Vasco

Vasco

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

FERAS DA COLINA - O ESTONTEANTE PINGA

Pinga (D) custou ao Vasco, em 1953, Cr$ 1,3 milhão (de cruzeiros) e marcou 250 gols, em 466 jogos, com a jaqueta cruzmaltina. 
Cidadão paulistano, do bairro da Mooca, Pinga ajudou o “Almirante” a conquistar o Torneio Octogonal Rivadavia Correia Meyer, marcando os dois gols da final (2 x1) contra o São Paulo, no Maracanã, além do título carioca de 1956, o Torneio Início e do SuperSuper-1958, bem como o Torneio Torneio Rio-São Paulo, do mesmo 58. 
 Antes disso, em 1954, fora um dos convocados para a Seleção Brasileira da Copa do Mundo, na Suiça. Não trouxe o caneco, mas continuou com moral junto à torcida cruzmaltina. 
Dois anos depois, o treinador Martim Francisco aboliu a sua função de ponta-de-lança e o transformou em ponta-esquerda. Deu certo. Nos anos seguintes, foi importante na conquista, na Europa, de duas das mais destacadas taça trazidas do exterior, os troféus do Torneio de Paris e Teresa Herrera, este disputado na Espanha, ambos em 1957.  

2 - José Lázaro Robles era o verdadeiro nome do atacante Pinga, nascido em 11 de fevereiro de 1924, em São Paulo. Viveu até 7 de maio de 1996 e foi vascaíno entre 1953 a 1962. Antes, passara por Juventus-SP (1943/1944) e, depois, em 1962/1964), e Portuguesa de Desportos-SP (1945/1952).
 Pela Seleção Brasileira, fez dois jogos da Copa do Mundo-1954, com uma vitória e um empate, marcando dois gols. No total, foram 19 jogos, 13 vitórias, 3 empates, 3 derrotas e 10 gols marcados. 
Desses gols, 17 foram contra seleções nacionais – 11 vitórias, 3 empates, 3 derrotas e os 10 tentos. Diante de clubes/combinados, dois triunfos, em dois compromissos. Colecionou os títulos do Campeonato Pan-Americano-1952 e da Taça Oswaldo Cruz-1950/1955. (Foto do arquivo de Zé Dias)

Contam os antigos que Pinga deixava os rivais tontos e beijava o "véu da noiva".



Nenhum comentário:

Postar um comentário