Vasco

Vasco

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

HISTORI & LENDAS DA COLINA - JAQUETA

- De início, o Vasco usava uma camisa totalmente preta, com gola e punhos brancos,  e a Cruz de Cristo no peito esquerdo. Conta-se que a camisa branca teria sido sugestão do treinador uruguaio Ondino Viera – trabalhou em São Januária entre 1942 e 1946 –, por achar a cor mais adequada ao verão carioca e aos jogos noturnos. Acrescenta a lenda que  imitaria a faixa diagonal do “hermano” River Plate, onde Ondino estivera e fora bicampeão argentino, entre 1936/37. Mas descarte isso, pois o remadores cuzmaltinos já a usavam antes de o River ser criado, em 1901.

2 - A camisa branca com a faixa diagonal preta foi usada pela primeira vez em 16 de janeiro de 1938, em Vasco 4 x 1 Bonsucesso em São Januário, pelo Campeonato Carioca ainda de 1937, com gols de Niginho (2). Lindo  e Luna, com o time formando assim: Rei, Poroto e Zé Luiz (Itália); Rafa, Zarzur e Calocero; Lindo, Alfredo I, Niginho, Feitiço e Luna.
 
3 - Depois da estreia, a camisa branca foi esquecida e só voltou a campo em 22 de março de 1942, em Vasco 2 x 1 América, com gols de Villadoniga, pelo Troféu da Paz, oferecido pela loja "O Camizeiro", finalizando melhor-de-três sido iniciada em 1937. Ondino ainda não era o treinador e o time vascaíno teve: Walter, Florindo e Osvaldo; Figliola, Zarzur e Dacunto; Alfredo II, Ademir Menezes, Massinha, Villadoniga e Manuel Rocha. Na época, Ondino Viera ainda não era o técnico do Vasco.
 
4 - Passado aquele jogo, a camiSa branca só reapareceu em 28 de março de 1943, durante Torneio Início, no Estádio das Laranjeiras, em Vasco 0 x 1 Fluminense, na semifinal, após os vascaínos eliminarem Bangu e Flamengo. O time foi: Roberto, Haroldo e Osvaldo; Figliola, Octacílio e Argemiro; Baptista, Lelé, Isaías, Jair Rosa Pinto e Chico. A partir dali, a jaqueta branca passou a ser usada com frequência. Mais de dois meses depois, foi a vez de entrar em ação a camisa preta com a faixa em diagonal branca, aposentando-se a camisa totalmente negra.
 
5 - A faixa em diagonal já existia na jaqueta dos remadores vascaínos, desde quando o clube entrou na modalidade, como muitas fotos comprovam. Se é verdade que o treinador uruguaio queria ver o Vasco vestido igual ao argentino River Plate, vale ressaltar que este existe desde 1901. Portanto, posterior ao Vasco. O certo mesmo foi quer o Ondino levou para São Januário uma das melhores contribuições à história do clube.

6 - A rapaziada andava borocochô, há nove temporadas sem carregar o caneco para a Colina. Então, foi buscar o Ondino e o lateral-direito Augusto, no São Cristóvão; o xerifão  Ely do Amparo, no Canto do Rio; o então médio Danilo Alvim, no América; o "matador" Ademir Menezes, no Sport Recife, e o trio Lelé, Isaías e Jair Rosa Pinto, no Madureira. Colocando a rapaziada ao comando do uruguaio, ele armou um dos melhores times da história do futebol brasileiro, contando, na primeira geração, com esta base: Rodrigues, Augusto e Rafagnelli; Berascochea, Ely e Argemiro; Djalma, Ademir, Lelé. Isaías (Jair) e Chico.
 
7 - Enquanto esteve nos trilhos, o time que foi chamado de "Expresso da Vitória" foi campeão carioca em: 1949/50/52; dos Torneios Início de 1945/48; do Torneio Relâmpago de 1946; dos Torneios Municipal de 1945/46/47 e do Sul-Americano de Clubes Campeões-1948.  Ondino não esteve nas últimas conquistas, a partir de 1947. Achou que já tinha cumprido a sua tarefa e entregou o trabalho a Flávio Costa. Nas últimas viagens do "comboio", em 1952, o comandante já era Gentil Cardoso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário