Vasco

Vasco

domingo, 12 de fevereiro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 12 DE FEVEREIRO

É o time da virada, mesmo!  2 x 1 sobre o Fluminense, mantendo os 100% de aproveitamento na Taça Guanabara. Com o resultado, o Vasco foi para as semifinais da disputa.
O Vasco foi a campo no esquema tático 4-4-2, com Bernardo e Chaparro substituindo Eduardo Costa e Juninho Pernambucano, este poupado, em respeito aos seus 36 anos de idade. Aos 6 minutos, os tricolores abriram o placar, por intermédio de Thiago Neves. Mas a "Turma da Colina" não aceitou. Investiu nas jogadas pela, com Thiago Feltri, mas não conseguiu mexer na conta na etapa inicial.  
No segundo tempo, o treinador Cristóvão Borges trocou o apoiador argentino Chaparro pelo atacante Willian Barbio, tornando o time mais ofensivo, com só um volante, que era, Nilton. A mexida levou Diego Souza para o meio-de-campo, deixando Felipe e Bernardo mais recuados. Com Barbio, o time ganhou mais movimentação. 
E avisou que iria empoatr. Aos   minutos, Nilton cobrou falta. Fagner recebeu a bola e cruzou, na medida, para Alecsandro se antecipar à zaga e escrever 1 x 1 no marcador – o quinto dele naquela Taça GB. O gol vira-vira saiu aos 33 minutos. Bernardo bateu escanteio, da direita,e Alecsandro cabeceou com endereço certo: 2 x 1. Abatido e nervoso, o adversário teve Edinho e Fred expulsos de campo.
 O jogo foi no Engenhão, iniciado às 19h30, com apito de Antonio Frederico de Carvalho Schneider. O Vasco venceu por causa de: Fernando Prass; Fagner, Dedé, Rodolfo e Thiago Feltri; Nilton, Chaparro (Willian Barbio, intervalo), Bernardo e Felipe; Diego Souza (Eduardo Costa, 36'/2ºT) e Alecsandro.

INFERNIZADO - Por esta, nem o inferno esperava. Em 12 de fevereiro de 2011, o Vasco mandou uma brasa pra cima do "Diabo": 9 x 0, pela sétima rodada da Taça Guanabara. Embora o verão carioca queimasse tanto, a bola rolou com temperatura mais branda, a partir das 19h, no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda.
Quatro minutos depois de Wágner dos Santos Rosa apitar o início da queimação, Fagner acendeu o pavio: 1 x 0. O América ficou tonto naquele primeiro tempo de fogo ardendo: Felipe, aos 18; Ramon, aos 23; Marcel, aos 25, e Enrico, aos 37, aqueceram mais a temperatura da pugna.
O Lobo, Zgallo mandou morder
Na etapa final, Caíque, aos 5; Ramon, aos 18; Jéferson, aos 24, e Enrico, aos 45, deixaram o pobre "Diabo" sem chifre e sem rabo. Ricardo Gomes foi o chefe que autorizou o fogareu e os incendiários foram: Fernando Prass; Fagner, Dedé, Anderson Martins e Ramon; Rômulo, Fellipe Bastos, Jéferson e Felipe (Enrico); Éder Luís (Caíque) e Marcel (Patric).

TUBARÃO NO ARPÃO - O paranaense Londrina, apelidado por "Tubarão", perdeu os dentes quando viu o "Bacalhau" pela frente, no dia 12 de fevereiro de 1981. Também, pudera! Três "dinamites" explodidas por Roberto – aos 18 e aos 22 minutos do primeiro tempo, e aos 40 do segundo – assustam qualquer marisco. Ainda mais quando Dudu 'Coelhão" devora uma cenoura – aos 13 minutos. E piora quando César cobra o que é de César – aos 3 da etapa final. E fica pior ainda quando o paraense Rosemiro resolve descer no mapa para o fundo do mar, para ser mais um caçador de "Tubarão" – aos 23 da mesma etapa final. O bicho pegou feio! O Lobo Zagallo era o técnico vascaíno.
Naquele dia, pelas catracas do Maracanã, passaram 11.193 consumidores que escutaram o apito de Nei Andrade Nunesmaia (BA). O arrepiante time cruzmaltino massacrou com: Mazaropi; Rosemiro, Ivan, Orlando e Sérgio Pinto; Dudu, Zandonaide (Guina) e Marquinho; Wilsinho, Roberto Dinamite e César.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário