Vasco

Vasco

quarta-feira, 10 de maio de 2017

QUAL O MELHOR VASCO? CANDIDATO 2.000

   O Brasileirão-2.000, primeiramente, foi Copa João Havelange,  por motivos judiciais – leia abaixo o rolo que rolou na disputa que homenageou o ex-presidente da Confederação Brasileira de Desportos (atual CBF) e da FIFA. 
O Vaco da Gama foi o melhor do complicado enredo armados pelos cartolas e conquistou o seu quarto título do Brasileirão – os anteriores haviam sido em 1974/98/97 – decidindo com o São Caetano-SP, que começara a disputa no Módulo Amarelo e, pelo caminho, eliminara os “grandes” Fluminense, Palmeiras e Grêmio-RS.
No jogo de ida contra o Azulão” do ABC paulista,  durante a noite da quarta-feira 27 de dezembro, rolou 1 x 1, na casa do adversário, com Romário marcando o gol vascaíno. No penúltimo dia do Século 20, o jogo de volta só rolou por 23 minutos, devido a queda de uma grade do estádio de São Januário, ferindo várias pessoas. Então, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva anulou a pugna e a remarcou para 18 de janeiro de 2001.
Helton, Nasa, Jorginho Amorim, Jorginho Paulista, Fábio, Henrique, Odvan, Mauro Galvão, Júnior Baiano (em pé), Juninho Pernambucano, Romário, Euller, Clebson, Viola, Pauo Miranda, Pedrinho, Juninho Pernambucano  e Felipe, em foto reproduzida de www.netvasco.com.br. /Agradecimento.

 FESTA NO “MARACA” - Era tarde de uma quinta-feira, no Maracanã quase 60 mil pagantes conferiram Juninho Pernambucano, aos 28, e Jorginho Paulista, aos 39, além de Romário, aos 7 minutos da segunda etapa, escrevendo a história de mais um caneco, em jogo apitado por Márcio Rezende de Freitas-MG – Romário foi o principal artilheiro da Copa JH, com 20 dos 54 gols marcados pelos cruzmaltinos.
 Dirigido por Joel Santana, o time campeão teve: Hélton; Clebson, Odvan, Júnior Baiano e Jorginho Paulista; Nasa, Jorginho (Henrique), Juninho Pernambucano (Paulo Miranda) e Juninho Paulista (Pedrinho); Euller e Romário,
 
CAMPANHA PRELIMINAR – 29.07.2000 - Vasco 0 x 2 Sport-PE; 06.08.2000 - Vasco 3 x 3 Cruzeiro; (gols de Viola (2) e Romário); 11.08.2000 - Vasco 1 x 0 Corinthians (Romário); 13.08.2000 - Vasco 1 x 0 Guarani de Campinas-SP (Viola); 16.08.2000 - Vasco 1 x 1 Santa Cruz-PE (Romário); 20.08.2000 - Vasco 2 x 1 Ponte Preta-SP (Romário (2); 27.08.2000 - Vasco 2 x 2 Portuguesa de Desportos (Luiz Cláudio (2); 05.09.2000 - Vasco 2 x 2 Atlético-PR (Viola e Romário); 10.09.2000 - Vasco 1 x 3 Bahia (Felipe); 13.09.2000 - Vasco 4 x 3 Fluminense (Romário (2),Juninho Pernambucano e Juninho Paulista); 20.09.2000 - Vasco 4 x 0 América-MG (Romário (2), Euller e Juninho Pernambucano); 24.09.2000 - Vasco 2 x 1 Juventude-RS (Romário (2); 04.10.2000 R0 Vasco 4 x 0 Atlético-MG (Juninho Pernambucano (2), Nasa e Pedrinho); 11.10.2000 -Vasco 2 x 2 Vitória-BA (Romário e Juninho Paulista); 14.10.2000 - Vasco 1 x 1 Santos (Juninho Paulista); 21.10.2000 - Vasco 1 x 0 Gama (Romário); 24.10.2000 - Vasco 2 x 1 Goiás (Juninho Pernambucano e Juninho Paulista); 27.10.2000 - Vasco0 x 4 Flamengo; 03.11.2000 - Vasco 1 x 0 Coritiba (Junior Baiano); 05.11.2000 - Vasco 0 x 2 Internacional; 10.11.2000 - Vasco 0 x 3 Palmeiras; 12.11.2000 - Vasco 1 x 2 Botafogo; 16.11.2000 - Vasco 1 x 0 Grêmio-RS (Jorginho); 19.11.2000 - Vasco 0 x 4 São Paulo.
 
Pelas oitavas de final, a rapaziada eliminou o Bahia, com 3 x 2 (25.11), com gols de Clebson, Romário e Juninho Pernambucano, e 3 x 2  (28.11), tendo Euller (2) e Juninho Paulista comparecido às redes. Nas quartas de final, passou pelo Paraná: 3 x 1, graças a Romário (2) e Juninho Paulista, e 0 x 1 (09.12). Chegando às semifinais, ficou nos (16.12) 2 x 2 Cruzeiro (Euller (2) e depois (23.12), mandou 3 x 1 (23.12, com Juninho, Euller e Romário botando o garoto do placar para trabalhar.
Juninho Pernambucano jogava tanto que deixou Felipe careca
 de receber passes milimétricos

FINALONA – Menos de um mês após a conquista da Copa Mercosul, virando, para 4 x 3, um prélio em que perdia do Palmeiras, no primeiro tempo,  por 0 x 3, o Vasco foi para mais uma  decisão, 19 dias depois.
Fez uma  preparação especial, até interrompendo as férias coletivas dos atletas e  foi encarar o "Azulão" e o calor, estampando na camisa  o logotipo do SBT,  concorrente da Rede Globo de TV, que fora contra a disputa de novo jogo.
O empate favorecia aos vascaínos, devido ao 1 x 1 do jogo de ida. Mas a turma não estava a fim de empatar. Aos 28 minutos, Juninho Pernambucano abriu o placar, finalizando boa trama do ataque.. O São Caetano empatou. Aos 39, Jorginho Paulista bateu cruzado para o gol e colocou 2 x 1 na conta do primeiro tempo. O Vasco voltou aceso paras a etapa final. Aos 7 minutos, Romário recebeu a bola dentro da área, fez 3 x 1 e o seu 20º gol no campeonato. O mais foi administrar o placar e comemorar.
 
 FICHA TÉCNICA – 18.01.2001 (quinta-feira) – Vasco 3 x 1 São Caetano-SP. Copa João Havelange. Estádio: Maracanã-RJ. Juiz: Márcio Rezende de Freitas-MG. Público: cerca de 60 mil presentes. Gols: Juninho Pernambucano, aos 28, Adãozinho, aos 36, e Jorginho Paulista, aos  39 min do 1º tempo; Romário, aos 7min do  2º empo. VASCO: Hélton; Clebson, Odvan, Júnior Baiano, Jorginho Paulista; Nasa, Jorginho (Henrique), Juninho Pernambucano (Paulo Miranda), Juninho Paulista (Pedrinho); Euller e Romário. Técnico: Joel Santana.
 OBS: titulo conquistado em 32 partidas, com 15 vitórias; 9 empates; 8 derrota; 54 gols pró e 49 gols contra com saldo de 5.


Romário, campeão, também, de sair
em capas de revistas.
O ROLO - A CBF tentou rebaixar o Gama, para salvar o Botafogo, tirando cinco pontos do São Paulo, por escalar Sandro Hirochi, irregularmente, e os repassou aos botafoguenses. Com a maracutaia, o Gama, que ficaria rebaixado, foi à Justiça comum, o que a FIFA proíbe. Em junho de 2000, o STJD era contra o Gama e a Justiça comum a favor.
 Como o caso não estava julgado por todas as instâncias e a CBF impedida de publicar o regulamento do Brasileiro, houve um acordo  com o Clube dos 13 e este promoveu a Copa JH – depois, oficializada, pela CBF, como Brasileiro.
O torneio foi disputado em Módulos Azul e Amarelo. O primeiro, com  25 times das Séries A e  B, tendo 12 classificados para a segunda fase - Cruzeiro (45), Sport-PE (42), Fluminense (42), Vasco (39), São Paul (39), Ponte Preta, Internacional, Grêmio-RS,  Palmeiras, e Bahia. No Módulo Amarelo, com times da Série B, classificaram-se São Caetano (37), Figueirense, Paraná, Botafogo de RP-SP, Criciúma, Caxias-RS, Bangu e Avaí-SC, pelo Grupo A, e Fortaleza, São Raimundo-AM, Sampaio Corrêa-MA, Náutico-PE, Paysandu-PA, Anapolina-GO, Remo-PA e CRB-AL, pelo Grupo B. O Módulo Verde reuniu 36 times das Séries B e C, do Norte, Nordeste e do Centro-Oeste, e o Branco 28 times da Série C, das regiões  Sul e Sudeste.
Para a fase decisiva, classificaram-se 12  Módulo Azul, os três primeiros do Módulo Amarelo e o vencedor da disputa entre os primeiros dos Módulos Verde e Branco, jogando pelo sistema eliminatório  nas oitavas, quartas de final, semifinais e final.

COPA MERCOSUL – Foi a última disputa do torneio com este nome – no ano seguinte, passaria a ser Copa Sul-Americana – e uma das mais emocionantes conquistas da Turma da Colina. Principalmente, por levar três gols no primeiro tempo e virar o placar aos 47 minutos do segundo , na casa do adversário, durante a noite de 20 de dezembro de 2000.
A virada vascaína começou aos 14 minutos do segundo tempo. Juninho Paulista sofreu pênalti e Romário converteu: 1 x 3, Juninho Paulista sofre novo pênalti e, de novo, Romário bateu na rede: 2 x 3. Mesmo com o zagueiro  Júnior Baiano expulso de campo, aos 32, o Vasco não desistiu de ir à forra do placar da primeira etapa. A 41 minutos, Viola chutou ao gol,  Juninho Paulista pegou o rebote e empatou: 3 x 3. Ao  47, o Vasco atacou e a bola foi cair nos pés de Romário, que só teve o trabalho de manda-la para dentro do gol: 4 x 3.  Foi a "Virada do Século" na vidada do século, em 13 jogos, com- 8 vitórias, 4 derrotas e um empate, com o time marcando 23 – 11 de Romário – tentos e sofrendo  13.
 
CAMPANHA - Peñarol 4 x 3 Vasco; Vasco 3 x 0 San Lorenzo; Atlético-MG 2 x 0 Vasco; Vasco 1 x 1 Peñarol; San Lorenzo 0 x 2 Vasco; Vasco 2 x 0 Atlético-MG; Quartas de Final - Vasco 1 x 0 Rosário Central; Rosário Central 1 x 0 Vasco (Nos pênaltis, Vasco 5 a 4); Semifinais - River Plate 1 x 4 Vasco; Vasco 1 x 0 River Plate; Finais - Vasco 2 x 0 Palmeiras, Palmeiras 1 x 0 Vasco e Palmeiras 3 x 4 Vasco.
Juninho Paulista mereceu ser capa de revista
OS CAMPEÕES - Hélton,  Jorginho Amorim,  Odvan,  Mauro Galvão, Nasa, Felipe, Paulo Miranda, Alex Oliveira, Viola, Pedrinho, Romário, Márcio, Júnior Baiano, Alexandre Torres, Henrique, Geder, Euller,  Jorginho Paulista, Dias, Luisinho, Valkmar, Fabiano Eller, Juninho Paulista, Fábio, Siston, Luiz Cláudio, Souza, Léo, Clebson e Juninho Pernambucano.
 

 FINALÍSSIMA -  20.12.200 – Vasco 4 X 3 Palmeiras. Estádio: Parque Antártica-SP. Juiz: Marcio Rezende de Freitas-MG. Público: 31.500. Gols: Arce, aos 36; Magrão, aos 37, e Tuta, aos 45 min do 1º tempo; Romário, aos 14, aos 24 e aos 48, e Juninho Paulista aos 40 min do 2º tempo. VASCO: Helton; Clebson, Júnior Baiano, Odvan e Jorginho Paulista; Jorginho Amorim (Paulo Miranda), Nasa (Viola), Junino Pernambucano e Juninho Paulista; Euller (Mauro Galvão) e Romário. Técnico: Joel Santana.       
 
REGULAMENTO – O “Almirante” disputou a travessia do Estadual-2000  contra 11 e fez mais pontos do que todos eles, entre as Taça Guanabara e Rio de Janeiro. Mas, por conta do regulamento, terminou vice, com 48 pontos, contra 45 do Flamengo.
O Vasco venceu, também,  mais do que os rubro-negros: 17 x 16 e teve Romário o principal artilheiro, com19 gols. Buscou menos bolas na rede (15 x 24) e empatou em gols pró (56 x 56).  Poderia ter sido campeão invicto, se não tivesse perdido nas duas partidas decisivas para o maior rival, que tinha uma derrota no currículo. Logo, perdeu na hora errada, em 20 compromissos, com 17 vitórias, três empates, duas escorregadas, 56 gols pró e 15 contra.
Ates disso, o Vasco havia disputado o I Campeonato Mundial de Clubes, promovido pela FIFA, no Rio de Janeiro, e vivera o mesmo problema de não ter sido campeão por causa do regulamento. Com um ponto a mais do que o Corinthians, contra o qual decidiu, viu o adversário jogar pelo empate, para decidir nos pênaltis, pois o seu goleiro Dida era um grande pegador.
Os vascaínos estrearam (06.01), com 2 x 0 South Melbourne e gols de Felipe e Edmundo, diante de 66 mil pagantes. Dois dias depois, em tarde de domingo, no mesmo Maracanã do jogo contra os australianos, mandaram 3 x 1 Manchester United, vendo Romário (2) e Edmundo estraçalharem os ingleses, diante de 73 mil almas. Mais três dias passado e a rapaziada fez 2 x 1 Necaxa-MEX, com Odvan e Romário na rede, assistidos por 45 mil desportistas.
Na finalíssima, contra os corintianos, assistida por 73 mil pessoas, devido 0 x 0 no tempo regulamentar,  a decisão foi para a prorrogação e os pênaltis, e Edmundo, o craque do time, e Gilberto, desperdiçaram as suas cobranças – Romário, Alex Oliveira e Viola converteram as deles, enquanto os paulistas só perderam uma, por Marcelinho Carioca, com defesa de Helton. Assim, por 3 x 4, o Vasco ficou vice, com dois pontos (10 x 8) a mais do que o campeão - Helton; Paulo Miranda, Odvan, Mauro Galvão e Gilberto; Amaral, Felipe (Alex Oliveira), Ramon (Donizete) e Juninho (Viola); Romário e Edmundo, dirigidos por Antônio Lopes foi a formação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário