Vasco

Vasco

terça-feira, 2 de maio de 2017

QUAL O MELHOR VASCO? CANDIDATO-1958

Ser só campeão era pouco. Super, também. "SuperSuper" ficaria melhor. De preferência, diante do maior público pagante de um prélio de futebol entre clubes no país– 130.901, inferior só a Seleção Brasileira versus Uruguai, Espanha e Suíça, pela Copa do Mundo-1950, e diante do Paraguai, pelas Eliminatórias do Mundial-1954. 

Miguel, Paulinho de Almeida, Bellini, Écio, Orlando, Coronel (em pé, da esquerda para a direita), Sabará, Almir, Roberto Pinto, Valdemar e Pinga (agachados na mesma ordem), em foto reproduzida da revista "Grandes Clubes". 
Poderia até ter acontecido durante a noite da quarta-feira 17 de janeiro de 1959, se o juiz não tivesse anulado um legítimo gol cruzmaltino.  “O Vasco tarde, mas não falha”, avisou o capitão Bellini, durante as comemorações. Para a torcida, bom que tivesse sido depois de dois supertorneios, pois não restaram dúvidas sobre a propriedade do “caneco”. Melhor ainda: taça e faixas carregadas diante do maior rival, o Flamengo.
Para levar o título, o Vasco disputou 26 partidas, vencendo 16, empatando cinco e caindo em cinco. Marcou 56 gols e sofreu 31, ficando com o saldo de 25 tentos. Pinga, isto é, José Lázaro Robles, aos 34 anos de idade, foi o sue principal “matador”, com 16 estragos no filó.

MOMENTAÇO - O Campeonato Carioca-1958 teve 12 times, jogando todos contra todos, em turno e returno. Como Vasco, Flamengo e Botafogo somaram mais ponto nas duas etapas, foram para um supercampeonato, em turno único. Rolou nova igualdade e foi preciso uma “SuperSuperDecisão”.
A temporada gerava grande expectativa, porques, duas semanas antes do seu início, a Seleção Brasileira conquistara a Copa do Mundo, na Suécia, com mais da metade dos campeões sendo de times cariocas. Os vascaínos, por sinal, gabavam-se de terem visto as fotos (ainda não havia, no Brasil, transmissão intercontinental pela TV) do seu capitão Bellini levantado a taça Jules Rimet; do zagueiro Orlando ganhando lances e dos gols do centroavante Vavá.

Valdemar, Almir e Coronel mereceram a faixa
ROLOU A PELOTA - Nas duas primeiras rodadas do Estadual, o Vasco passou, sem problemas, por Bangu e Bonsucesso. Surpreendentemente, na terceira, tropeçou diante do Madureira. Reabilitou-se, goleando o São Cristóvão, e, depois, só teve um empate – com o Flamengo –, até o final da etapa. No mais, traçou quem pintou.
No returno, a galera cruzmaltina já havia visto aquele filme: duas vitórias, de saída, e um tropeço, em seguida. Na verdade, fora pior. Após duas vitórias, empates, com São Cristóvão e Bonsucesso, e queda ante a Portuguesa.
Pra frente, o Vasco venceu Madureira e América, empatou com o Fluminense e perdeu para Flamengo e Botafogo. Teve, então, que  ir para o “Super” e o “SuperSuper”.
No primeiro triangular, o Vasco escreveu no placar 2 x 0 Flamengo e 0 x 1, do Botafogo. No segundo, 2 x 1 Botafogo e 1 x 1 Flamengo. Valeu festa na Colina!


ESTRATÉGIA - O Vasco começou o “SuperSuper” se defendendo, com oito, e atacando, com seis. Deixava as maiores saliências por conta de Sabará e de Pinga. De saída, o técnico Gradim armou o esquema tático 4-4-2, que mudou para 3-5-2, em determinados momentos, com Écio sendo o quinto homem de área. Depois, foi ao 4-3-3.
No primeiro tempo, a rapaziada se virou para não levar gols. No segundo, cresceu, encurralou o Flamengo e abriu o placar, aos 13 minutos, por intermédio de Roberto Pinto. O rival empatou. Mas a "Turma da Colina" era boa administradora de placar.

Bellini e Gradim, em foto reproduzida
de Manchete Esportiva
Para não deixar a taça escapar, o time cruzmaltino cometeu 28 faltas (14 em cada etapa), cinco a mais do que o rival. Esteve cinco vezes em impedimento, contra só uma deles. Cobrou seis escanteio (metade em cada etapa), contra dois do adversário, e 26 laterais, 11 a mais do que o outro. E, enquanto seu goleiro fez nove defesas, o rubro-negro praticou 13.
Portanto, o Vasco foi superior em tudo. "Senti vontade de pular, de gritar, mas isso a torcida fez por mim, muito bem", disse Gradim ao repórter Paulo Rodrigues, pelo Nº 166 da Manchete Esportiva, que circulou uma semana depois da conquista.

Tão animado quanto Gradim, o veteraníssimo Pinga, perto dos 34 anos de idade, ressaltou, para o mesmo repórter: "Conquistar um título igual a este é difícil". E jurava ter mais lenha para queimar. De sua parte, o autor do gol, Roberto Pinto, garantia estar controlando as emoções: "Acho que herdei do meu tio Jair Rosa Pinto o temperamento frio", revelou, chegando ao vestiário com um dos pés enfaixados, para ser carregado, por várias vezes. E, de tanto contar sobre o tento do título, ficou rouco.
Sabará queixava-se do relógio do árbitro: "Que jogo difícil para acabar. Nunca pensei que 90 minutos custassem tanto a passar". De quebra, cutucou o rival: "O Flamengo não faz graça pra ninguém... que o Vasco merecia este campeonato, merecia". Já o lateral-esquerdo Coronel gabava-se de ser um bom "astrólogo". Jurava ter acertado em sua previsão de empate. "Achava que seria 2 x 2”, no que teve cerca de 150 mil presentes, com os caronas – a renda atingiu Cr$ 5 milhões, 621 mil, 768 cruzeiros (moeda da época).

MELHORES "SUPERSUPER-MOMENTOS" DA FINALÍSSIMA:
 5 minutos – Sabará sai da ponta-direita, vai para o meio e lança Pinga, que ataca e bate ao arco rubro-negro, para o goleiro do Fla defender.
8 minutos – Almir e Sabará concatenam jogada e Pinga finaliza rente à trave.
30 minutos – Sabará volta a se deslocar para o meio do gramado, vai até as proximidades da área rubro-negra e chuta, com perigo.
36 minutos – Sabará ataca, pela extrema esquerda, lança Almir, que chuta, na corrida. A bola sai alta, rente à trave.
43 minutos – Almir estica passe até Valdemar, que obriga o “arqueiro” do Fla a ceder escanteio.
45 minutos – Écio toca a bola para Sabará, que serve Pinga, que avança, pelo meio, e manda a pancada, rente a trave.
47 minutos - Sabará cobra toque de mão, a bola passa pela barreira. O goleiror" flamenguistas defende, larga e sofre falta.
50 minutos - Sabará ataca, pela esquerda, e manda a bola para Pinga, no centro do ataque. Este solta uma bomba rente à trave.
52 minutos - Écio municia Almir, que se enrola, mas consegue chutar, na corrida. O goleiro do Fla, no entanto, afastar o perigo.
58 minutos - Sabará trabalha a bola, pelo meio, e lança Roberto Pinto, pela ponta-direita. Livre, este avança e abre o placar: Vasco 1 x 0.
75 minutos - Pinga vence Jadir, ataca e, sem ângulo, chuta rende à trave.
87 minutos - Valdemar erra o passe, servindo ao adversário Dida, que lança Henrique, livre. Mas Bellini chega para salvar o perigo.
89 minutos - Henrique lança Babá, que cabeceia. Miguel se vira e defende.
90 minutos – Fim de papo, para a rapaziada fazer a volta olímpica.   

SUPERSUPER CAMPANHA - 20.07.1958 - Vasco 3 x 1 Bangu. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 1.393.820,00. Público: 44.375. Juiz: Amílcar Ferreira. Gols: Pinga (2) e Vavá. Time: Barbosa, Dario, Bellini e Ortunho; Écio e Orlando; Sabará, Almir, Vavá, Rubens e Pinga.

25.07.1958 - Vasco 4 x 2 Bonsucesso. Estádio: São Januário. Renda: Cr$ 197.380,00. Juiz: Amílcar Ferreira. Gols: Pinga (2) e Wilson Moreira (2). Time: Barbosa, Dario, Viana e Ortunho; Écio e Orlando; Sabará, Wilson Moreira, Vavá, Rubens e Pinga. 

03.08.1958 – Vasco 1 x 3 Madureira. Estádio: da Rua Bariri. Renda: Cr$ 184.190,00. Juiz: Amílcar Ferreira. Gol: Sabará. Time: Barbosa, Dario, Viana e Ortunho; Écio e Orlando; Sabará, Livinho, Rubens, Wilson Moreira e Pinga.   

09.08.1958 -  Vasco 4 x 0 São Cristóvão. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 872.121,00. Juiz: Antônio Viug. Gols: Vavá (2), Sabará e Wilson Moreira. Time: Barbosa, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Laerte; Sabará, Wilson Moreira, Vavá, Rubens e Pinga.      

16.08.1958 -  Vasco 3 x 0 Canto do Rio – Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 267.254,00. Juiz: Alberto da Gama Malcher. Gols: Sabará, Laerte e Wilson Moreira. Tme: Hélio, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Laerte, Rubens, Wilson Moreira e Pinga. 

24.08.1958 – Vasco 1 x 0 Fluminense. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 1.792.476,00. Público: 57.699. Juiz: Wilson Lopes de Souza. Gol: Pinga. Time: Barbosa, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Almir, Rubens, Wilson Moreira e Pinga. 

31.08.1958 – Vasco 2 x 1 América. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 1.272.472,00. Juiz: Antônio Viug. Gols: Wilson Moreira e Almir. Time: Barbosa, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Almir, Rubens, Wilson Moreira e Pinga. 

07.09.1958 – Vasco 3 x 1 Portuguesa. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 477.896,00. Juiz: José Gomes Sobrinho. Gols: Pinga (2) e Écio. Time: Barbosa, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Rubens, Delém, Wilson Moreira e Pinga. 

14.091958 – Vasco 1 x 1 Flamengo. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 3.273.358,00. Juiz: Antônio Viug. Gol: Delém. Time: Barbosa, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Almir, Delém, Rubens e Pinga. 

19.09.1958 – Vasco 4 x 2 Olaria. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 269.777,00. Juiz:  Eunápio de Queirós. Gols: Sabará (2), Rubens e Osvaldo (contra). Time: Barbosa, Paulinho, Bellini e Dario; Écio e Orlando; Sabará, Pinga, Delém, Rubens e Dominguinhos. 

28.09.1958 – Vasco 3 x 2 Botafogo. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 2.459.600,00. Juiz: Antônio Viug. Gols: Pinga, Sabará e Rubens. Time: Barbosa, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Laerte, Delém, Rubens e Pinga.

RETURNO – 05.10.1958 – Vasco 2 x 0 Bangu. Estádio: São Januário. Renda: Cr$ 331.580,00. Juiz: Frederico Lopes. Gols: Rubens (2). Time: Barbosa, Paulinho, Bellini e Dario; Écio e Orlando; Sabará, Laerte, Delém, Rubens e Dominguinhos. 

12.10.1958 – Vasco 6 x 3 Canto do Rio. Estádio: São Januário. Renda: Cr$ 175.980,00. Juiz: Eunápio de Queirós. Gols: Gols: Delém (2), Laerte (2), Sabará e Rubens. Time: Hélio, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Laerte, Delém, Rubens e Pinga. 

19.10.1958 - Vasco 1 x 1 São Cristóvão. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 415.746,00. Juiz: Frederico Lopes. Gol: Rubens. Time: Barbosa, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Laerte, Delém, Rubens e Roberto Pinto. 

25.10.1958 – Vasco 3 x 3 Bonsucesso. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 254.991,00. Juiz: Eunápio de Queirós. Gols: Delém (2) e Rubens. Time:: Barbosa, Paulinho, Viana e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Laerte, Delém, Rubens e Pinga.

01.11.1958 – Vasco 1 x 2 Portuguesa – Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 384,696,00. Juiz: Eunápio de Queirós. Gol: Pinga. Time: Miguel, Dario, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Ramos, Teotônio, Delém, Rubens e Pinga.   

09.11.1958 - Vasco 1 x 0 Madureira. Estádio:: São Januário. Renda: Cr$ 226.060,00. Juiz: Gualter Gama de Castro. Gol: Rubens. Time: Miguel, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Almir, Delém, Rubens e Pinga.

