Vasco

Vasco

domingo, 31 de janeiro de 2016

O VASCO NOSSO DE CADA DIA - 31.01


 A temporada-1963 começou bem para os vascaínos. No dia 31 de janeiro, eles conquistaram o Torneio Pentagonal do México,  empatando, na final, por 1 x 1, com o Dukla, de Praga, da antiga Tchecoeslováquia. O adversário era quase a seleção do seu país, vice-campeã mundial da Copa do Mundo do Chile, seis meses antes.
 A turma campeã tinha por treinador Jorge Vieira e por base esta rapaziada: Ita; Joel, Brito, Barbosinha e Coronel (Dario); Maranhão (Écio) e Lorico; Sabará, Viladônega (Célio), Saulzinho e Ronaldo (Fagundes).
O Vasco iniciou a disputa, em 10 de janeiro, vencendo o América, da Cidade do México, por 1 x 0, com gol de Saulzinho. No dia 17, goleou o El Oro, 5 x 0. Sabará, Maranhão, Ruvalcalba (contra), Viladônega e Célio sacudiram o filó. Três dias depois, 1 x 1, com o Guadalajara. Saulzinho voltou ao barbante. Na final, Ronaldo foi o autor do gol do título.
Foi nesta competição que surgiu a mais importante dupla ofensiva cruzmaltina da década de 1960, formada por Célio e Saulzinho (foto). O primeiro já estava em São Januário, desde 1º de abril de 1961, enquanto o outro apresentou-se, exatamente, durante aquela excursão. Juntos, totalizaram 190 gols vascaínos, 103 do paulista Célio e 87 do gauchinho Saul. (foto reproduzida da Revista do Esporte).
     FARRA ANDINA - A "Turma da Colina" costumava se dar bem na maioria das vezes em que subia aos andes, para disputar amistosos contra times peruanos. Em 31 de janeiro de 1957, por exemplo, mandou 3 x 1 no Universitário, em uma quinta-feira, com gols de Livinho, Artoff e Valter Marciano. Por aquele tempo, o comandante da rapaziada era Martim Francisco.
 Um ano depois, em 31 de janeiro de 1962, andou pra trás (no calendário). Jogou em uma quarta-feira. Mas não reduziu o placar de 3 x 1. Só que, daquela vez, pra cima do simpático "Ferrim", o tricolor Ferroviário, do Ceará, amistosamente, em Fortaleza. O gauchinho Saulzinho parece ter saído dos Pampas com muita fome de gols. Fez todos, naquele dia. Barbaridade, tchê!
Subindo no mapa e no túnel do tempo, no 31 de janeiro de 1982, o batido foi o Paysandu, de Belém do Pará. Outro 3 x 1, mas em um domingão, diante de 35.808 almas, que levaram para o Mangueirão, na capital paraense. Cláudio Adão provou primeiro do "tacacá", aos 21 minutos do primeiro tempo.  No segundo, Roberto Dinamite fez mais sucesso. Tocou dois "carimbós" na rede, aos 26 e aos 29 minutos. O jogo valeu pelo Campeonato Brasileiro e a rapaziada  era treinado por Antônio Lopes. O time: Mazaropi; Galvão, Rondinelli, Ivan e Pedrinho; Serginho, Dudu (Da Costa) e Cláudio Adão; Wilsinho, Roberto Dinamite e Renato Sá (Marquinho).

Humberto, Paulinho, Brito, Nivaldo, Barbosinha e Dario (em pé, da esquerda para a direita); Sabará, Vevé, Saulzinho, Lorico e Tiriça (agachados, na mesma ordem), em uma das formações dos times vascaínos de 1962 
Em 1986, o Vasco deixou por menos, já que estava abrindo os trabalhos, em pré-temporada. No 31 de janeiro, mandou 2 x 0 na seleção amadora da cidade de Rio das Flores-RJ. Os baixinhos Mauricinho e Romário floriram as redes e subiram a tabuleta do placar. Antônio Lopes escalou: Acácio; Paulo Roberto, Alex, Figueroa e Lira; Vitor, Gersinho e Josenilton; Mauricinho, Romário e Ronaldo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário