Vasco

Vasco

domingo, 7 de maio de 2017

DOMINGO É DIA DE MULEHR BONITA - LUCIANA, A BELA BANDIDA DE PARIS

  Cerveja amarga? Para Luciana Rodrigues Gravital amargou. Não que ela tenha bebido tanto ao ponto de parar na cadeia. Mas por ter sugerido os outros beberem.    
   Foi por ter posado para um anúncio erótica, divulgando uma marca de cerveja – Carioca – para os brasileiros que viviam na França, que a polícia do país chegou até ela.    
  Luciana tinha 23 anos e muita beleza quando partiu para uma aventura muito radical: assaltar – em dupla com o parceiro francês gorducho Michel Ortiz, com quem vivia, desde setembro de 1995 –, por pura adrenalina, emoção.
  Quando atacava lojas de cosméticos e perfumarias, dinheiro era o que menos  importava a Lujciana. Após afanar os frascos das fragâncias mais famosas, ela passava pelo caixa e levava a grana que tivesse à vista, algo em torno de 300 a 1.500 francos (100 a 600 dólares), em valores de 1996. Foram oito assaltos à mão armada, usando revólver de gás para defesa pessoal e uma tentativa furada ao tradicional banco Crédit Lionnais, na Avenida Trudaine, no centro de Paris, onde deixou imagens filmadas que lhe foram fatais. Foi parar na Casa de Detenção de Fleury Merogis.
  Para os policiais franceses, Luciana era a ladra mais deslumbrante que haviam preso nos últimos tempos. Mais deslumbrante era o cartaz em que ela aparecia com a cerveja Carioca, uma garrafa entre os seios. 
 COPACABANA – A mãe de Luciana, Tânia Maria, cobradora de ônibus, separada do marido e com mais os filhos Ana Paula e Rodrigo para criar, desconfiava de que Luciana fazia programas durante as badaladas noites da Zona Sul carioca. As roupas, bijuterias e perfumes caros que ela lhe presenteava faziam-na desconfiar que não saíam do salário que a menina meiga e comunicativa ganhava.
Papel principal em "Emmanuelle 7"
 Luciana morava no bairro Chacrinha, em Duque de Caxias. Aos 15 anos de idade, em 1988, ela conheceu  Phillipe Couffin, representante da Peugeot e que, no terceiro encontro, levou-a a passear em Búzios.
 Aos 17, ela arrumou emprego em um salão de beleza de Copacabana e, pouco depois, disse à mãe que iria morar perto do trabalho, com amigas, porque era muito cansativo ir e voltar pra casa, longe, todos os dias. Em 1990, Luciana foi com o namorado para a França e casaram-se, no ano seguinte, para ela ter o visto de permanência no país.

 Parecia um sonho? No meio desse tempo, a mãe de Luciana voltou para Porto Alegre-RS, a sua terra, e arranjou emprego em uma fazenda de arroz, em Viamão. Luciana a levou de volta a Duque de Caxias, alugou uma quitinete para ela, pagava o aluguel e ainda lhe mandava um dinheirinho. Um dia brigaram e ela parou de enviar grana e notícias.   
A Cinderela da Baixada
GAROTA DA CAPA - Luciana tinha um marido que se dizia apaixonado por ela. Desmentia a mãe dela que a tivesse conhecido em boate de Copacabana e que a menina fizesse programas. O que ele jamais imaginava era vê-la nas bancas de revistas e na capa da “Lui”, uma famosa revista erótica francesa, sem nada lhe falar. Ali o casamento começou a acabar.
Luciana, porém, queria mexer mais com o alibido dos franceses. Medindo 95 cm de busto, 56 de quadris e 90 de coxas, ela ganhou, do diretor Francis Leroi, o papel principal do erotíssimo filme “Emmanuelle 7”, exibido pelo Canal TV M6. Faturou 3.500 francos (700 dólares) por dia de trabalho, pouco. De Phillippe Couffin estava separada desde 1994. Mas, quando soube da sua prisão, ele foi visita-la e disse que ainda era apaixonado por ela.   
Luciana encantou os editores, redatores e repórteres da revista "Paris Match"
O conto de fadas da menina pobre da Baixada Fluminense, que um  homem de negócios  levara para casar-se com ele, em Paris, e morar em um hotel construído pelo Rei Luís XV, virou história de terrror, como as das mulheres que aderiram ao crime, e o cinema mostrou nos filmes Bonnie e Clayde; Butch Cassidy; Os Implacáveis e Nikita.
 Bem que Luciana, também, poderia  virar filme. A revista francesa “Paris Match” escreveria no cartaz: La Belle Braqueuse - a Bela  Assaltante.     

IMAGENS REPRODUZIDAS DA REVISTA MANCHETE Nº 2.300, DE 04.05.1996. AGRADECIMENTO DESTE BLOG Q NÃO É COMERCIAL 





 

 



 

 








 
 
 
 
 
 

 
 
   

 

 

 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário