Vasco

Vasco

segunda-feira, 8 de maio de 2017

QUAL O MELHOR VASCO? CANDIDATO-1948

O Vasco da Gama-1948 é, praticamente, a máquina que começou a ser montada, em 1945, pelo treinador uruguaio Ondino Viera, que colocou nos trilhos o “Expresso da Vitória”. Basta conferir quem estava no grupo naquelas quatro temporadas:   
1945 - Barcheta, Barbosa, Augusto, Rafagnelli , Ely ; Djalma, Ademir Menezes, Lelé  e Chico; 1946 - Barbosa, Augusto, Rafagnelli, Ely , Danilo, Jorge; Djalma, Lelé,   Chico  e Friaca; 1947 -   Barbosa, Augusto e Rafanelli, Wilson, Ely, Danilo, Jorge, Djalma, Maneca,  Dimas, Friaça, Lelé, Ismael e Chico; 1948 - Barbosa, Augusto, Wilson, Rafagnelli, Ely, Danilo, Jorge, Djalma, Maneca, Lelé, Friaça Dimas, Ademir Ismael e Chico.  
  Pois bem! A rapaziada do ultimo grupo chegou ao 14 de março de 1948 para abrir uma das mais belas páginas há história do futebol brasileiro. Conquistou o o primeiro titulo de um clube canarinho no exterior, o Sul-Americano de Clubes Campeões, um torneio programado para o River Plate vencer, tão importante que, na final,  os presidentes chileno, Gabriel González Videla, e argentino, Juan Domingo Perón, compareceram ao Estádio Nacional de Santiago do Chile – e entregaram o troféu ao capitão cruzmaltino Augusto da Costa.
 
Naquele dia, todo o Brasil foi Vasco. O "Time da Colina" empatou, por 0 x 0, com o argentino River Plate, uma das equipes mais fortes do planeta, chamado por “La Máquina”.  Prejudicado, pela arbitragem, que anulou um gol seu, legítimo, o Vasco, treinado por Flávio Costa,  jogou com raça, tendo o goleiro Barbosa – titular a partir de 1947 –  defendido um pênalti, batido por Lostau.
Dos participantes, River Plate, Colo Colo e Nacional haviam sido respectivamente, campeões argentino, chileno e uruguaio, no ano anterior, enquanto o Litoral detinha o título da capital boliviana, e o equaqtoriano Emelec fizera o mesmo em sua terra, em 1946. Já o Municipal era vice-campeão peruano. Como ainda não havia um
 
CAMPANHA - 14.02.1948 (sábado) – Vasco  2x 1 Litoral-BOL. Público: 34 mil presentes. Gols: Lelé (2). VASCO: Barbosa, Rafagnelli (Augusto) e Wilson; Ely, Danilo e Jorge; Djalma (Friaça), Lelé, Ismael (Maneca) e Chico.
 18.02.1948 (quarta-feira) – Vasco 4 x 0 Nacional-URU. Público: 45 mil presentes. Gols: Ademir Menezes, Maneca, Danilo e Friaça. VASCO: Barbosa, Wilson e Rafangnelli; Ely, Danilo e Jorge; Djalma, Maneca, Friaça, Ademir (Ismael) e Chico.   
Ely, Wilson, Barbosa, Rafagnelli, Jorge e Danilo (em pé, da esquerda para a
direita), Djalma, Maneca, Dimas, Ademir Menezes e Chico, em foto reproduzida
 da revista carioca Sport Ilustrado. 
25.02.1948 – Vasco 4 x 0 Municipal-PER. Público: 29.452 espectadores. Gols Friaça (2), Lelé e Ismael. VASCO: Barbosa (Barcheta), Wilson e Rafangnelli; Ely, Danilo e Jorge; Djalma, Friaça, Maneca (Dimas), Lelé (Ismael) e Chico.  
 28.02.1948 – (sábado) Vasco 1 x 0 Emelec-EQU. Público: 38.500 presentes. Gol: Ismael. VASCO: Barbosa, Augusto e Rafangnelli; Ely, Danilo e Jorge;  Djalma, Maneca (Dimas), Friaça, Lelé (Ismael) e Chico (Nestor).  
 08.03.1948 – Vasco 1 x 1 Colo Colo-CHI. Gol: Friaça. VASCO: Barbosa, Augusto e Wilson; Ely, Danilo e Jorge; Djalma, Maneca (Lelé), Ismael e Chico.  
 14.03.1948 – Vasco 0 x 0 River Plate-ARG: VASCO: Barbosa, Augusto e Wilson (Rafangnelli); Ely, Danilo e Jorge; Djalma, Maneca (Lelé), Friaça (Dimas),  Ismael e Chico.
 
DETALHE - Além de ter se dado bem na disputa acima contra os “cucarachas”, o Vasco fez o mesmo diante de mais um “gringo”. Amistosamente, em 10 de junho, em  São Januário, venceu o inglês Southampton, por 2 x 1, com gols de Djalma e de Chico.
O "xerifão" argentino Rafagnelli,em imagem
reproduzida de Esporte Ilustrado
Os demais amistosos da temporada ficaram assim distribuídos, sem ordem cronológicas: 0 x 0 América e 1 x 0 Olaria (Torneio Inicio);  2 x 1, 3 x 1, 1 x 2, 2 x 2 Palmeiras; 1 x 2, 2 x 2, 3 x 1 e 2 x 0 São Paulo; 1 x 2 e 2 x 0 Atlético-MG; 4 x 1 América-MG; 3 x 1 Cruzeiro-MG; 4 x 2 Bahia; 3 x 1 Ypiranga-BA;  7 x 0 Coritiba-PR; 2 x 1 Santo Antônio-ES 3 x 1 Rio Branco -ES; 3 x 5 Boca Juniors-ARG e 1 x 4 Combinado Carioca.   
 
EM CASA – Após buscar o caneco continental, no Chile, o Vasco disputou o Torneio Municipal, em que só entravam times da “Cidade Maravilhosa”. Saiu vice-campeão, com o Fluminense levando a taça. Em quatro jogos contra os tricolores, venceu um, empatou um e perdeu dois. Nos demais: 4 x 3 Olaria; 0 x 0 Bonsucesso; 3 x 1 Madureira; 3 x 1 Bangu; 3 x 3 São Cristóvão; 4 x 2 Canto do Rio; 2 x 1 Flamengo; 3 x 1 América e 2 x 2 Botafogo.
No Campeonato Carioca, o Vasco disputou o título, jogo a jogo com o Botafogo, tendo perdido dele (1 x 3), na última partida – 12.12.1948 –, em dia marcado por muita catimba. Os vascaínos acusaram os botafoguenses de terem atirado pó-de-mico em seus jogadores, deixando o goleiro Barbosa com uma coceira que não o abandonou por toda a partida, e de colocarem a droga Neambual na água gelada e na laranjada que eles beberam no intervalo.
O Estadual-1948 teve 11 times, em turno e returno, e o Vasco foi vice-campeão, com dois pontos a menos (34 x 36) e memo número de vitórias do Botafogo (17). Ganhou em empatas (0 x 2), gols pró (62 x 59) e gols contrta (34 x 36). Mas teve duas derrotas a mais  (1 x 3). O time do último jogo foi quase o mesmo que esteve no Chile: Barbosa, Augusto e Wilson; Ely, Danilo e  Jorge; Friaça, Ademir, Dima, Iojucan (a novidade) e Chico.
     

Nenhum comentário:

Postar um comentário