Vasco

Vasco

domingo, 1 de novembro de 2015

DOMINGO É DIA DE MULHER BONITA - ALBA, PRIMEIRA DAMA DAS ALAGOAS

Casamento em uma igrejinha muito simples
Quando ela era Alba Tavares Mendes, não votou em Sebastião Marinho Muniz Falcão, para governador do seu estado. Meses depois, arruou  um emprego, com um secretário, para a assessoria técnica do governo dele. E ele a demitiu.  
 Seguinte: em 1956, Muniz Falcão era o último governador solteiro do país. E não tinha planos para mudar de estado civil quando chegou ao Palácio dos Martírios. Um dia, andando pela casa, ele deparou-se com uma moça que o encantou. Em 6 de agosto, estavam noivos. No dia seguinte, o “Diário Oficial” alagoano circulou com a exoneração da noiva, filha do deputado estadual Humberto Mendes, líder político em Palmeiras dos Índios, a terra dela. Passado pouco mais de um mês, em 9 de setembro, a linda morena, de 25 anos de idade, descrita pelo repórter Thiago de Mello, da revista “Manchete”, como moça de corpo esguio, caminhado leve, sorriso de criança e jeito brejeiro de olhar”, tornava-se a primeira dama alagoana e presidente da seção estadual da Legião Brasileira de Assistência.


Elegância e charme ao piano
 Renomeada Alba Mendes Muniz Falcão, ela queria um casamento simples, na igreja de Santa Teresa, na Praça Getúlio Vargas, no bairro de Ponta Grossa, em Maceió. Tão simples que só tinha duas portas – e sino, É claro. Mas o povo não queria assim. Tosos queriam ver Alba colocando a aliança no dedo anular da mão esquerda do antes candidato da Frente Popular, eleito em 3 de outubro de 1955, por campanha quase sem grana e percorrendo todo o estado a bordo de um jeep emprestado. O que ninguém esperava era ver noivo e noiva bebendo um copo de leite diante do padre, pois haviam chegado em jejum ao pé do altar, como fotografou Farias de Azevedo, para a revista carioca.     
A história durou menos de 10 anos. Em 14 de junho de 1966, aos 51 anos de idade, Muniz Falcão, nascido em Ouricuri-PE, em 6 de janeiro de 1915, tornou-se uma pessoa espiritual.       



When she was Alba Tavares Mendes, did not vote for Marine Sebastian Muniz Falcão, for governor of his state. Months later, he arruou a job with a secretary, for technical advice of his government. And he resigned.
 Next: in 1956, Muniz Hawk was the last governor single country. And I had no plans to change their marital status when he reached the Palace of the Martyrs. One day, walking around the house, he came across a young woman who delighted him. On August 6, they were engaged. The next day, the "Official Gazette" Alagoas circulated with the dismissal of the bride, daughter of State Representative Humberto Mendes, political leader of the Indians in Palmeiras, her land. Just over a month, on September 9, the beautiful brunette, 25 years old, described by the reporter Thiago de Mello, the magazine "Headline" as slender body of young woman, walking light, childlike smile and brejeiro way look ", became the first Alagoas lady and president of the state chapter of the Brazilian Legion of Assistance.

Leite ao pé do altar para quebrar o jejum 
 Renamed Alba Muniz Falcão Mendes, she wanted a simple wedding in the church of Santa Teresa, on Vargas Square in Ponta Grossa district of Maceió. So simple that only had two doors - and bell, of course. But the people did not want that. Tosos wanted to see Alba putting the ring on the third finger of the left hand of the candidate before the Popular Front, elected in October 3, 1955, by campaign with almost no money and traveling across the board the status of a borrowed jeep. What no one expected was to see groom and bride drinking a glass of milk before the priest, as had arrived fasting at the foot of the altar, as photographed Farias de Azevedo, for the carioca magazine.

Nenhum comentário:

Postar um comentário