal Ramos da Silva, mais conhecido por Ressacada, em Florianópolis-SC.  Vilson Taddei, aos 5 minutos, foi o primeiro a beijar o m"véu da noiva". E voltou a "beija-lo, aos 12.  Marcelo, aos 19, aos 40 e aos 45 do segundo tempo fechou a conta, que teve, ainda um gol por Dudu.  Moçada impiedosa:Roberto Costa; Edevaldo, Chagas, Nenê e Roberto Teixeira; Serginho, Oliveira (Geovani), Vílson Tadei e Ernâni (Dudu); Marcelo e Paulo Egídio (Júlio César). 

HISTORI&LENDAS DA COLINA - GENTIL

Treinador do time vascaíno campeão carioca-1952, Gentil Cardoso foi considerado um dos maiores responsáveis pelo título. Sua rapaziada já era vista em fim de linha, quando ele conseguiu a recuperação do seu futebol  e até devolver o goleiro Barbosa, os defensores Ely e Danilo (na época, jogadores de linha média), e os atacantes Ademir Menezes e Ipojucan à Seleção Brasileira que disputou o Campeonato Sul-Americano-1953.
Para a revista carioca “Esporte Ilustrado”, Gentil foi “o mago da ressurreição do famoso plantel vascaíno”. Na época, ele era o mais antigo dos treinadores brasileiros, vindo de 1929, quando treinou o Sírio-Libanês.
Gentil e Cyro reproduzidos da revista
carioca "Esporte Ilustrado"
 Gentil foi lembrado pela semanária como percussor do sistema tático WM no futebol destas plagas, criado na Inglaterra e que só passou a ser adotado no Brasil a partir de 1935. Em 1932, quando dirigia o time do Bonsucesso, já era criticado por usa-lo. Na época, nem pensar.
 Gentil Cardoso tinha diploma de técnico em Educação Física e em aviação, nesta última formado pela Escola de Aviação Naval do Rio de Janeiro. Era primeiro tenente da Força Aérea Brasileira e ganhou quatro condecorações. Também, foi chefe de máquinas da Marinha, com carta da Escola de Marinha Mercante do Rio de Janeiro.
  Quando Gentil Cardoso ajudou o Vasco da Gama a levar o caneco do Estadual-1952 para São Januário, o chamado “estado-maior” da Colina, isto é, os três principais diretores, eram o presidente Cyro Aranha e mais João Silva e Antônio Calçada.     

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

VASCO DA GAMA 1 X 1 ATLÉTICO-PR

O resultado levou o "Almirante"  para 39 pontos,devendo, na próxima rodada, no sábado, enfrentar o Corinthians, na casa do adversário. Assim como no jogo passado, quando o goleiro Martín Silva engoliu um superfrango, o mesmo infortúnio rolou hoje. O time vencia até os 48 minutos, quando levou o empate.
Rildo, com a bola, fotografado por Rafael Ribeiro, de www.vasco com.br
O gol vascaíno siau no segundo tempo. Aos 21 minutos, após cobrança de escanteio, a zaga do "Furacão" afastou  a bola. Na sobra, o ataque vascaíno recolocou-a na área corintiana. Andrés Ríos dominou e foi atropelado por Pablo. Pênalti que Thiago Galhardo cobrou, com categoria, para abrir o placar.
CONFIRA A FICHA TÉCNICA - 14.11.2018 (quarta-feira). VASCO 1 x 1 ATLÉTICO-PR. 34 rodada do Campeonato Brasileiro. Estádio: São Januário-RJ. Juiz: Leandro Pedro Vuaden-RS.  Gols: Thiago Galhardo, aos 21, e Léo Pereira, aos 49 min do 2 tempo. Renda: R$ 306.340,00. Público: 20.212 pagantes (20.917 total).  VASCO - Fernando Miguel; Raul, Henríquez, Leandro Castán e Ramon (Henrique); Willian Maranhão, Andrey e Thiago Galhardo; Kelvin (Desábato), Rildo (Giovanni Augusto) e Andrés Ríos. Técnico: Alberto Valentim. ATLÉTICO-PR - Santos; Jonathan (Marcinho), Léo Pereira, Thiago Heleno e Renan Lodi; Wellington, Lucho González (Bruno Guimarães) e Raphael Veiga; Nikão, Marcelo Cirino (Rony) e Pablo Técnico: Tiago Nunes.

TRAGÉDIAS DA COLINA - VILA INGRATA

1 - O Vasco foi à Vila Belmiro, encarar o Santos, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro-2003, no sábado 26 de julho. Aos 10 minutos do segundo tempo, os cruzmaltinos vibraram, tanto pelo gol marcado, por Marcelinho Carioca, quanto pelo sucesso do seu ex-zagueiro e ex-capitão Mauro Galvão, que atuava como treinador da rapaziada. Mas a alegria durou pouco mais de outros 10 minutos, quando André Luís deixou tudo igual, para Daniel virar o placar, passados mais 13 minutos. E o Vasco caiu, por 1 x 2, colocando a panela da Colina em ebulição, por conta de: Fábio; Wellington Monteiro, Wellington Paulo, Fabiano e Ozéia; Da Silva, Rodrigo Souto, Bruno Lazaroni (Morais) Beto 'Cachaça' (Léo Borges) e Marcelinho Carioca: Donizeter 'Pantera' (Ely Thadeu),      

2 - Era pra ter sido uma noite de sábado inteiramente festiva, aquele 11 de setembro. O Vasco da Gama reestreava um dos seus maiores ídolos desses tempos mais modernos, o meia Juninho Pernambucano, e recebia as faixas de campeão da Copa do Brasil-2011. Até os 44 minutos do segundo tempo, a galera comemorava uma vitória que parecia certa, sobre o catarinense Figueirense-SC, em São Januário. Foi quando Pittoni lançou Aloísio, que botou no filó. Fim de festa: 1 x 1, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro da Série A, e um dos maiores dissabores passados pelos vascaínos diante do “Figueira”, desde o primeiro pega, em 2 de dezembro de 1973, no Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, quando rolou 0 x 0 no placar

terça-feira, 13 de novembro de 2018

MUSA TRISTE DA COLINA - QUEDA

  Como as pessoas sorriem e choram por amor, a musa vascaína de hoje é uma musa triste. 
Sem identificação, ela foi fotografada por Marcelo Sadio, do site oficial do Vasco, após o  jogo em que o seu time foi derrubado à Série B do Brasileirão, em 08.12. 2013, na Arena Joinville, em Santa Catarina.
 Naquela tarde, os meninos levaram 1 x 5 do Atlético-PR. Coisas do futebol.  Na época, o Vasco tinha péssimos goleiros e o restante da equipe era de fazer chorar, mesmo!  

As people smile and weep for love, today's vascaína is a sad muse. Without identification, she was photographed by Marcelo Sadio,  from the official site of  Vasco, after the game in which the "Turma da Colina" was overthrown for the Second Division of the Brazilian championship, on December 8, 2013, at the Arena Joinville, in Santa Catarina.
That afternoon, the boys took 1 x 5 from Atletico-PR. Football stuff. At the time, Vasco had poor goalkeepers and the rest of the team was to make them cry!

TRAGÉDIAS DA COLINA - VEXAME 2008

Marcelo Sadio fotografou, para o site oficial do Club de Regatas Vasco da Gama- www.crvascodagama.com.br -,  o instante em que o atacante Edmílson comemorava o gol vascaíno da goleada, por 1 x 5, sofrida ante o Atlético-PR, em 8 de dezembro de 2013, resultado que rebaixou a rapaziada à Série B do Brasileirão da temporada seguinte. Segunda maior tragédia vascaína na competição, com a primeira tendo sido em 2008.  

Marcelo Sadio has photographed for the official website of the Vasco da Gama Regattas Club - www.crvascodagama.com.br -, the moment in which the striker Edmílson celebrated the goal of the 1-0 win over Vascaíno against Atletico-PR , On December 8, 2012, a result that lowered the boys to Serie B of Brasileirão the following season. The second largest Basque tragedy in the competition, with the first being in 2008.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

MUSA VASCAÍNA EM REPETECO - BIA

  Ela nos visitou, há poucos dias, mais precisamente no dia 8 deste 11. Mas os "kikenautas" elogiaram tanto a forma física dela que o jeito foi atiçar mais colírio nos olhos da moçadas, com a sua voltas triunfal a esta tela. Gloriosa Bianka Cabral, deslumbrante Bianka, reproduzida de www.vascoemfoco.  Ser só um colírio não basta. Bianka é, também, uma modelo muito inteligente e competente no seu trabalho. Ela foi eleita, com muita razão,  Musa do Vasco da Gama. Quando disputou a  honra, não teve pra ninguém. Valeu, Bia!  

HISTORI&LENDAS DA COLINA - VERDES

1 - O Vasco estava há nove jogos sem vencer o Palmeiras, levando-se em campo o Brasileirão unificado. Em 25 de setembro de 1988, acabou com a série, mandando 3 x 2, no  Morumbi, em São Paulo, com Roberto Dinamite, Vivinho e Ernâni fazendo o serviço. O jogo foi do primeiro turno daquele BR-88.

2 - Feito de um outro 25 de setembro: fechando o segundo turno do Estadual-1977, com time dirigido pelo "titio" Orlando Fantoni,  o "Almirante" sapecou  2 x 0 Fluminense – gols de Paulinho e de Edinho (contra) – no último jogo da etapa. Naquela temporada, havia 15 times se pegando em turno e returno, pelo formato todos conta todos. A rapaziada, porém, estava demais e papou tudo, somando 25 vitórias, quatro empates e apenas uma escorregada. Time campeão, sem contestação: Mazaropi; Orlando ‘Lelé’, Abel Braga, Geraldo e Marco Antônio; Zé Mário e Zanatta (Helinho); Wilsinho, Roberto Dinamite, Paulinho (Zandonaide) e Dirceu.

3 - Vasco 6 x 3 Santos foi a vitória vascaína com maior número de gols sobre o adveresário paulista, com o qual se pegava desde 1927, amistosamente. Aconteceu em 24 de setembro de 1953, na Rua Teixeira de Castro, no Rio de Janeiro, em uma quarta-feira.  Pinga (2), Djayr (2), Alvinho e Ademir Menezes (foto acima, ao lado de Ely e de Friaça) foram os “matadores” de “Peixe”.. 

domingo, 11 de novembro de 2018

VASCO 1 x 2 GRÊMIO-RS - TRAGEDAÇA

             Um incrível frango levado pelo grande goleiro Martín Silva, na última bola do jogo, derrubou o "Almirante", na tarde de hoje, em Porto Alegre. A decepção foi maior porque o time saiu na frente do placar, levou a virada e caiu duas posições, situando-se, agora, na 15ª colocação, com 38 pontos. 
 Isso significa que Sport-PE (37), Vitória (35), Américas-MG e Chapecoense-SC (34) estão na cola das rapaziada, que terá por próximo adversário o Atlético-PR,  na quarta-feira, em São Januário, a partir das 19h30
O tento vascaíno começou com um belo passe, de calcanhar, de Maxi López, da direita, par Thiago Galhardo, em contra-ataque. Este deslocou o goleiro gremista no chute finalizador do lance.
O vascaíno Andrey, fotografado por Rafael Ribeiro, de www,vasco.com.br,
combateu muito , pra nadas
CONFIRA A FICHA TÉCNICA - 11.11.2018 (domingo). VASCO 1 X 2 GRÊMIO-RS. Campeonato Brasileiro - 33ª rodada. Local: Arena Grêmio, em Porto Alegre-RS. Juiz: Raphael Claus-SP.. Público: 20.763 pagantes e 22.622 presentes. Renda: R$ 666.258,00. Gols: Thiago Galhardo, aos 15 e Jael,aos 19 min do 1° tempo; Matheus Henrique, aos 50 min do 2º tempo. VASCO: Martín Silva; Luiz Gustavo (Lucas Kal), Henríquez, Ricardo Graça e Ramon; Willian Maranhão, Andrey, Marrony (Rildo) e Thiago Galhardo (Raul); Yago Pikachu e Maxi López. Técnico: Alberto Valentim. GRÊMIO: Paulo Victor; Léo Moura (Marinho), Paulo Miranda, Pedro Geromel e Bruno Cortez; Michel, Maicon (Matheus Henrique), Cícero e Alisson (Jean Pyerre); Everton e Jael. Técnico: Renato Gaúcho.

139 - DOMINGO É DIA DE MULHER BONITA - AS YANOMAMI SÃO DISCRETAS NO 'WAMU'

                      Reproduzido de www.niceimgro.pv - agradecimento
Mulher bonita deve ter corpo forte e roliço. É assim que manda a cartilha das índias iyanomami. Elas se embelezam usando pequenos palitos de talo de capim seco, enfiados sob o lábio inferior, no qual há três orifícios abertos  quando chegam à puberdade. Para isso, um índio especialista no assunto usas o “ruhumasi”, estilete de ponta afiadíssima, de casca de inajá (palmeira).
 Quando fazem o “wámu” (sexo), elas são discretas, pudicas. Isso rola escondidinho, pelo meio da floresta. Se durante a noite, dentro da maloca, um assanhadinho tentar faturar a sua companheira, quem sacar, logo aumenta a fogueira para o ambiente ficar mais claro e empatar o lance. E todos começam a curtir com a cara do interrompido.
 As yanomami casam-se após a primeira menstruação. Os maridos são escolhidos por seus pais. Não se faz cerimônias. A mulher pega a sua rede e a leva para junto de onde dorme o marido. Isso, se o cara for de sua mesma aldeia. No caso de ser de outra, ele se muda para a “yaño” (casa) da família dela. Nunca ocorre um incesto. O parentesco é controlado para garantir a evolução genética do grupo.
 Anticoncepcional, também, faz parte das vida delas. Este é o “manacase”, uma batatinha, que é ralada, depois de seca, junto com mingau. Elas acham que ficam mais tesudas quando passam o “manacase” na “perseguida”.
 Só depois de 1.085 dias após o nascimento de um filho, elas concebem o próximo. Se o menino já estiver sabendo se virar. Amamentam as suas crianças durante 910 dias, para elas não terem problemas digestivos.
No cardápio delas, a pupunha, palmeira que produz entre abril e maio,  é como se fosse caviar. É degustada cozida, ou em calda, que sai de amasso do fruto e mistura com água. O desjejum matinal é à base de beiju, mingau de banana, frutas silvestres, banana assada e carne, caso tenha sobrado da caçada dos maridos no dia anterior.
No que diz respeito a problemas de saúde, para elas, isso é coisa mandada por espíritos maus, ou feitiçaria da parte de alguém  de outra aldeia. Para elas, o feiticeiro envia o feitiço na forma de fumaça.
 Se contraem algumas “merma”, seus maridos chamam os “xapuris” que, para atendê-las, pintam o corpo com urucu e carajiru. Mais: enfeitam-se com arixixina, araxina e horóma-ép, ficando bastante coloridos. As yanomami acreditam que os seus médicos possuem vários “hekurab” (espíritos) morando dentro deles. Razão de esperarem a cura dos males com muita crença.
Reprodução de www.canoncollege.
 Quando estão para dar a luz a uma criança, o momento do “kepari” (parto) para elas é tranquilo, pois sabem do exato dia que isso vai acontecer.  Nesse grandioso dia, elas vão para a floresta, sozinhas, e ficam de cócoras até a criança nascer.
Então, cortam o cordão umbilical  com um talo de inajá, limpam o rebento  com folhas encontradas ao redor volta e voltam para a maloca, para fazer a apresentação do filho a todos .
O resguardo de uma yanomami dura só três luas. Ficam em uma rede, perto do fogo, cozinhando ou tecendo. Passados os três dias, a mulher vai para o rio, se lavar e fazer o primeiro banho do filho. Uma semana depois, ela já está carregando lenha, levando a criança em uma “lainate” (tipóia).     
 Uma yanomami jamais informa o seu nome. Elas se tratam por apelidos, ou pelo parentesco – pai, mãe, filho, irmão, cunhado, tio. O nome pertence ao seu interior e tem o que elas chamam de “rixi”, isto é, a representação do espírito de um animal. Mas os seus “rixis” não são iguais aos dos homens. Cada sexo tem uma classe. Só quem pode menciona-los são os “xapuris”, os pajés.
 As yanomami acreditam haver três mundos: o dos vivos, o “yaño”; o do inconsciente, o “hekura” e o das sobras, o “hutumus”, onde estão os que partiram do “yaño”.  Mas este último não tem forma indesejável para elas, pois acreditam que por lá exista mulheres bonitas, alimentos abundantes e homens muito fortes. Todos são sombras, eternamente jovens, leves e felizes.

Festejo em Roraima, reproduzido de www.anarcocapitalismo - agradecimento
Uma das festas que as yanomami mais gostam é a “reahamu”, comemorando a colheita  da pupunha, e realizada, ainda, quando é época de muita banana e macaxera. Os maridos convidam amigos de outras tribos, que irão comer o que eles caçaram durante até 10 luas: carne de anta, macacos, queixada, porco do mato, caititu, veado, jabuti, aves, enfim, tudo o que conseguem matar, menos onça e gato, o que eles não comem.

 Com tudo isso lhes entregue, as yanomami preparam moquecas, cozidos,  assados, minguais de pupunha e banana, além de beiju, para a festa que dura de três a oito dias. Elas  hospedam os visitantes em suas malocas e trocam presentes. Quando eles vão embora, lhe presenteiam com  beiju em folha de bananeiras, carne de macaco cozida e pupunha, Os que vão partir colocam os presentes em seus ‘wu-a” (cestas), a colocam nas costas e voltam para as suas aldeias – as mulheres yanomami se dizem felizes onde vivem, se dando muito bem com o natural, o sol e a chuva.                         

sábado, 10 de novembro de 2018

ALMIRANTE QUERE NAVEGAÇÃO PERFEITA

1  -  A delegação vascaína viajou, ontem, para Porto Alegre, onde enfrentará o Grêmio, a partir das 17h. O treinador Alberto Valentim disse que uma boa apresentação defensiva é indispensável para a conquista de um resultado positivo. Também,quer organização e eficiência no ataque. Ele comentou:
- Eu diria que nós precisamos fazer uma partida quase perfeita. Na fase defensiva seremos um time muito aplicado. Iremos procurar qualificar nossa fase defensiva ao máximo, com maior atenção, entendendo bem as linhas de marcação. Quando baixarmos essa linha, precisaremos ter uma atenção muito grande no último terço do campo. O Grêmio é um time de muita qualidade e justamente por isso nossa fase defensiva tem que ser forte. Depois, dentro do que falei de atuação perfeita, precisamos aproveitar as oportunidades que surgirem - disse o técnico, fazendo mistério na sequência ao ser questionado sobre a escalação.
Mylena fotografada por Rafael Ribeiro,
de www.crvascodagama.com.br

2 - O Vasco vem fazendo bela campanha no Estadual feminino de futebol, Já são quatro vitórias e um empate, em cinco jogos. Hoje, a moçada encara o Brsileirinho/Corte, a partir das 16h, no Centro de Treinamento de Duque de Caxias, valendo pelas quartas de final. Um dos destaques do time é a atacante Mylena, que falou sobre a evolução do time:
 - Estamos crescendo, mudamos bastante de um tempo pra cá. Tenho certeza que iremos fazer uma ótima partida.
O ataque vascaíno é um dos mais positivos do Estadual e a defesa, também, das melhores.
Além da busca pelo título coletivo, Mylena  briga, ainda,  por premiação. individual, a artilharia. Com sete gols marcados, em cinco jogos, ela está apenas um atrás da flamenguista Larissa. 

O VENENO DO ESCORPIÃO - HISTORIETAS DE UM PAÍS DE PLANETA MUITO DISTANTE

                 PRA QUEM NÃO TEM O QUE FAZER NESTE SABADÃO
1 - Vixe, Maria! “Deu na rádia” que cientistas estão dizendo que o  ritmo de aquecimento global pode acarretar falta de cerveja no planeta. A notícia saiu, “premêro” na revista “Nature Plants, contando que  as constantes secas e ondas de calor, bem como o “esquenta Terra”, provocado pelo homem, reduzirão bastante as safras de cevada, principal ingrediente da “cerva”. Principalmente, se os níveis de emissão de carbono continuarem como estão hoje.
Loira estupidamente gelada -  reproduzida de notibras.com
A perda de produtividade nas colheitas de cevada pode chegar a 17%, o que deve fazer o preço da cerveja dobrar ou até mesmo triplicar em alguns lugares do mundo. O alarme é de cientistas das universidade da Califórnia-EUA e de Pequim-CHI, além da Academia Chinesa de Ciências Agrícolas; do Centro Internacional Mexicano para Melhorias do Milho e do Trigo e, anda, da Universidade de East Anglia-ING.

2 – Quando era presidente do Brasil, o marechal Castelo Branco foi convidado pelo deputado Teódulo de Albuquerque para almoçar em sua casa, prometendo-lhe um cardápio com carne-de-sol e pirão-de-leite. Claro que nenhum cearense dispensaria. De quebra,  Castelo pediu um adendo no cardápio: rapadura na sobremesa.

3 – O Cruzeiro Esporte Clube queria formar uma charanga da pesada, pra ensurdecer o Mineirão. E arrumou os músicos. Mas, ao saber que não haveria nenhum tostão no lance, a rapaziada respondeu: “ De graça, a gente só toca pro ‘Atrético’, o maior rival dos cruzeirenses.
Reprodução da capa do livro
"Anjos e demônios, você acredita?",  de Giauana Camily

4 – O deputado Seme Scaff, que era pastor protestante, respondeu assim a um repórter sobre a diferença entre um templo cristão e a Assembleia Legislativa do Paraná: “Antes, eu era da Assembleia de Deus. Agora, integro a Assembleia do Diabo”. Ele ficara impressionado com as articulações nos bastidores.

5 – Perto da entrada em vigor da constituição outorgada pelos militares ao Brasil,  pela década-1960, a Assembleia Legislativa de Santa Catarina aprovou emenda para eleição indireta de vice-governador estadual, reduziu, de 35 para 25, a idade mínima do ocupante do cargo. E elegeu o então garotão Jorge Bornhausen, filho do senador  Irineu Bornhausen, do partido que apoiava o governo da ARENA-Aliança Renovadora Nacional. Antes, valia a eleição direta.

6 -  O presidente Emílio Garrrastazu Medici, quando era chefe do SNI-Serviço Nacional de Informações, não usava a farda de general há um bom tempo. Um dia, usou-a, para participar de reunião do alo comando do Exército. Ao vê-lo daquele jeito, a turma do Gabinete Militar da Presidência da República brincou com ele, dizendo:
- Chefe! O senhor ficava melhor em verde-oliva.
- General quando veste a farda manda dizer que está de folga – respondeu.

7 – O embaixador do Brasil ns Filipinas, Octávio Maiolers, resolveu dar uma puxada de saco no presidente Costa e Silva e mandou-lhe, de presente, uma luxuosa caixa de charutos. O chefe agradeceu, mas mandou avisa-lo de que deixara de fumar há mais de três décadas.

Reprodução de ru.pngtree.com

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

A BELÍSSIMA MUSA VASCÍNA - JAM

Esta é a modelo Jamila Sandoro, em foto reproduzida de www.netvasco.com.br. A bela i inteligente torcedora vascaína é campeã de aparecimentos aqui no "Kike", que sempre encontras belíssimas fotos em seu facebook. Jamila, além de trabalhar como modelo, vem atuando, também, como lutadora e vencendo as suas adversárias com categoria. Uma vascaína Nota 10!
This is the Jamila Sandoro model, reproduced photo of www.netvasco.com.br. The beautiful and intelligent Basque twist is a champion of appearances here in "Kike", which you always find gorgeous photos on your facebook. Jamila, in addition to working as a model, we also act as a fighter and overcome their opponents as a category. Uma vascaína Note 10!

CORREIO DA COLINA - VASCO MATINAL

“Certa vez, o “Kike” publicou que o Vasco havia disputado a sua primeira partida pela manhã, durante um Campeonato Brasileiro, naquele 1 x 1 com o Avaí-SC, na casa do adversário, pela Série B-2016, confere? Gostaria de saber se já jogamos neste mesmo horário, pelo Campeonato Carioca, pois só ouço notícias de jogos (vascaínos) à tarde e à noite”. Raimundinho Maranhão, da SQS 406, Brasília-DF.
Seguinte, cara: o “Kike” pesquisou por todas as suas súmulas e  encontrou um jogo vascaíno matinal no “Maraca”. Achou uma goleada, sobre o Bangu, por 5 x 0, durante a manhã de 10 de maio de 1953, pelo Torneio Rio-São Paulo.
Aquele foi o quinto prélio da rapaziada pela competição, com 3 x 0 no primeiro tempo, e gols marcados por  Genuíno (2), Maneca, Sabará e Chico. O apito foi de Mário Vianna e a renda de Cr$ 300 mil, 420 cruzeiros. O placar valeu à rapaziada sair da rodada na liderança, com oit pontos ganhos e dois perdidos, em cinco  jogos, com três vitórias e dois empates, tendo marcado nove e levdo dois gols.
Time do dia: Moacir Barbos, Augusto da Costas e Haroldo (Bellini); Mirim (Alfredo dos Santos), Danilo Alvim (Adésio) e Jorge Sacramento; Sabará, Maneca, Genuíno, Ipojucan e Chico. O Bangu era: Jorge, Djalma e Zé Carlos (Salvador); Lito (Zózimo), Alaine e Edson; Miguel, Décio, Xavier, Menezes e Nívio (Russo).  VALEU?      

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

A MUSA DO DIA DA COLINA - BIANCA

 O passeio matinal do Kike pela "The Net" viu, hoje, a deslumbrante Bianka, postada por www.vascoemfoco. Um colírio, presentaço para as vistas da rapaziada. Ser só um colírio não basta. Bianka é, também, uma modelo muito inteligente e competente no seu trabalho. Ela foi eleita, com muita razão,  Musa do Vasco da Gama. Quando disputou a  honra, não teve pra ninguém. Valeu, Bia! 

HISTORI&LENDAS DA COLINA - 'CAPITA'


1 - Augusto da Costa foi lateral-direito vascaíno e capitão da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1950. Jogador da "Turma da Colina", entre 1945 e 1954, era um carioca, nascido em 22 de outubro de 1922. Em 20 jogos pelo time da então Confederação Brasileira de Desportos, obteve 14 vitórias, três empates e três derrotas. Campeão da Copa Rio Branco-1947 e do Campeonato Sul-Americano-1949, marcou um gol nessa sua "história selecional".
XERIFE NA DEFESA vascaína e policial na vida privada, mandava no seu time e no adversário. Mas não prendia a bola.

2 - Alfredo Eduardo Ribeiro Mena Barreto de Freitas Noronha: nascido em Porto Alegre-RS, em 25 de setembro de 1918. Vascaíno em 1942, trocou o Vasco, pelo São Paulo, e por aquele clube disputou a Copa do Mundo de 1950. Além dos 2 x 2 com a Iugoslávia, naquele Mundial, fez mais 15 outros jogos pela Seleção Brasileira, com 12 vitórias, 3 empates e 2 derrotas. Campeão das Copas Rio Branco-1947 e 1950, e do Campeonato Sul-Americano-1949.
NOME POMPOSO no tempo em que atleta de futebol era cidadão de segunda classe

3 - Em 31 de março de 1928, o Vasco enfrentou o uruguaio Montevidéu Wanderers, para inaugurar as arquibancadas atrás de uma das balizas e os refletores do seu estádio. Venceu, por 1 x 0, com um gol olímpico de Sant'Anna, no segundo tempo. Torcedores fanáticos dizem que foi o primeiro do mundo, naquela situação. Lenda! Pode ter sido o primeiro do Brasil, pois em 2 de outubro de 1924, em Argentina 2 x 1 Uruguai, o "hermano" Onzari já havia marcado o gol batizado por“ olímpico” – um sarro nos uruguaios que, em junho, haviam voltado da França com a medalha de ouro dos Jogos Olímpicos.

4 - Os vascaínos fanáticos dizem, também, que Vasco 1 x 0 Wanderers foi o primeiro jogo sob luz artificial no país. Outra lenda. A primazia é do Villa Izabel, que, em 1914, disputado dois jogos à noite, iluminados por faróis de bondes estacionados ao lado do muro de seu campo, no Jardim Zoológico do Rio de Janeiro. Mais: os gaúchos das cidade de Pelotas, em 25 de dezembro de 1915, promoveram um amistoso noturno, entre União x Brasil.

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

A MUSA CRUZMALTINA E A BOLA

Em seus primeiros tempos, a bola não era totalmente redonda. Hoje, oficialmente, ela tem circunferência de 0,71 a 0,68cm e pesa 396 gramas, segundo a regra II da Internacional Board.
 A bola já era conhecida por chineses, egípcios e babilônios, séculos antes de Cristo. Ela era um símbolo sagrado para espantar os maus espíritos. 
Mais tarde, abola passou a ser instrumento de lazer de nobres e militares. Os romanos utilizavam uma bexiga de boi inflada de ar. Os haitianos e os aztecas usavam bolas de borracha. No Chile, os índios araucanos fabricavam as deles com resinas.
O mesmo ocorria na Patagônia. A primeira bola de couro teria surgido na inglesa Chester, feita por um sapateiro para comemorar a Shrovetide, espécie de terça-feira de carnaval.
No Brasil, tudo indica que chegou via marinheiros ingleses do navio Crimeia, em 1872. Eles teriam jogado uma pelada perto da casa da princesa Isabel. Em São Paulo, conta-se que um tal de Mister Huyg levou uma bola de couro para operários ingleses da SP Railway, e Jundiaí. Oficialmente, quem manda na história é Charles Miller, em 1894. (Foto divulgação da modelo Marcela Schettine, reproduzido de www.musasfc.blogspot.com). Agradecimento.

TRAGÉDIAS DA COLINA - PATÉTICA

Em 1942, quando ainda escrevia “football” a edição de Nº 233 da revista semanal carioca “Esporte Ilustrado” publicou a foto que você vê  e contou no texto da matéria  que América, Botafogo, Flamengo e Fluminense sonhavam levar Lelé, Isaías e Jair, os atros do Madureira. Acrescenta que, em 1939, eles estiveram “com um pé em São Januário; em 40, quase tornaram-se tricolores, e, em  1941, quase rubro-negros e quase alvinegros. Não mudaram de camisa devido desacertos financeiros entre cartolas".
 Ainda bem que o trio que ficou conhecido por “Os Três Patetas” - brincadeira alusiva a três feras do cinema norte-americano - trocou o “Tricolor Suburbano” pela Colina.
 Segundo comentou-se, na época, por pressões do presidente da Repúblcia, Getúlio Vargas, que teria dado uma prensa no bicheiro que comandava o “Madura”.
  Se foi verdade, a torcida cruzmaltina deveria ter agradecido, e muito, ao “home”,  pois os três rapazes eram um terror para qualquer defesa. Mas, quais motivos teria Getúlio para ajudar à “Turma da Colina”?
 Pois bem!  O glorioso gaúcho fizera a Revolução de 1930, que derrubara o presidente Washington Luís, tendo por um dos parceiros de lutas Oswaldo Aranha, irmão de Cyro Aranha, que foi presidente cruzmaltino. Tempos depois, o sobrinho preferido dele, Vargas Neto, o aproximou da moçada de São Januário, e o restante da história é muito conhecida, pois sim? Pois é! Getúlio usou bastante a casa vascaína para fazer a propaganda do seu governo e comparecia até em feste junina da rapaziada. Era um líder populista.
Uma das grandes “Tragédias da Colina” foi provocada, por sinal, pelo Madureira dos “Três Patetas”, mandando uma impiedosa goleada sobre o Vasco da Gama, há 76 temporadas, com quatro gols de Isaías, que deixou parentesco com o meia Léo Lima, aquele que fez um passe de letra, para Souza marcar um gol contra o Fluminense, lembra-se? .
Durante aquele estrago, o Vasco levou 0 x 2 no primeiro tempo. Anote: 14 .04.1942. Vasco 1 x 5 Madureira. Estádio: da Rua Campos Sales. Juiz: Mário Vianna. Público: não divulgado. Renda: 23.310$100 contos de reis, a moeda que vigorava, até Getúlio Vargas trocá-la pelo cruzeiro. Gols: Isaías (4), Waldemar e Ruy (Vsc). Os dois times atuavam assim: VASCO DA GAMA:  Wálter, Florindo e Oswaldo; Figliola, Noronha e Argemiro; Alfredo, Ademir Menezes, Villadoniga, Ruy e Orlando. MADUREIRA:  Alfredo, Jahu e Rubens;  Octacílio, Odilon  e Esteves; Jorge, Waldemar, Isaías, Jair e Murilo.    

COMENTÁRIO DO KIKE: Naquele Estadual, o Vasco perdeu para mais dois “pequenos”, vexaminosamente: 0 x 4 São Cristóvão e 2 x 3 Bonsucesso. De sua parte, o Madureira e Isaías, no dia 10 de maio, aprontaram mais um feito impressionante: o atacante marcou três gols e o clube foi  aos 6 x 6 Bonsucesso, no maior placar dos empates da história do Campeonato Carioca.  Valeu? 

terça-feira, 6 de novembro de 2018

A MUSA DO DIA DA COLINA - SUPERJUJU

 - 1 - Juliana Góes foi uma das musas vascaínas durante os concursos promovidos pelo Globo Esporte, da TV Globo. Nascida na bela cidade paulistas de Santos, ela acompanha o time da Colina desde 2006. Ju trabalha como modelo comercial e é jornalista, inteligente e de uma morenice que encanta os gringos. Uma vascainíssima lindíssima. Confere?

Juliana Goes was one of vascaínas muses during competitions sponsored by Globo EsporteTV GloboBorn in the beautiful city of São Paulo Santos, she accompanies the team since 2006 Juliana Hill works as a business model and is a journalista morenice intelligent and charming the gringosA beautiful vascainissimaGives?

2 - O Kike viu a modelo Juliana Goes em www.flogao.com.br e o agradece pela reprodução da foto, afinal o que é belo é para ser admirado pela galera cruzmaltina, principalmente as morenaças nota 10, brasileiríssimas. Valeu!

This is the beautiful, beautiful, goddess Juliana, that the "Kike" saw at dawn today at www.vascoamoreterno.com.br     She has an eternal love for the Vasco das Gama Regattas Club, as a smart and tasteful woman who is, and the Vasco fancies devote all their admiration to her, a competent and very hardworking model.       The glorious Juju has already appeared here on other occasions and is always welcome. After all, beautiful woman has all rights

3 - Já esta foto abaixo da belíssima deusa Juliana fo vista ao raiar do dia de hoje no www.vascoamoreterno.com.br  Juju tem amor eterno ao Club de Regatas Vasco das Gama, como mulher inteligente e de bom gosto que é. E a torcida vascaína devota toda a sua admiração a ela, modelo competente e muito trabalhadora. A gloriosa Juju já apareceu por aqui em outras oportunidades e é sempre bem vinda. Afinal, mulher bonita tem todos os direitos.

This is the beautiful, beautiful, goddess Juliana, that the "Kike" saw at dawn today at www.vascoamoreterno.com.br     She has an eternal love for the Vasco das Gama Regatas Club, as a smart and tasteful woman who is, and the Vasco fancies devote all their admiration to her, a competent and very hardworking model.       The glorious Juju has already appeared here on other occasions and is always welcome. After all, beautiful woman has all rights

HISTORI&LENDAS DA COLINA - RIVALAÇOS

A rivalidade entre Vasco e Flamengo é tão grande, que os dois estão empatados até no "campeonato de sacanagem". Não conhece esta, vasconauta? O seguinte é o seguinte: em 25 de novembro de 1934, os dois deveriam se pegar, pelo Torneio Extra de Profissionais, promovido pela Liga Carioca de Futebol. Só que os vascaínos andavam muito "pê da vida" com os rubro-negros, por causa de uma briga em uma disputa no remo. E arrumaram uma encrenca inédito no futebol mundial. O Vasco, que tem sede, treina e manda os seus jogos em São Januário, não compareceu à sua própria casa, para encarar o Flamengo, que estava lá. Levou W x O, sem discussão. Mas não deixou nada no barato. Mandou a Liga pro "país que pudesse" e aderiu à Federação Metropolitana de Desportos – Flamengo WO 1 x 0 Vasco.
Já que havia anotado no caderninho um não comparecimento ao gramado, diante do seu maior rival, o Vasco partiu para a segunda "sacanagem explícita" contra quem marcou a partida. Daquela vez, no entanto – 14 de agosto de 1952 –,  o Flamengo, também, não apareceu. Como os dois clubes não viam influencia nenhuma na classificação do Torneio Rio-São Paulo, não se interessaram pela disputa da Taça Armando Arruda Pereira, incluída na terceira rodada do Torneio Rio-São Paulo – WO para os dois, ou Fla 1 WO x 2 Vasco.
Veio 1998. O Vasco comemorava o seu centenário. Campeão brasileiro na temporada anterior, tinha o time a ser batido. Como, no primeiro semestre, teria compromissos pela Taça Libertadores, Copa do Brasil e o Estadual-RJ, os rivais Flamengo, Fluminense e Botafogo esperavam vê-lo caindo pelas tabelas, de cansaço. Para se defender contra a fadiga, o Vasco conseguia remarcar os seus jogos, do Estadual, junto à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro.
Injuriados, os três concorrentes partiram para o boicote, em revide às remarcações vascaínas. Primeiramente, o Botafogo não deu as caras, no Maracanã, em 10 de maio, levando W x O. Três dias depois, a dupla Fla-Flu fez o mesmo, no clássico marcado para Moça Bonita. No dia 14, beneficiado pelos pontos perdidos pelos dois rivais, o Vasco venceu o Bangu, no mesmo estádio, e  garantiu o titulo estadual do RJ, por antecipação. Pra completar as sacanagens, no domingo, 18 de maio, o Flamengo não pintou, no Maracanã, para não colocar-lhe as faixas de campeão nos vascaínos. E levou W x O. E ficou tudo igual – Vasco WO 2 x 2 Flamengo. 

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

FERAS DA COLINA - O ESTONTEANTE PINGA

Pinga (D) custou ao Vasco, em 1953, Cr$ 1,3 milhão (de cruzeiros) e marcou 250 gols, em 466 jogos, com a jaqueta cruzmaltina. 
Cidadão paulistano, do bairro da Mooca, Pinga ajudou o “Almirante” a conquistar o Torneio Octogonal Rivadavia Correia Meyer, marcando os dois gols da final (2 x1) contra o São Paulo, no Maracanã, além do título carioca de 1956, o Torneio Início e do SuperSuper-1958, bem como o Torneio Torneio Rio-São Paulo, do mesmo 58. 
 Antes disso, em 1954, fora um dos convocados para a Seleção Brasileira da Copa do Mundo, na Suiça. Não trouxe o caneco, mas continuou com moral junto à torcida cruzmaltina. 
Dois anos depois, o treinador Martim Francisco aboliu a sua função de ponta-de-lança e o transformou em ponta-esquerda. Deu certo. Nos anos seguintes, foi importante na conquista, na Europa, de duas das mais destacadas taça trazidas do exterior, os troféus do Torneio de Paris e Teresa Herrera, este disputado na Espanha, ambos em 1957.  

2 - José Lázaro Robles era o verdadeiro nome do atacante Pinga, nascido em 11 de fevereiro de 1924, em São Paulo. Viveu até 7 de maio de 1996 e foi vascaíno entre 1953 a 1962. Antes, passara por Juventus-SP (1943/1944) e, depois, em 1962/1964), e Portuguesa de Desportos-SP (1945/1952).
 Pela Seleção Brasileira, fez dois jogos da Copa do Mundo-1954, com uma vitória e um empate, marcando dois gols. No total, foram 19 jogos, 13 vitórias, 3 empates, 3 derrotas e 10 gols marcados. 
Desses gols, 17 foram contra seleções nacionais – 11 vitórias, 3 empates, 3 derrotas e os 10 tentos. Diante de clubes/combinados, dois triunfos, em dois compromissos. Colecionou os títulos do Campeonato Pan-Americano-1952 e da Taça Oswaldo Cruz-1950/1955. (Foto do arquivo de Zé Dias)

Contam os antigos que Pinga deixava os rivais tontos e beijava o "véu da noiva".



KIKE BALL, GIRLS AND VASCO DA GAMA

Antes de saber com quem você se comunica, vale ressaltar que as torcedoras cuzmaltinas são as mais lindas do planeta. Confira nas fotos.
Before you know with whom you are communicating is worth mentioning that cuzmaltinas cheerleaders are the most lndas woman on this planet. 
Check out the photos reproduced by www. netvasco.com.br and www. esporte.uol.com.brAgradecimentos.
This is a blog dedicated to the research of the history of Club de Regatas Vasco da Gama, founded in Rio de Janeiro , Brazil, on august 21, 1898, four young practicing rowing - Henrique Ferreira Monteiro, Luís Antônio Rodrigues, José Alexandre D' Avelar Rodrigues and Manuel Teixeira de Sousa Júnior - in honor of the portuguese explorer discoverer of the sea route to India. 
Until 1915, Vasco da Gama only competed in rowing. From the following year when he joined the football, it became one of the most admired clubs in the country, for its stance against social injustice.
 Currently has one of the largest Brazilian twisted. Nacional champion on four occasions, the Vasco team also has conquered continentel title on two other occasions, and various international . 

domingo, 4 de novembro de 2018

DOMINGO É DIA DE MULHER BONITA - AS BELAS DAMAS DAS CHARGES ESPORTIVAS

Manchete Esportiva
 As mais antigas revistas esportivas brasileiras, a partir dos inícios do século 20, já usavam a mulheres estrelando as suas charges. Esta, também chamada por cartum, é um desenho humorístico, normalmente, divulgado por jornais e revistas.
 Pela segunda metade do século 20, as mulheres foram muito lembradas nas páginas esportivas cariocas “Manchete Esportiva e “Revista do Esporte”, e da paulistana “Gazeta Esportiva”. 
Elas aparecem, sempre, em “causos” alegres, engraçados, mas, as vezes, em situações em que são “sexyzadas”, como mostram aqui dois traços de Fritz. Ele insinua ter o atacante trocado a cobrança do escanteio pela admiração das pernas da torcedora na arquibancada. A bola ficava lá no “corner”, esquecida, coberta por teias de aranha. Situação parecida ocorre com a mocinha que assiste luta de boxe.
Em um outro desenho, Fritz insinua que mulher de biquini na praia é capaz de fazer nadadores baterem recordes,  para chegarem o mais rápido possível onde elas mostram as suas estampas.
Em 1955, quando o torcedor ainda chorava mais uma escorregada do escrete brasileiro em uma Copa do Mundo, ninguém apostava que o time de 1958 pudesse criar uma nova história para a bola canarinha. 
No entanto, as a turma de Gilmar, Djalma Santos, Bellini, Orlando, Zito, Nílton Santos, Garrincha, Didi, Vavá, Pelé, Zagallo, Joel Martins, Dino Sani, Dida e Mazzola criou.
Revista do Esporte
Por aquela época, o Brasil contava cerca de 65 milhões de almas, das quais só 3% delas - dois milhões - tinham o privilégio de assistir lances dos gols marcados na Suécia, via telejornais cinematográficos e TV, uma semana depois do acontecido. A rapaziada que se virasse com a imaginação propulsionada pela narração dos  “speakers” esportivos das emissoras de rádio.
 Como o torcedor só contava com uma revista de circulação nacional, a “Manchete Esportiva” - do empresário Adolpho Bloch - o humor que viajava longe para divertir o desportista saía do traço de Fritz, abordando as mais diversas modalidades.
 A Copa do Mundo-1958 rendeu bons momentos a Fritz. Por sinal, à época da viagem da rapaziada, ele produziu uma charge em que era obrigado a embarcar no avião que levaria os nossos atletas ao Mundial. Riscava o retrato do descrédito da moçada, devido aos tropeços de 1950 e de 1954.
Gazeta Esportiva
 Pela “RevEsp”, as meninas ganharam muito espaço pelas penas traços de José Cunha Filho e de Jorge Bandão, aqui à sua lateral-direita. 
Eles ilustravam muitas notinhas com elas fazendo a galera sorrir. E quando surgiam chances, as sexyzavam, como no caso aqui mostrado e alusivo a uma miss.
De sua parte, a “GazEsp” trazia belas charges delas, principalmente, pelo risco de Domingo Pace, à sua lateral-esquerda. Veja esta, da de belíssimo mostruário, a dona da bola, esfumaçando o ambiente por um charuto, como era hábito dos cartolas de antigamente. Deixa as vistas tomando conta da situação no gramado.
Manchete Esportiva
Domingo Pace foi ilustrador da “GazEsp” e muito popular, também, graças aos desenhos satíricos publicados pelo jornal paulistano “Notícias Populares”.
 Ele publicou trabalhos, também, pela “Editora Noblet” e chegou a lançar uma revista própria, desfilando várias de suas criações. Entre elas, “Super”, um cracaço de futebol que dava o nome à revista.
Mulheres estrelaram e estrelam charges esportivas, mas não as desenham.
 Na verdade, este é um segmento bastante machista na imprensa brasileira. Sobretudo, em charges políticas.
 Muitos afirmam que elas não se interessam pelo tema, mas colegas homens de redações sabem que traçam situações com a mesma qualidade deles. Falta-lhes, seguramente, prestígio e visibilidade.
Entre as que exibem a sua opinião por charges políticas temos, entre outras, Thaïs Gualberto, Aline Zouvi, Carolina Ito.