Vasco

Vasco

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 19 E 20 DE FEVEREIRO

19.02 -  A data 19 de fevereiro registra uma  impiedosa pancada  cruzmaltina:  9 x 0 sobre a paraense Tuna Luso, pelo Campeonato Brasileiro de 1984. Um sacode só superado por Corinthians 10 x 1 Tiradente-PI (09.10.1983), embora a diferença de gols seja a mesma.
 Disputada em São Januário, a partida teve apito de Roque José Gallas e  público de 12.855 pagantes.  Arthurzinho, aos 5; Geovani, aos 22; Aírton, aos 29, e Arthurzinho, aos 40 minutos do tempo, iniciaram o arraso. Na segunda etapa, Arthurzinho, aos 4; Marcelo, aos 8, aos 9, e aos 29, e Arthurzinho, aos 45, completaram o estrago. Edu Coimbra era o treinador e o Vasco daquele dia massacrou por contas de: Acácio (Roberto Costa); Edevaldo, Daniel Gonzales, Nenê e Aírton; Pires, Geovani e Arthurzinho; Jussiê, Marcelo e Marquinho (Cláudio José).

O CARA - Autor de quatro tentos naquele jogo, Arthur dos Santos Lima, o meia-atacante Arturzinho, pesava 60 quilos no auge da forma, bem condizentes com o seu 1m62cm de altura. Canhoto e muito habilidoso, chegou à Seleção Brasileira. No Vasco, participou de uma formação que tinha mais três baixinhos terríveis, Mauricinho, Geovani e Mário, turma que foi vice-campeã  brasileira na temporada.
Naquela campanha, Arthurzinho marcou 14 gols, dois a menos do que o principal goleador da disputa, o também vascaíno Roberto Dinamite. Nascido em 13 de maio de 1956, no Rio de Janeiro, Arhurzinho ficou pouco na Colina, por apenas 28 jogos  que renderam 16 gols. Saiu porque brigou com o presidente Antônio Calçada.

MAIORES GOLEADAS - Antes daquele estragaço, o saco de maldades vascaíno havia sido aberto em: 06. 09;1947 - Vasco 14 x 1 Canto do Rio; 29. 12.1937 - 12 x 0 Andarahy; 01.05. 1927 -  11 x 0 Brasil-RJ; 03.07.1949 -  11 x 0 São Cristóvão; 22.05.1959 - 11 x 0 IFK Östersund-SUE; 01.06.1961 - 11 x 0 Combinado de Trondheim-NOR; 13.02.1988 - 11 x 0 Combinado de Petrópolis-RJ; 16.06.1935 - 10 x 0 Brasil-RJ; 21.05.1944 -  10 x 0 Bonsucesso; 09.05.1954 - 10 x 0 Colatinense-ES; 04.06.1961 -  10 x 0 Eif IF-NOR;  21.10.1945 - 9 x 0 Bonsucesso; 01.07.1950 -  9 x 0 Estrela do Norte-ES; 23.07.1960 - 9 x 0 Seleção  de Ilhéus-BA; 23; 02;1969 - 9 x 0 Combinado de Vassouras-RJ. Depois disso, só foi aberto em: 12.02.2011 - Vasco 9 x 0 América-RJ.  
Desses jogos, os oficiais foram: Vasco 14 x 1 Canto do Rio; 12 x 0 Andarahy;  11 x 0 Brasil-RJ;  11 x 0 São Cristóvão;  10 x 0 Brasil-RJ (anulado);  9 x 0 Bonsucesso; 9 x 0 Tuna Luso-PA e  9 x 0 América-RJ.

OS BAIANOA NÃO TINHAM - A data 19 de fevereiro tem duas apimentadas goleadas sobre times baianos: Vasco 6 x 1 Ypiranga, em1959, e Vasco 4 x 1 Vitória, em 1981.   O segundo desses jogos foi em uma quarta-feira, no Maracanã, pela primeira fase do Campeonato Brasileiro. Romualdo Arppi Filho apitou e o time vascaíno teve: Mazaropi; Rosemiro, Orlando, Ivan e João Luís; Dudu e Zandonaide (Guina); Alcides, César, Roberto Dinamite.
  Como dizem que baiano não tem muita pressa, o Vasco tinha. Abriu o placar a um minuto, por intermédio de Maquinho, e fez o segundo dois minutos depois, com César, que voltou ao tabuleiro da baiana, aos 15. No segundo tempo, Marquinho, que, também, gostou do tempero nas redes, lambusou de vatapá outra bola no barbante, aos 23 minutos. E olha que o chefe da rapaziada era um famoso retranqueiro, Mário Jorge Lobo Zagallo.
Como a data era boa mesmo pra “matar”, a turma fez  mais um servicinho: 3 x 1 Olaria, em uma outra quarta-feira, mas de 2003, na Rua Bariri, pela oitava rodada do Estadual-RJ.   Daquela vez, o apito ficou com Luís Antônio Silva dos Santos (RJ) e os gols pro conta de Souza, aos 40 minutos do primeiro tempo; Petkovic, aos 16, e Marcelinho Carioca, aos 27 do segundo. Antônio Lopes era o treinador. O seu time: Fábio; Russo, Alex, Wellington Paulo, Siston e Henrique; Bruno Lazaroni (Rodrigo Souto), Marcelinho Carioca e Petkovic; Valdir (Cadu) e Souza.  

                              XX                 XX                  XX            XX
20.02 - Nada mais gratificante do que vencer um grande rival por um gol de diferença. Principalmente com gol nas últimas bolas da partida. Gera mais discussões e choros do que uma goleada. Aconteceu nos 20 de fevereiro, em duelos contra os rivalaços Flamengo e Fluminense, ambos pelo Torneio Rio-São Paulo.  
VASCO 1 x 0 FLAMENGO rolou em 1952, no Maracanã, com gol marcado por Ipojucan, aos 74 minutos. Um inglês tratado por Mister Mead apitou e o Vasco venceu com: Barbosa, Lola e Clarel; Ely, Danilo (Aldemar) e Jorge; Salvini (Vivinho), Ademir Menezes, Friaça, Ipojucan e Jansen.

VASCO 2 x 1 FLUMINENS foi assistida por 35.235 pagantes e teve tentos de Saulzinho e de Luizinho Goiano.  Armando Marques apitou e o time cruzmaltino era este: Levis; Joel, Brito, Fontana e Barbosinha (Pereira); Maranhão e Lorico (Quincas); Luisinho, Célio, Saulzinho (foto) e (Mário Tilico) e Zezinho.
 

SERGIPANOS - A data 20 de fevereiro parece ter sido escolhida pelos cruzmaltinos, também, para baterem no Sergipe. Em 1997, eles mandaram 5 x 3 e, em 2002, apertados 2 x 1, ambas as vezes valendo pela Copa do Brasil. No primeiro jogo, o placar vascaíno andou assim: Mauricinho, aos 18, e Ramón, aos 21 minutos do primeiro tempo; Almir, aos 8; Mauricinho, aos 10, e Ramon, aos 38 da etapa final. Antônio Lopes era o treinador naquela noite de quinta-feira, no Estádio Lourival Batista, em Aracaju, onde trilou o apito de Paulo Jackson Mota Silveira-BA.
  Diante de 7.742 pagantes, o Vasco goleante mostrou: Carlos Germano; Pimentel, Nelson, Jorge Luís e Felipe; Cristiano, Juninho Pernambucano (George), Ramon Mineiro e Fabrício (Luizinho); Mauricinho e Almir (Pedrinho). 

 Na partida de 20 de fevereiro de 2002, uma quarta-feira, em São Januário, Heber Roberto Lopes (PR) apitou. Euller, aos 17, e Felipe, aos 22 minutos do segundo tempo, balançaram a rede, e o Vasco, treinado por Evaristo de Macedo, apresentou: Helton; Leonardo Moura, Geder, João Carlos e André Silva; Rodrigo Souto, Ricardo Bóvio, Felipe (Gomes) e Léo Lima (Alex Oliveira); Euller (Ely Thadeu) e Romário.

 DÁLE CAMPEON - O verão de 1982 fervia no Uruguai, quando a “Turma da Colina” chegou a Montevidéu, para disputar aqueles tradicionais torneios da estação. E não deixou por menos. Em 20 de fevereiro daquele ano, um sábado, a rapaziada carregou a taça, vencendo o Peñarol, na decisão, por 1 x 0, com gol de Da Costa, no Estádio Centenário.
O Peñarol é um tradicional freguês continental da “Turma da Colina”. Em 17 jogos, os cruzmaltinos venceram nove (52,94%), marcando 31 gols, à média de 1,82 por partida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário