Vasco

Vasco

sexta-feira, 26 de maio de 2017

KIKE EDITORIAL-26, OU O VENENO DO ESCORPIÃO - BARREIRAS, 115 ANOS

Em 1825, quando a primeira barca – “Babau” – parou pela Bahia Oeste, encontrou um porto deserto, no Rio Grande – afluente da margem esquerda do Rio São Francisco. Passados 22 anos, chegou por lá  o vapor “Amaro Cavalcante”. Três anos depois, já havia o casebre do pescador Plácido Barbosa. Mais 30? Anotava-se 20 moradias. E rolado mais 11? Quem apareceu no 20 de fevereiro daquele 1891 participou das comemorações pela elevação do pedaço a Distrito de Paz do atual município de Angical. Dois meses mais tarde, mais festas. Em 6 de abril, o ato estadual nº 237, de 6 de abril do mesmo 1891, promoveu a localidade a vila independente.
Reprodução de www.editoracerrado.com.br Agradecimento
 Barreiras tornou-se sede de comarca, pela lei  estadual nº 280, com o nome Ribeira e tendo por marco de instalação 1º de novembro de 1889. Rompendo mais três temporadas políticas, em 26 de maio de 1902, atingiu a categoria de cidade, pela lei estadual nº 449. Mas o festão de investidura  ao novo status só se deu varando seis meses, em 15 de novembro, quando a Filarmônica União e Jacaré tocou, fortíssimo, no sentimento de sua gente.

 DURANTE MUITO TEMPO, Barreiras apagou velinhas na data errada. Confundiram a sua independência polítca com  mudança de categoria. Sem problemas! O progresso, paulatinamente, foi chegando. Em 1916, surgiu “Rio Grande”, o primeiro jornal; em 1918, luz elétrica, serviço postal e o segundo jornal, “A Cidade”; em 1920, era o cinema que chegava, pela tela do Cine Ideal; 1821 marcou a criação do Ipiranga, o primeiroa clube de futebol, seguido por São João, Vitória, Bonsucesso, Barreiras, Comercial e etc; 1925, trouxe uma escola agrícola e a igreja matriz, dedicada a São João; em 1927, o primeir grupo escolar, homenageando o Juiz de Direito da Comarca, o doutor Costa Borges. E, em 1949, um dos mais famosos educandários do oeste baiano, o Ginásio Padre Vieira. E mais e mais foi acontecendo.
Lana Turner, em foto do álbum
de José Nunes da Mata

NO PERÍODO EM QUE o mundo viveu o seu maior conflito inerncional, entre 1939 e 1945, Barreiras teve um aeroporto operado por militares dos Estados Unidos e que tornou-se um importante ponto de ligação do Brasil-Norte-Sul.
 Em tempos da “Aliança para o Progresso”, era comum descer dos antigos aviões Douglas que pousavam na cidade, com destino ao Rio de Janeiro, gente como o ator Cesar Romero e a 'deusa' (a foto não deixa mentir) Lana Turner.
 Dizem que foi em Barreiras que surgiu o termo “forró”. Os militares do “Tio Sam”, quando liberados a programarem eventos, convidavam o povo da cidade e diziam que seria um encontro “for all” – para todos. E rolava a festa. E muitos namoros. Por sinal, muitas moças barreirenses acharam que a Segunda Guerra Mundial acabou na hora errada. Logo quando elas estavam perto de serem pedidas em casamento.      
É assim que rola a história de uma das mais progressistas cidades do interior brasileiro. Barreiras já é o 12º produtor nacional de soja, atividade que turbinou a sua economia, deixando-lhe com mais 160 mil almas vivendo em seu perímetro urbano. Por lá, já se entra lojas, supermercados e hotéis que nada ficam a dever casas do ramo instaladas por Brasília, Goiânia, ou qualquer outra cidade do Centro-Oeste.
 
Antônio Balbino, em foto
do álbum de
José Nunes da Mata
  BARREIRAS JÁ OFERECEU um governador à Bahia, Antônio na Câmara, o deputado federal Tarcilo Vieira de Melo, em 1955, durante o mandato do presidente Juscelino Kubitscheck. Também, um dos maiores líderes empresariais da primeria metade do século passado, Geraldo Rocha, criador de jornais e revistas no Rio de Janeiro – A Noite e Noite Ilustrada, por exemplo – e da Rádio Nacional, que lhe foi confiscada pelo presidente Getúlio Vargas que, por sinal, tempos depois, visitou os barreirenses, como também o fez o seu sucessor Eurico Gaspar Dutra.
  Barreiras tem, também, o sorriso de suas morenas – donas de sotaque vagaroso –, dentro de biquines moderninhos, exalando alegria pelas águas do Rio de Ondas. De quebra, pra esquentar a alma, uma pinguinha 100sacional! Confira!       

       

Nenhum comentário:

Postar um comentário