16.11.1958 – Vasco 1 x 1 Fluminense. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 1.572.643,00. Público: 42.668. Juiz:: Alberto da Gama Malcher. Gol: Pinga. Time: Barbosa, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Valdemar, Delém, Roberto e Pinga. 

23.11.1958 – Vasco 2 x 0 América. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 979.494,00.Juiz: Alberto da Gama Malcher; Gols: Almir e Romeiro (contra). Time: Miguel, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Almir, Roberto Pinto, Rubens e Pinga.

30.11.1958 - Vasco 4 x 0 Olaria. Estádio: da rua Bariri. Renda: Cr$ 189.100,00. Juiz: Frederico Lopes. Gols: Almir (2), Roberto e Pinga.Time: Miguel, Paulinho, Dario e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Almir, Roberto Pinto, Rubens e Pinga. 

07.12.1958 – Vasco 0 x 2 Botafogo. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 2.626.239,00. Juiz: Wilson Lopes de Souza. Time: Miguel, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Almir, Roberto Pinto, Rubens e Pinga.

14.12.1958 – Vasco 1 x 3 Flamengo. Estádio: Maracanã. Renda: Cr$ 3.800.409,00. Juiz: Frederico Lopes. Gol: Pinga. Time: Miguel, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio e Orlando; Sabará, Almir, Delém, Rubens e Pinga.

FASE DECISIVA – 20.12.1958 – Vasco 2 x 0 Flamengo. Estádio: Maracanã. Juiz: Alberto da Gama Malcher. Renda: Cr$ 3.225.808,00. Gols: Pinga e Almir. Time: Miguel, Paulinho, Bellini, Orlando e Coronel; Écio e Valdemar; Sabará, Almir, Roberto Pinto e Pinga. 
 
03.01.1959 – Vasco 0 x 1 Botafogo. Estádio: Maracanã. Juiz: Gualter Gama de Castro. Renda: Cr$ 4.270.534,00. Púlico:  119.237. Time: Miguel, Paulinho, Bellini, Orlando e Coronel; Écio e Valdemar; Sabará, Almir, Roberto Pinto e Pinga.

10.01.1959 – Vasco 2 x 1 Botafogo. Estádio: Maracanã. Juiz: Eunápio de Queirós. Renda: Cr$ 3.205.480,00. Público: 80.608. Gols: Pinga (2). Time: Hélio, Paulinho, Bellini, Orlando e Coronel; Écio e Valdemar; Sabará, Almir, Roberto Pinto e Pinga.

17.01.1959 – Vasco 1 x 1 Flamengo. Estádio: Maracanã. Juiz: Eunápio de Queirós. Renda: Cr$ 5.621.768,00. Público: 130.901. Time: Miguel, Paulinho, Bellini, Orlando e Coronel; Écio e Valdemar; Sabará, Almir, Roberto Pinto e Pinga. 

Foto reproduzida de Manchete Esportiva, com o capitão Bellini comandando a volta olímpica dos "supersupercampeões"

QUEM ATUOU MAIS -  Treinados por Francisco de Souza Ferreira, o Gradim,  e presididos por Eurico da Costa Lisboa, os “supersuper-heróis” da conquista foram: 26 jogos – Écio; 25 -  Orlando e Sabará; 24 – Pinga; 22 – Bellini e Paulinho de Almeida; 21 – Coronel e Rubens; 14 – Barbosa; 13 – Almir; 12 – Delém; 9 – Miguel;  8 – Roberto Pinto; 7 – Dario, Laerte e Wilson Moreira; 5 – Valdemar; 3 -  Hélio, Ortunho, Vavá e Viana; 2 – Dominguinhos; 1 – Livinho, Ramos, Roberto Peniche e Teotônio.   

GOLEADORS - Pinga 16; Rubens 8; Sabará 7; Almir, Delém e Wilson Moreira 5; Laerte e Vavá 3;  Roberto Pinto 2; Écio 1.  

Um comentário:

  1. Este ano fiz uma pesquisa sobre o Vasco de 1957. Acho que o time de 57 era superior ao de 58. Ele poderia ter sido campeão naquele ano mas teve duas derrotas para o Fla pelo mesmo placar de 4 a 1(qual a explicação?). Começou o campeonato perdendo do Fluminense depois de uma excursao cansativa na Europa. Mas foi um time que encantou o mundo mesmo sem Belini

    ResponderExcluir