Vasco

Vasco

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

MEMÓRIA DA PUBLICIDADE NAS REVISTAS ESPORTIVAS BRASILEIRAS - RAPIDINHAS

 Revista inglesa, sediada em Londres, ela diz-se “a única que realmente reflete o futebol em todos os seus extremos. Espetacular, dramático, divertido, teimoso, autoritário, inteligente, peculiar - a partir da base para cima, se é no jogo, está em FourFourTwo, sempre”.
Recado perfeito para impressionar quem não a conhecesse. E, assim sendo, Sérgio Quintanilha foi à Inglaterra e voltou com uma franquia para tentar emplacar por aqui uma edição brasileira de uma das revistas europeias mais conceitadas do planeta futebol. Para isos, criou a Editora Cadiz e colocou o produto no mercado, em 2009.
 Realmente, a FourForTwo correspondia à sua propaganda. Por aqui, adicionou matérias sobre o futebol brasileiro, mas chegou dentro da mesma faixa de revista já existente e que também atacava a história, entrevistas e o futebol internacional, caso da Trrivela. Até o visual gráfico era paraecido.     
 Com 100 páginas, todas coloridas e em papel couchê, passada a edição de lançamento, o número 4, de  4 de fevereiero de 2009, circulou com quatro anúncios – Stuff (revista de gadgets); Minha Viagem (revista de turismo); Puma King (chuiteira) e ESPN Brasil. Chegou ao 11º com oito – Nike (chuteira CTR 360); Mercedes Benz (Chassi Sprinter); Scapaticio Advogados; Stuff (revista de gadgates); CGC (empresa espcializada em organizar atividfades esportivas); Com Center (oferecendo telefonia celular 3G da Vivo); Escola de Futebol do Corinthians (parceria com a revista); Citzen (relógios) e de uma empresa não identficada prometendo soluções de problemas no Brasil e em Portugal e marcava um nov encontro na próxima edição, oque não aconteceu. Pouco ainda para uma franquia internacional.
 Com a TV a cabo transmitindo uma grande quantidade de jogos do exterior para o Brasil, na época em que a FourForTwo chegou por aqui, evidentemente, aquilo mexeu muito  com o torcedor mais apaixonado e, principalmente, o desocupado. Seguramente,  devido ao pqueno número de anúncios, a estrutura da revista foi mantida, mas o número de matérais sobre os clubes brasileiros aumentou bastante, pois o torcdor, na hora de discutir bola no botequim, não discute o jogo dos gringos, mas os seu time dasqui, Flamengo, Corinthians, Fluminens,  Vasco, Palmeias, Cruzeiro, etc. No entanto, só avia um repórter e um estagiário para correr atrás do futebol canarinho. O restante da eaqipe contava de poucos colaboradores prodzindo entrevistas e as chamadas matérias especiais históricas. Placar tinha dezenas de reórteres e corredpondentes por quase todo o Brasil.
 Nessa batida, FourForTwo foi para o número 13 priorizando a Copa do Mundo-2010, na África do Sul e forecendo um guia de como chegar,  hospedar e o que aproveitar. Vendeu apenas quatro anúncios – Cerveja (nova) Schin pilsen); Nascimento Turismo; Chaveiros Papaiz  e sandálias Rider. Estava escrito que não dava para segurar. O que aconteceu com 16 edições. A última, de junho de 2010, foi  um “guia completo da Copa-2010, o que Placar fazia, de há muito. Reduzida para 66 folhas, abordo as seleções participatnes, suas táticas, estrelas e seus jogos, mas não comoveu. Circulou com ... anúncios – Nike; Fiat (novo Uno); Gatorede e revista Motor Quatro. Foi assim!               


Nenhum comentário:

Postar um comentário